Novas receitas

No radar: Restaurante Sixtyone em Londres

No radar: Restaurante Sixtyone em Londres


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Percorra os guias e listas de restaurantes de Londres para escolher opções de restaurantes finos e você descobrirá os "habituais" - nomes como Barrafina, Dinner, La Gavroche, The Wolseley e Berner’s Tavern praticamente dominam a capital. Em Marble Arch, a relativa novata Sixtyone manteve um perfil muito mais discreto entre seus pares, embora já tenha alcançado as principais honras com suas três Rosetas AA concedidas menos de um ano desde sua estreia em 2014. Embora um pouco atrás do resto do grupo em popularidade, o restaurante está certamente no mesmo nível de jantares finos de qualidade na capital.

Localizado no andar térreo do Montcalm Hotel, o Sixtyone é um local fora do radar que não deveria ser - o chef / patrono Arnaud Stephens teve treinamento de classe mundial com Gordon Ramsey e Jason Atherton, e o restaurante pertence ao portfólio do lendário Searcy, exalando o mesmo padrão de classe e qualidade de seus outros locais elegantes. Sixtyone apresenta uma sala de jantar de tamanho médio, elegantemente decorada, adornada em bronze e creme, com uma barra de champanhe adjacente, perfeita para clientes de negócios, encontros sofisticados e outras ocasiões dignas de ostentação.

A tarifa no Sixtyone é contemporânea, atenciosa e orgulhosamente britânica. O verso de cada cardápio apresenta uma lista de seus fornecedores de artesãos e suas distâncias da capital; As aves de corte e caça de sessenta e um, por exemplo, vêm precisamente 282 milhas de distância dos fazendeiros do distrito de Lake, ao norte.

O menu é conciso - um frutos do mar, duas carnes e dois pratos vegetarianos são o que os clientes podem escolher para entradas e pratos principais - mas bem editado para a experiência máxima. As entradas incluem sopa de couve-flor com ovo de pato cozido lentamente e trufa; torrada de porco com pêra e noz-pecã; e o visualmente deslumbrante carpaccio de polvo com pimenta vermelha, pinhão e gergelim. A apresentação das entradas é tão excepcional quanto gustativa, como peito e coxa de frango assado com pastinaga e curry, emulsão de cebolinha e legumes do mar e alcachofra de Jerusalém com cogumelos girolle e avelã.

Sixtyone evoca o velho ditado de que popularidade não significa necessariamente excelência, já que merece excelentes notas, apesar de seu atual perfil discreto - tanto melhor para você reservar uma mesa antes que o segredo seja revelado.


The Lost Kitchen: A Glimpse Inside Maine & # 8217s Restaurante mais procurado

Este é o restaurante mais falado do país, mas você precisa se perder um pouco - e enviar uma carta de amor - para encontrá-lo.

The Lost Kitchen é uma história de sucesso improvável. Primeiro, há a questão de onde está: na cidade rural de Freedom, Maine, a 17 milhas da costa, cercada por fazendas e estradas rurais, perto de cidades como Unity e Liberty. Você pode contar os edifícios em Freedom por um lado: há um armazém geral, um posto de gasolina, um correio e a própria Cozinha Perdida, em um prédio de 1834, situado sobre um riacho.

Depois, há a questão da história do restaurante. É dirigido por uma chef autodidata, Erin French, nativa de Freedom que passou a adolescência trabalhando em uma lanchonete local. Ela começou o Lost Kitchen como uma série de jantares invisíveis em seu pequeno apartamento, então economizou para abrir um restaurante de verdade, um andar abaixo. A Cozinha Perdida decolou, até que um dia French chegou e encontrou cadeados nas portas, a porcelana de sua avó e cada panela trancada dentro dela: a Cozinha Perdida, perdida em um divórcio contencioso. French reconstruiu, renovando um Airstream e servindo jantares pop-up em todo o Maine antes que ela soubesse que o moinho caindo aos pedaços em Freedom havia sido salvo e precisava de um inquilino. Ela se mudou e instalou tudo sozinha, adquirindo eletrodomésticos antigos em velhas casas de fazenda, construindo as mesas de jantar à mão e vasculhando lojas de antiguidades em busca de talheres.

Em sua versão atual, a Cozinha Perdida tem oito mesas e uma mesa por noite, e French e sua equipe de garçonetes e cozinheiras fazem de tudo: uma garçonete planta flores, outra cria galinhas. A francesa cozinha as refeições com vários pratos na hora, na cozinha aberta, sem nenhum cardápio em mente, aproveitando apenas o que está disponível naquele dia, as receitas aprendidas com a mãe e a avó e os sabores simples do Maine. A tinta dos menus mal seca quando os convidados chegam: eles são impressos um pouco antes do assento todas as noites - até então, o que será servido está em evolução.

É uma história de sucesso improvável, mas um grande sucesso: nos quatro anos em que esteve aberta, French escreveu um livro de receitas,A cozinha perdida: receitas e uma boa vida encontradas em Freedom, Maine. Costumava ser que em 1º de abril as linhas de telefone abrissem para as reservas de verão & # 8217s, mas depois que as linhas de telefone quebraram, French adotou um sistema mais antiquado no ano passado: os clientes potenciais enviavam um cartão postal escrito à mão, com carimbo postal entre os datas de 1º e 10 de abril, a serem consideradas para um cobiçado assento à mesa. French recebeu quase 20.000 cartões-postais: eles enchem baldes no pequeno escritório ao lado da sala de jantar.

A partir de hoje, The Lost Kitchen está aceitando cartões postais para a temporada de 2019, veja todos os detalhes aqui. A menos que você seja um dos poucos sortudos, porém, você nunca poderá entrar na Cozinha Perdida. Considere isso um vislumbre.

Fotografia de Greta Rybus para Remodelista.

Acima: The Mill at Freedom Falls, onde a Lost Kitchen está localizada, está situado acima de um largo riacho. O prédio de 1834 era antigamente um moinho de grãos, então um moinho de torneamento, mas estava abandonado por décadas e corria o risco de cair no riacho antes que conservacionistas locais e Cold Mountain Builders trabalharam para restaurá-lo, escorando a fundação de granito e substituindo as madeiras.

Acima: Para chegar à Cozinha Perdida, os clientes cruzam uma estreita passarela acima das cataratas. Acima: No interior, restos do antigo moinho permanecem: sistemas de polias e uma velha mó, incrustada no chão. French equipou a sala de jantar com simplicidade, e só ela, com mesas feitas à mão e cadeiras pintadas de encosto redondo. Ela também instalou um respiradouro e um duto de ar para facilitar o trabalho da cozinha. Acima: French construiu as mesas com a ajuda de um carpinteiro local, usando madeira recuperada e pernas de metal em forma de grampo. As cadeiras são da Hayes Unfinished Furniture em Brewer, Maine, pintadas em Benjamin Moore & # 8217s Iron Mountain. Acima: os franceses buscam os talheres em lojas de antiguidades ao redor do Maine, lá embaixo, na despensa, há pilhas de porcelana azul e branca e tigelas de jadeíte. A mãe francesa, que trabalha na Lost Kitchen, costurou guardanapos de pano originais do restaurante. Acima: os hóspedes são recebidos por um pano refrescante feito à mão, um refúgio do calor. (Fique ligado para saber como fazê-los em uma postagem futura.) Acima: Uma das garçonetes, Ashley, fornece diariamente as flores de sua própria fazenda. Acima: Uma mistura de cerâmicas na cozinha aberta. A French instalou os contadores e adquiriu a linha Lacanche (fora do quadro) com um desconto.

Acima: em uma parede, uma gaiola vintage contém os copos do restaurante e # 8217s. Acima: Com pilhas de copos e porcelana mista, há a sensação de jantar em casa própria francesa, não em um restaurante formal. Acima: Até a geladeira - um refrigerador 1950 & # 8217s que French encontrou no Uncle Henry & # 8217s (versão Maine & # 8217s do Craigslist) - está aberto. Acima: um carrinho vintage contém xícaras de chá combinadas que French vem coletando ao longo dos anos. Acima: Lagostas esfriam na pia da casa da fazenda, que French encontrou em uma casa que seria demolida em Massachusetts. Acima: A cozinha aberta é em partes iguais, utilidade e charme. Acima: Três dos quase 20.000 cartões-postais - de todos os estados e 21 países - que chegaram na pequena agência de correios de Freedom, Maine, em abril. Alguns cartões postais têm pinturas do antigo moinho ou mapas desenhados à mão de como encontrar a Cozinha Perdida. French pega os cartões enviados pelos comensais da noite e os entrega de volta após a refeição - pequenos souvenirs da experiência. Acima: névoa do Maine nas janelas do moinho. Acima: O francês leva um tempo entre cozinhar para organizar as flores para a noite. Ao anoitecer, a própria francesa vai até cada mesa para acender velas.

Conseguiu um lugar na Cozinha Perdida e precisa de um lugar para passar a noite? Podemos sugerir os quartos de hóspedes em High Ridge Farm, a 20 minutos de carro.


Fangko Coffee & # 8211 Tasty Blue Nasi Lemak Ayam Berempah, no Under-The-Radar Cafe perto de Clarke Quay

Mudou de acordo com este café indescritível na Hongkong Street, que fica bem em frente ao Clarke Quay Central.

Este é o conceito Fangko + Coffee, embora tenha um outlet original na Oxley Tower, Robinson Road.

É o tipo que você pode simplesmente passar por cima e perder, mas é curioso e simples por dentro, com um serviço amigável.

O café serve comida indonésia de estilo moderno, como Nasi Lemak Ayam Berempah, Indomie Goreng, Fried Rice Kampung e Smashed Chimken.

Há também alguns itens de comida de café moderno em seu menu, e seu preço parece bastante barato considerando esta área perto de Clarke Quay, com muitos itens com preços abaixo de US $ 10.

Há o Hambúrguer de Frango Frito Picante (US $ 8), o Hambúrguer Chimken Spicy Smash (US $ 9), Sanduíche de Chimken Assado com Abacate (US $ 11) e Torrada Francesa Clássica (US $ 3,50).


Comprei o exclusivo Fangkok +, que é o Nasi Lemak Ayam Berempah (US $ 10) com coxa de frango fresca, arroz de coco, amendoim, ikan billis, ovo frito, sambal e kerupuk.

Veja a bela flor de ervilha azul de arroz colorido? Eu estava inicialmente cético, "Esta é uma daquelas comidas instagramáveis ​​de café que tem gosto moderado?"

OK. Eu comi vários pratos decentes de Nasi Lemak em Cingapura, então estava ficando cada vez mais difícil ficar impressionado.

Devo dizer que houve um elemento de surpresa quando senti pela primeira vez o aroma do arroz azul e branco macio e fofo.

Era aquela fragrância de coco que era fantasticamente atraente.

O arroz era leve, mas saboroso, não era muito gorduroso e não roubou o trovão de nenhum dos outros ingredientes.

Deve-se dar crédito também aos outros componentes do prato, especialmente à pimenta que traz um ponche.

Amamos a pele crocante fina como papel no frango frito temperado. Se eu precisasse escolher minuciosamente, gostaria que fosse mais quente.

Você pode combinar sua comida com algumas de suas bebidas fantásticas, como Fangko Coffee ($ 3,80, $ 4,80) adicionado com Gula Melaka, Abacate Coffee ($ 6,80, $ 8,80), Peppermint Mocha ($ 5,50, $ 6,50), Dark Chocolate ($ 5, $ 6), e espumante de morango ($ 5,50, $ 6,50).

Um café onde você não pode julgar por sua aparência externa.

Embora Fangko Coffee & # 8217s Nasi Lemak não tenha a fanfarra de The Coconut Club e Lemak Boys, talvez o azarão também possa ter algum apoio.

Fangko + Café
20 Hongkong Street, # 01-03, Singapura 059663
Horário de funcionamento: 8h30 e # 8211 18h, 9h e # 8211 20h (sáb), 11h e # 8211 17h (domingo)

Café FangKo
138 Robinson Rd, # 02-04 Oxley Tower, Singapura 068906
Horário de funcionamento: 9h e # 8211 15h30 (seg e # 8211 sex), fechado sáb - dom

* Siga @DanielFoodDiary no Facebook, Instagram e Youtube para mais notícias de comida, vídeos de comida e destaques de viagens. O DFD pagou por alimentos revisados, a menos que seja indicado o contrário.


20 mixologistas pretos de que você precisa no radar

Siga-os no Instagram para obter inspiração para coquetéis, receitas e dicas.

Se você deseja algo diferente sem ir ao bar, sugerimos que siga algumas dicas dos profissionais. Muitos dos melhores bartenders e mixologistas do mundo estão compartilhando dicas, receitas e inspiração para coquetéis no Instagram, dando aos bebedores em casa a chance de espiar atrás do bar e aprimorar suas habilidades.

Cada setor está despertando para a necessidade de diversidade, e o mundo do álcool não é exceção. Felizmente, existem alguns recursos incríveis que mostram e celebram as contribuições dos negros para cerveja, vinho e coquetéis. Confira Omolola Olateju & ​​# x2019s Black Girls Drink ou Julia Coney & # x2019s Black Wine Professionals para saber mais sobre as superestrelas do mundo dos destilados e dê uma nova vida ao seu feed Insta seguindo estes incríveis mixologistas, bartenders e especialistas em bebidas Black.

Algumas dessas superestrelas dos coquetéis trabalham em um bar específico, enquanto outras realizam seus próprios eventos, atuam como freelancers em vários locais ou atuam como embaixadores da marca. Todos esses 20 mixologistas estão trazendo inovações e melhorias necessárias e há muito esperadas para a indústria.

Tiffanie Barriere

Barriere é respeitada na indústria por seus menus de coquetéis inovadores e consultoria de bar. Sua direção criativa levou o popular bar do aeroporto de Atlanta, One Flew South, a ser nomeado & # x201CBest Airport Bar do mundo & # x201D no Tales of the Cocktail em 2014. Ela também é membro do Conselho Consultivo James Beard e do capítulo de Atlanta da Les Dames d & # x2019Escoffier. (No domingo, 19 de julho, Barriere sofreu um acidente de carro do qual ela está se recuperando em casa. Há uma arrecadação de fundos GoFundMe para ajudá-la enquanto ela se recupera, que você pode apoiar aqui.)

Anthony Bates

Bates é o mixologista-chefe do The Polo Bar, o clássico restaurante Ralph Lauren em Nova York. Seu feed do Instagram apresenta uma variedade de coquetéis coloridos, como o Casanova, feito com Pisco, morangos amassados, suco de limão e mel de Manuka com infusão de sálvia de abacaxi.


(Vale de San Joaquin, CA)
Nossa fazenda está comprometida em cultivar relacionamentos de longo prazo com nossos clientes. Nossa lista diversificada de safras nos permite oferecer produtos frescos e sazonais aos nossos parceiros de atacado, varejo, food service e restaurantes durante todo o ano.

(Petaluma, CA)
A County Line Harvest cultiva alfaces especiais, saladas verdes especiais, espinafre infantil, misturas de chicória, rabanetes, misturas de nabo, cenouras, cebolas cippolini, alho-poró bebê, erva-doce, abobrinha mista, basilhas, salsa e sálvia. Todas as colheitas são orgânicas


Perilla, Londres N16

Escolhido por Selin Kiazim, chef-diretor de Oklava

Há uma comida incrível acontecendo nesta sala de jantar aconchegante e movimentada. Ben Marks é um chef muito talentoso e prepara os pratos mais bonitos. As influências são mais do lado europeu, mas é uma mistura bastante eclética. A última vez que fui, comi um pedaço do tamanho de um canapé de pão de ontem embebido em molho moules mariniere - a melhor parte ali mesmo - e pescada empanada frita em gordura de carne com molho de curry chips. Tem um clima de vizinhança, mas também é um ótimo lugar para uma ocasião: grandes vitrines que envolvem lindas plantas por toda parte. Há uma pequena área de bar também, onde eu comi, olhando para Ben se preparando.

The Canton Arms, Londres SW8
Escolhido por Margot Henderson, chef e coproprietária da Rochelle Canteen

Este é o meu local e tem tudo que eu gosto em um pub: é amigável, caloroso e não muito chamativo. É familiar e perfeito em um dia chuvoso. Além disso, tem ótimos drinks e comida excelente. A sala de jantar é aconchegante, com o cardápio mais delicioso - sempre adoro o jeito que lê. Bastante clássico, mas moderno - pode ter canela de boi provençal. O menu do quadro-negro tem cerca de quatro pratos compartilhados e eles vão muito além do que diz, o que o torna de grande valor. É comida delicada para famílias e amigos, servida em grandes pratos Le Creuset, com espírito generoso.

The Inn at Whitewell, perto de Clitheroe, Lancs
Escolhido por Lisa Goodwin-Allen, chef executiva, Northcote

The Inn at Whitewell, próximo a Clitheroe, Lancs Fotografia: PR

Nós vamos muito a esse pub no Ribble Valley, uma bela parte do mundo. O que eu gosto é que não preciso pensar muito. A comida é consistente, humilde mas sempre deliciosa. São clássicos de pub, comida muito britânica: tortas de peixe, hotpots, pratos incríveis de carne ou peixe, bons pratos para refogar. O menu não muda com frequência, mas as placas especiais mudam o tempo todo. Há grandes fogueiras. É um ambiente descontraído, então meu filho gosta de ir lá também, e todos que vêm são adoráveis ​​- caminhantes, pessoas que estiveram em uma sessão de fotos e cachorros são bem-vindos. O grande atrativo é que você pode dar um passeio ao redor de Whitewell, depois ir e comer algo bom e uma boa taça de vinho.

Baús à beira do rio, Ambleside, Cumbria
Escolhido por Simon Rogan, chef-proprietário, L’Enclume

Em um dia de folga, gosto de almoçar neste café à beira do rio. Sento-me do lado de fora, relaxo e como uma comida vegana e vegetariana realmente saborosa. A comida tem influências de todos os tipos - um pouco de marroquina, passando por chinesas, biryanis, pizzas grelhadas na chama - mas as principais estrelas são os vegetais. Não é justo chamá-lo de café, mas é o que é. Você pode levar embora, e há uma loja associada a ele. Os funcionários são simpáticos, o ambiente é agradável e a qualidade é excelente. Minha equipe estava sempre me dizendo como era incrível, e demorei um pouco para chegar lá. Agora posso ver porque eles adoram.

Este artigo foi alterado em 24 de janeiro de 2020 porque uma versão anterior fornecia a localização incorreta em Manchester para The Walled Gardens. É em Whalley Range, não em Didsbury.


10 tendências de restaurantes para 2021/2022: Principais previsões e # 038 O que há além?

A indústria de restaurantes foi duramente atingida pela pandemia COVID-19, com várias lojas fechando temporariamente ou fechando totalmente. Isso levou os estabelecimentos a intensificar seus esforços on-line e a aplicar medidas gastronômicas que seguem os protocolos de segurança. Dessa forma, eles podem conter a propagação da doença enquanto recebem retornos no processo.

Estes são tempos desafiadores para os restaurantes, mas, como muitos reabriram, os proprietários dos estabelecimentos usaram sua criatividade para tornar a situação mais administrável. Essas buscas criativas podem definir o padrão em um futuro previsível. Enquanto isso, os empreendedores de alimentos em formação viram esse infeliz evento como o momento ideal para servir suas criações às suas comunidades imediatas. E isso tem funcionado para eles, visto que a comida é uma necessidade básica.

Do aumento contínuo de entregas de alimentos à ênfase no saneamento, a We & rsquove compilou dez tendências de restaurantes que os especialistas acham que impactarão a indústria de restaurantes em 2021.

Índice de tendências de restaurantes

A partilha de comida nos definiu como uma raça humana. Ele constitui o alicerce da família, religião e relacionamentos em todos os lugares. É por isso que os restaurantes sempre terão um papel crítico e atemporal na sociedade. Como tal, com a pandemia ainda não contida, os restaurantes recorreram a outros recursos para aumentar a probabilidade de sobrevivência. Afinal, mais de 110.000 restaurantes se tornaram vítimas da pandemia apenas nos Estados Unidos (Seattle Times, 2020).

O mundo continua a se tornar mais urbanizado e digitalizado, e a indústria de alimentos e bebidas tem aproveitado isso ao máximo. Hoje em dia, as pessoas preferem que os alimentos sejam entregues para minimizar o risco de contrair COVID-19, o que abriu caminho para várias tendências para restaurateurs estabelecidos e iniciantes.

Uma boa notícia veio quando muitas cidades ao redor do mundo permitiram a reabertura de indústrias, incluindo cafés e restaurantes. No entanto, a maneira como o serviço de alimentação é conduzido foi alterada para promover a segurança dos comensais. Na verdade, o CDC lançou uma diretriz de segurança para os estabelecimentos de alimentos seguirem (CDC, 2020).

Apesar das reaberturas, muitos restaurantes tiveram dificuldades, com 90% dos estabelecimentos de serviço completo relatando quedas nas vendas e uma queda de receita de 36% em média (Seattle Times, 2020). Nem todo mundo gosta de jantar fora, a menos que uma garantia mais forte de sua segurança seja implementada. Mas isso não significa que a indústria de alimentos e bebidas esteja condenada.

A partir desses dilemas surgem novas tendências que podem muito bem dominar os restaurantes durante a pandemia.

As pessoas valorizam mais o saneamento e a saúde

O saneamento é de extrema importância, dada a disseminação da COVID-19. A National Restaurant Association divulgou diretrizes de segurança para a reabertura de restaurantes, e o saneamento é um dos pontos focais do relatório (National Restaurant Association, 2020). As estações de trabalho do pessoal da cozinha, assentos e mesas do restaurante, banheiros e outros acessórios do restaurante devem ser cuidadosamente higienizados.

Além disso, a busca pelo saneamento se estende à higiene pessoal do pessoal da cozinha. Além de lavar as mãos regularmente, os membros da equipe da cozinha são aconselhados a usar desinfetantes para as mãos com teor de álcool não inferior a 60% (National Restaurant Association, 2020). Os desinfetantes também devem estar prontamente disponíveis para todos os hóspedes, além de medidas de distanciamento social, para minimizar o risco de contrair COVID-19.

Na verdade, essas políticas de segurança estão de acordo com os sentimentos dos clientes. Em uma pesquisa da OpenTable, descobriu-se que 72% dos clientes acreditam que políticas rígidas de limpeza em restaurantes são extremamente importantes (OpenTable, 2020). Além disso, os comensais são mais predispostos à saúde e ao saneamento, com 93% valorizando a lavagem das mãos e 58% valorizando o uso de desinfetantes para as mãos (OpenTable, 2020).

Com o COVID-19 persistindo por um tempo, essa busca por saneamento e segurança prevalecerá nos restaurantes nos próximos anos.

Destaques das tendências de saneamento

  • Saneamento e segurança tornaram-se mais importantes para os consumidores.
  • A adesão às práticas de segurança promoveria a segurança dos hóspedes e da equipe da cozinha.
  • O saneamento adequado pode influenciar um fluxo maior de clientes.

Os restaurantes fast-casual continuarão a prosperar

As tendências atuais de comida em restaurantes indicam que as redes fast-casual estão definidas para prosperar mesmo com a pandemia em curso. Em 2027, espera-se que este segmento arrecade $ 931,7 bilhões em vendas totais (Business Wire, 2020).

No entanto, isso não é sem mudanças. Para começar, espera-se que os restaurantes casuais rápidos sirvam comida mais saborosa em um estilo de serviço limitado. Além disso, como 32% dos clientes pedem para levar, 9% pedem para retirada e 10% pedem por meio de serviços de entrega, é seguro presumir que esses restaurantes estão se movendo lentamente no sentido de tornar mais conveniente para os consumidores levarem suas refeições favoritas para casa com eles.

Desde 1999, fast-casuals como Panera Bread e Chipotle Mexican Grill cresceram 550% (Technomic, 2019). Além disso, os especialistas esperam que o segmento continue crescendo. E crescerá ainda mais se alavancar totalmente os serviços de entrega online para neutralizar os efeitos do bloqueio do COVID-19.

Por que os restaurantes fast-casual são populares hoje?

Das 500 principais redes de 2018 nos EUA, 80% estão usando um formato fast-casual (Restaurant Business, 2019).

Três coisas & mdashtaste, valor e conveniência & mdashare empurram os clientes a comer regularmente em restaurantes fast-casual. Jantar em fast-casuals é mais barato (37%), mais conveniente (33%) e oferece melhor valor (31%).

Nos Estados Unidos, 85% dos clientes tendem a tomar decisões sobre o jantar no mesmo dia (Acosta, 2018). É por isso que os serviços de refeições convenientes em todos os segmentos de serviços de alimentação e grupos de consumidores cresceram imensamente.


Spring Arrow

Situado na grandiosa Somerset House neoclássica, Spring oferece uma sala de jantar de sonho, todos os tons pastel, mármore italiano e arte de parede florescente - cheia de luz durante o dia e suavemente luminosa à noite. Uma dúzia de entradas e pratos principais que mudam mostram o que há de melhor na estação - muitas vezes cultivados na fazenda biodinâmica de 16 acres de Fern Verrow & # x27s. Os pratos costumam ser italianos, mas Skye Gyngell é uma pega culinária, então labneh, caqui e pimenta fermentada também encontram lugar em seus cardápios. É um lugar deliciosamente adulto para jantar: caro, discretamente elegante e alheio às tendências.


Principais tendências alimentares de 2020 - O que você deve saber

Quer saber sobre as principais tendências alimentares que todos estarão comentando em 2020? Os melhores chefs, especialistas em culinária e personalidades da culinária se uniram por dois dias no inaugural National Geographic Traveller Food Festival em Londres para determinar isso no final de julho de 2019.

Como membro da imprensa, participei de demonstrações culinárias, entrevistei funcionários de conselhos de turismo, me reuni com chefs e funcionários de escolas de culinária e ouvi painéis de discussão - tudo sobre comida durante esses dois dias. E está claro que existem novas tendências muito grandes no horizonte.

Principais Tendências Alimentares 2020 - Saúde

O maior tema para as principais tendências alimentares é & # 8230 seja saudável. Isso está mostrando sua força em muitas formas diferentes. No vídeo do YouTube que criei no festival de comida, analiso como veremos a tendência da alimentação saudável se infiltrando em diferentes áreas de nossas vidas. Ele também inclui informações sobre o que Le Cordon Bleu, a melhor escola de culinária de Londres & # 8217s, planeja apresentar para preparar os próximos chefs para as demandas mais saudáveis ​​que veremos.

Top Food Trends 2020 - Discussão em Painel de Tendências Culinárias

Glen Mutel, editor executivo da National Geographic Traveller Food, organizou a discussão Culinary Trends, que contou com quatro membros do painel. Você pode vê-los no vídeo Tendências de Alimentos Saudáveis ​​acima.

Carolyn Boyd é escritora de viagens e editora especializada em comida e bebida francesa. Ela é autora do livro de receitas e viagens do Lonely Planet França desde a fonte e escreve regularmente para National Geographic Traveller, National Geographic Traveller Food, The Times, The Guardian, The i e O Independente. Ao longo da discussão, ela foi o barômetro de todas as tendências alimentares relacionadas à França.

Neil Coletta foi professor de estudos de alimentos na Universidade de Boston, bem como diretor assistente de programas de alimentos e vinhos da universidade, organizando uma série de palestras gastronômicas, demonstrações, aulas e eventos durante todo o ano com alguns dos principais nomes da o mundo da comida. Ele agora é o gerente de marca e produto de viagens gastronômicas do Intrepid Group.

Neil Davey escreveu regularmente para The Guardian, Hello! e Viajante da National Geographic (REINO UNIDO). Como locutor, Neil trabalhou para empresas como a BBC e a Jazz FM.

O chef Reginald Ioos se juntou à equipe Le Cordon Bleu & # 8217s de chefs de cozinha em 2013. Ele começou sua carreira no Sheraton Skyline London Heathrow Hotel cinco estrelas. Após quatro anos, o Chef Reginald mudou-se para Bruxelas, onde trabalhou no Sea Grill Restaurant com duas estrelas Michelin e depois no Sheraton Hotel de cinco estrelas no Aeroporto de Bruxelas. Em 2005, ele retornou à França, onde mais tarde trabalhou como Chef Privado para um ex-membro do governo francês.

Top Food Trends 2020 - Key Ideas

Além das 5 tendências culinárias principais relacionadas à saúde que o painel discutiu e que você pode aprender no vídeo, há outros tópicos que farão manchetes.

Principais tendências alimentares de 2020 - a próxima grande carne

Embora as pessoas tenham comido cabras por milhares de anos, você começará a notar um aumento na sua posição nos cardápios. Combinando com a tendência saudável, a cabra é magra e com muito baixo teor de gordura. Os membros do painel indicaram que sentiram que o sabor estava muito próximo do cordeiro.

Com o espírito de uma alimentação saudável, experimentei o Lotus Root Curry do estande de Yaalu Yaalu, que tem vários locais em Londres. O curry de cabra parecia muito bom. No entanto, eu simplesmente não estava pronto para mergulhar.

E vocês, amigos ensolarados? Você já comeu cabra para ser saudável ou apenas porque achou que parecia bom? Eu sou o único que está um pouco hesitante?

Principais tendências alimentares de 2020 - dispensando bons restaurantes

Algo um tanto surpreendente que eles indiciaram durante o painel de discussão é o abandono dos restaurantes finos. Isso é atribuído ao advento de serviços de take away como o Deliveroo.

Os membros do painel sentiram que a abordagem casual da geração millennial & # 8217s para pedidos urgentes criou uma mudança cultural em direção a uma tendência alimentar de entrega de itens sendo a norma para o jantar. Isso significa que eles têm menos atenção para comidas mais chiques e preferem evitar o rebuliço e comer bem e rápido.

Principais tendências alimentares de 2020 - o novo favorito

Embora todas essas tendências alimentares previstas se dobrem em um pacote mais saudável, há uma previsão que não se encaixa nesta caixa de estilo de vida ecológico: a culinária filopina.

Um membro do painel indicou que um dos últimos tesouros que Anthony Bourdain deixou foi a declaração de que a comida filipina é a & # 8216comida do mundo & # 8217. Isso foi baseado em sua experiência com sisig, um prato das Filipinas. É um prato de comida de rua local feito com partes picadas de um porco.

Bourdain disse à CNN Filipinas que o prato de porco crocante e crocante está perfeitamente posicionado para conquistar os corações e mentes do mundo como um todo.

& # 8220Acho que é & # 8217 o mais provável de convencer as pessoas no exterior que não tiveram contato com a comida filipina a talvez olhar mais além e investigar mais além do sisig & # 8221, disse ele.

& # 8220Acho que & # 8217s é o que vai prendê-los. & # 8221

Principais tendências alimentares de 2020 - considerações finais

O que vocês acham, amigos ensolarados? Você já experimentou sisig ou qualquer outro prato filipino? Você acha que seguirá alguma dessas principais tendências alimentares para 2020? Ou talvez você já esteja vivendo de forma saudável e as tendências alimentares mencionadas no vídeo fazem parte do seu dia a dia?

Quer um brinde para Londres?

Assine o e-mail semanal Sunny News e receba imediatamente meu guia de bolso para download para restaurantes de Londres. Possui mais de 100 restaurantes organizados por bairro.


O ex-chef do Noma dedica seu talento à alimentação escolar. Mas os alunos farão isso?


Daniel Giusti na lanchonete da New London High School, onde o ex-chef de refeições requintadas dirige o programa de food service. (Stan Godlewski / For The Washington Post)

NOVA LONDRES, Connecticut - Os alunos que esperam por tacos estão ficando impacientes. Uma franze a testa em aborrecimento teatral. Outro nervosamente bate com uma bandeja preta na perna da calça, como se estivesse contando os segundos no período de 22 minutos do almoço na New London High School.

Faltar ao almoço pode ser um problema sério em New London, uma outrora próspera cidade marítima e baleeira no sudeste de Connecticut, onde a economia do século 21 estagnou. Tantas crianças se qualificam para refeições gratuitas aqui que todo o corpo discente, cerca de 950 fortes, não paga um centavo pelo café da manhã, almoço ou refeições depois da escola. Alguns alunos não podem se dar ao luxo de parar no Burger King depois da escola se perderem o almoço.

Mas as apostas são maiores nesta tarde quente e úmida de quinta-feira de setembro, o primeiro dia de aula. Como o diretor William Tommy Thompson anunciou em cada período de almoço, este ano marca o lançamento de um grande experimento nas Escolas Públicas de New London: O distrito all-magnet contratou uma empresa iniciante, Brigaid, para repensar a experiência de jantar dos alunos, até o louça.

“Temos pratos este ano, não bandejas, não isopor”, diz Thompson para a primeira leva de alunos.

As crianças explodem em aplausos espontâneos, como se estivessem famintos de respeito tanto quanto de almoço.

Brigaid não é o gigante típico do serviço de alimentação escolar, como Chartwells ou SodexoMagic. A empresa foi fundada por Daniel Giusti, ex-chef de cozinha do Noma, o inovador de Copenhague frequentemente citado como o melhor restaurante do mundo.

Giusti, a former Washingtonian, has sworn off fine dining and moved into the school lunch program. His concept may sound familiar — hiring chefs to improve school food — but his company takes a more hands-on approach than previous efforts involving professional cooks. Every cafeteria in New London will be run by a full-time chef who will create menus, improve systems, train staff members and address the problems, large and small, that arise daily. In theory, each chef will become invested in a school, treating its students as customers who need to be satisfied, not just anonymous mouths that need to be fed.

“The whole point of this is that we’re taking care of these kids,” Giusti says. “We can never lose sight of that. It can’t be about anything else.”


Ryan Kennedy was selected to helm the kitchen at New London High School. (Stan Godlewski/For The Washington Post)

When Giusti put out a call for chefs to join him in New London, he received 275 applications for six open positions. To start, he hired only two, because of the district’s tight budget and because of his own high standards. Giusti wants chefs who can develop delicious recipes that adhere to the government’s rigid nutritional standards and who consider feeding schoolchildren to be just as important as feeding the one-percenters at Noma. Too many applicants, it seemed to Giusti, wanted the school job so they could enjoy a normal work life, without the punishing weekend and evening shifts of a restaurant.

“They didn’t have the conviction to do this,” he says.

Giusti found everything he wanted in April Kindt and Ryan Kennedy, who followed radically different paths to reach New London. Kindt graduated from the Culinary Institute of America in Hyde Park, N.Y. (she was enrolled at the same time as Giusti, though they never met then) and began climbing the career ladder via hotel and independent restaurants in Arizona and Rhode Island. Her last job was as executive sous-chef at 22 Bowen’s, a high-end steakhouse and wine bar in Newport, R.I.

Not formally trained as a chef, Kennedy has had a more modest career: He cooked at a fish house owned by former NBA star Vin Baker and, for eight years, has prepared soups and sandwiches at a market in nearby Old Lyme. It’s not a résumé that immediately calls attention to itself, but Giusti liked Kennedy’s accompanying letter.

“When he came and cooked in the final interview process, he showed that he can cook really well,” Giusti says. “He also showed that he understands already, at a very early stage, how these [nutrition] guidelines work.”


Daniel Giusti, center, at New London High School with cafeteria workers Everett Guest, left, and Everett Scraders . (Stan Godlewski/For The Washington Post)

Kennedy now leads the kitchen at New London High School. Kindt runs the cafeteria at Bennie Dover Jackson Middle School. The district expects to place chefs in the remaining four schools later this year and now has the budget to hire them, says superintendent Manuel J. Rivera.

Rivera is the riverboat gambler who has taken a chance on Brigaid as part of his larger plan to overhaul a district that, until recently, was under state supervision because of its financial and management problems. Rivera’s stepdaughter first told him about Giusti’s interest in school food service she was working at Noma when the chef de cuisine was formulating his exit strategy. Soon, Giusti and Rivera were trading emails, then phone calls. Initially, Rivera worried that Giusti might be naive about the difficulties he faced.

“Your first reaction is, ‘What does this person really know about all the crazy nutritional guidelines and all the regs that you have to follow?’ ” says Rivera as he sits at a cafeteria table at the high school. “It was really clear to me after the first conversation that this was something really interesting.”

The superintendent became convinced that New London would be the ideal location for Giusti’s pilot program. The district is small and manageable — only six schools and about 3,300 students — and it had no contract with an existing food-service provider. Soon, others saw the value of Rivera’s gamble, including the board of education, which authorized the superintendent to enter into a three-year contract with Brigaid. There was a caveat: The school district would cover only the six chefs’ salaries (along with the usual supplies and ingredients). Rivera had to find outside revenue to cover Brigaid’s fees.

Rivera eventually found the cash via Target Stores. The discount retailer has agreed to a one-year, $100,000 deal to sponsor Brigaid’s work in New London.


The students’ food is served on dishes instead of trays or foam plates — one of Giusti’s many changes. (Stan Godlewski/For The Washington Post)

Giusti’s reward for landing the contract in New London is that he and his two chefs have to face down one of the most daunting challenges in American schools: They must prepare food for some of the pickiest eaters on the planet, while still following the government’s strict limits on sodium, fats, calories and more. They must offer fruit, vegetables, proteins, milk and whole grains at every meal, and they must prepare everything at a cost of less than $1.35 per student.

Giusti and team figured they would rely on recipes previously developed at other schools while they focused on more pressing issues, such as staff training, equipment upgrades, kitchen organization and improving the quality of ingredients. But once Giusti, Kindt and Kennedy started testing the existing recipes, they quickly realized they couldn’t serve that food. It just wasn’t good enough.

So they developed their own recipes. It forced the chefs to create flavor in food without relying on salt, butter or fresh herbs, which had the potential to push them over budget or over the nutritional limits.

“A lot of the flavor here is going to come from dried spices, and it’s going to come from vinegar, because we can’t afford the sodium in a lot of cases, and we can’t afford more expensive olive oils or fresh herbs on everything,” said Kennedy.

The chefs’ opening-day menu was a testament to their ingenuity and organization: They marinated, roasted and sliced-up chicken thighs. The spiced meat was then tucked into yellow corn tortillas with a homemade cabbage slaw on top. Pickled vegetables were available as a garnish, as was a jalapeño hot sauce that Kindt prepared. The chicken tacos came with a side of Spanish rice. Spanish brown rice, that is.

And that was just the entree.


Lunch choices at Bennie Dover Jackson Middle School include a roasted veggie and hummus sandwich, corn chowder and a peach. (Stan Godlewski/For The Washington Post)

Kindt’s middle school team also prepared two sandwiches, including one with freshly roasted turkey, cranberry sauce, romaine and a mayonnaise flavored like stuffing. Kennedy’s high school team was responsible for two salads, each served in individual containers, including a Mediterranean bowl with greens, chickpeas, cucumbers, olives, feta and a house-made balsamic vinaigrette. Each school would then share either sandwiches or salads with the other. The schools also split soup duties — chicken soup in Kennedy’s kitchen, corn chowder in Kindt’s — and shared the results. Both offered a “pineapple popsicle,” a piece of fresh-cut fruit impaled on a stick. The chilled slice of pineapple had been brushed with lime juice and sprinkled with lime zest and cayenne pepper.

Despite all those options — and more — the high school students flocked to the taco bar. Giusti and Kennedy had tried to prepare for the rush by having nearly 100 plates ready to distribute, but those pre-made tacos disappeared fast, as 300 students flooded the cafeteria during each lunch. The line started to back up, and the staff was soon overwhelmed. Both Giusti and Kennedy jumped onto the line to assemble tacos, but even the pros couldn’t keep pace with the heavy demand.

If the students were annoyed, they didn’t express it in their initial reviews. Junior Carlos Pomales said his lunch was “way better” than last year’s fare. He gave Giusti an A. Junior Victoria Vasquez assessed the tacos as better than those at Taco Bell, a comment that was considered high praise around her table. Several students were thrilled that they could grab a cup of lemon-and lime-infused water instead of the required milk, which they would have just thrown away.


Another lunch selection at the middle school: roasted chicken with brown rice, salad and chopped apples with cinnamon. (Stan Godlewski/For The Washington Post)

There were, of course, the haters. One unidentified student called the tacos — well, a name that’s unprintable. Another student, a senior who would identify herself only as Elizabeth, refused to try any of the chefs’ dishes. She selected a peanut-butter-and-jelly sandwich, perhaps the lone holdover from the pre-Brigaid era, when most foods were cooked from frozen or came straight from a jar.

Asked why she didn’t try food prepared by a chef from one of the world’s greatest restaurants, Elizabeth didn’t bat an eye. “Not even Gordon Ramsay could get me to eat his food,” she said.

Giusti had expected problems on the first day, and he and Kennedy were quick to address them at the high school. By day two, both chefs had figured out ways to speed up the lines. They added a third station for entrees, and they pre-sauced a whole-grain cheese ravioli, allowing the staff to produce plates at a much faster clip. The changes worked: At every lunch period, students moved through the lines swiftly and without complaint, with plenty of time to eat.

Still, Giusti was stewing at the end of his second day, obsessing over some negative student comments. He couldn’t dismiss them as the rants of a finicky teenager or a mean-spirited kid. He wants nothing less than 100 percent satisfaction, no matter how unrealistic that is.

“I just spent the past five years working at a place where everything we did was unrealistic. We chased it every day,” Giusti said about his time at Noma. “If you set out to say your goal is realistic, then you’re not really too ambitious, are you? This is a life’s work right here. It’s a project.”


Assista o vídeo: If It Werent Caught on Camera, No One Would Believe It (Dezembro 2022).