Novas receitas

Prefeito francês corta almoços escolares gratuitos para crianças pobres

Prefeito francês corta almoços escolares gratuitos para crianças pobres


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Novo prefeito gera polêmica após cortar almoços grátis

Wikimedia / USDA

Um prefeito francês gerou polêmica ao cortar a merenda escolar gratuita para as crianças mais pobres de sua cidade.

Um prefeito recém-eleito no sul da França já está gerando polêmica por sua decisão de economizar dinheiro cortando lanches gratuitos para os alunos mais pobres de sua cidade.

De acordo com o The Local, Joris Hébrard é um dos 11 novos prefeitos do partido de extrema direita Frente Nacional da França que foi eleito em março. Ele é o novo prefeito de Pontet, no sul da França. Pontet tem uma dívida de € 50 milhões, que Hébrard decidiu tentar resolver cortando a merenda escolar das crianças mais pobres da cidade, embora o programa de merenda gratuita custe apenas € 30.000 por ano para Pontet, ou aproximadamente 0,05% do orçamento anual da cidade .

O chefe de gabinete de Hébrard, Xavier Magnin, diz que o plano é fazer muitos pequenos cortes de gastos e espera que no final eles cheguem a € 50 milhões.

Cortar o programa de merenda escolar é particularmente controverso, considerando que uma das primeiras ações de Hébrard ao assumir o cargo foi dar a si mesmo um aumento de € 1.000 mensais em relação ao seu antecessor. De acordo com o The Local, o prefeito anterior recebia € 2.000 euros por mês. Hébrard receberá aproximadamente € 3.000.

Magnin nega que haja qualquer controvérsia, dizendo que a mídia está fabricando as críticas.

“[Os residentes locais] não estão falando conosco sobre o salário do prefeito”, disse ele ao The Local. “Eles dizem‘ Bravo Sr. Prefeito. Estamos fartos de que são sempre os mesmos que tiram vantagem ’”

A merenda escolar normalmente custa aos alunos € 3,15 ou $ 4,31. Os alunos pobres que antes recebiam seus almoços de graça agora terão que pagar € 1,57 ou US $ 2,15 por refeição.

“Zero euros, não é caro para uma refeição”, disse Magin. “€ 1,50, também não é muito caro no refeitório da escola.”


Opinião: A merenda escolar gratuita pode ajudar as crianças mais pobres a aprender

Recentemente, recebi um alerta de saldo baixo da conta da merenda escolar da minha filha. Não pensei em nada quando cliquei no link para adicionar dinheiro e dar a ela acesso a uma refeição quente e nutritiva, incluindo que a conta exigia um pagamento mínimo de $ 20.

E embora eu não tenha pensado nada a respeito, muitas crianças e suas famílias não têm esse luxo. Alguns podem não ter um almoço completo, ou qualquer almoço.

As escolas públicas de Atlanta recentemente se empenharam para fazer a diferença. Este ano, os alunos que frequentam uma escola administrada pelo distrito ou charter que usa o serviço de alimentação do distrito são elegíveis para refeições gratuitas. Existem 77 escolas de Atlanta que oferecem refeições gratuitas para todos os alunos.

Isso significa que a maioria dos alunos de Atlanta pode comer de graça. Em 2013, Clayton County se tornou o primeiro distrito metropolitano de Atlanta a oferecer refeições gratuitas para todos os alunos.

Reembolsos federais são fornecidos para as refeições. Apoiadores dizem que a ajuda reduz a papelada, diminui o estigma sobre os alunos pobres e garante que nenhuma criança passe fome.

Sistemas em todo o país estão lidando com o problema. Um distrito da Pensilvânia chamou a atenção nacional quando alertou os pais atrasados ​​na conta do lanche que seus filhos poderiam acabar em um orfanato. Quando um CEO, que cresceu dependendo de almoços grátis, ofereceu-se para cobrir os custos, o distrito surpreendentemente rejeitou a oferta. Envergonhado, o distrito mais tarde se desculpou e aceitou os $ 22.476.

Todas as crianças merecem que as barreiras sejam removidas na vida.

As escolas da região metropolitana de Atlanta que oferecem almoço grátis a todos devem ser elogiadas. É verdade, as crianças não podem aprender se não puderem comer. É algo que parece tão simples, mas significa muito.


EXCLUSIVO: crianças de escolas públicas da cidade podem receber almoço grátis no orçamento proposto

O orçamento proposto pela Câmara Municipal a ser divulgado na quarta-feira vai pressionar por duas grandes prioridades: almoço grátis para todas as crianças das escolas públicas e 1.000 novos policiais.

O Conselho está pedindo US $ 24 milhões para fornecer almoços, independentemente de quanto dinheiro as famílias das crianças ganham.

Eles também estão buscando US $ 94 milhões para aumentar a força policial para mais de 36.400 policiais, entre outras mudanças propostas ao orçamento do prefeito de Blasio.

Apoiadores do programa de merenda universal dizem que a proposta acabaria com o estigma que algumas crianças pobres sentem quando fazem fila para um almoço grátis.

"Muitas crianças em nossa cidade passam fome todos os dias", disse a Presidente do Conselho, Melissa Mark-Viverito. "A merenda escolar universal é um investimento em nossos filhos e garantirá que todos os alunos possam comer uma refeição saudável e nutritiva."

Cerca de 75% dos 1,1 milhão de alunos da cidade se qualificam para o almoço grátis - deixando cerca de 350.000 crianças cujos pais ganham muito para se qualificar ou não preencheram a papelada necessária.

Os defensores dizem que algumas crianças têm vergonha de fazer fila na fila do almoço grátis designada ou sofrem porque seus pais não se preocupam em preencher o formulário ou são indocumentados e temem enviar qualquer papelada oficial.

Famílias de quatro pessoas com renda anual inferior a US $ 30.615 têm direito a almoço grátis, enquanto aquelas cuja renda familiar é inferior a US $ 43.568 recebem almoço a preço reduzido.

O orçamento preliminar do prefeito de Blasio, apresentado em fevereiro, não incluía um programa universal de merenda gratuita, nem propunha a contratação de mais policiais.


Os almoços nas escolas americanas sempre foram um problema

De batatas assadas a misturas de vegetais de Obama, será que algum dia agradaremos as crianças exigentes?

Muito depende da merenda escolar simples.

Pais, nutricionistas, funcionários do governo, lobistas agrícolas e merendeiras debateram o cardápio ideal por mais de um século, mas ainda não encontraram uma refeição que resista ao verdadeiro teste: o consumo. Michelle Obama recentemente conseguiu forçar as escolas a servir mais frutas e vegetais e proibir bebidas açucaradas nos refeitórios das escolas, mas mesmo isso saiu pela culatra. Como qualquer pesquisa #thanksmichelleobama mostra, esses almoços parecem nojentos.

De acordo com a historiadora de alimentos Abigail Carroll, a refeição do meio-dia foi - e continua a ser - preparada por uma série de fatores, incluindo pobreza, imigração, política social, diretrizes nutricionais inconsistentes e o paladar consistentemente exigente do adolescente.

Em meados do século 19, diz Carroll, a refeição do meio-dia - a maior do dia - era chamada de jantar. As crianças geralmente voltavam para casa para comer ou, se a casa fosse muito longe, traziam as sobras do café da manhã: o início do lanche moderno. Biscoitos frios com queijo, geléia ou tomate eram comuns. Algumas refeições eram menos coloridas. “As crianças trouxeram batatas”, diz Carroll. “Eles iriam colocá-los no fogão para cozinhar durante a manhã.”

O almoço surgiu essencialmente do que era então considerado lanche - refeições que você podia comer sem aquecimento, preparação ou utensílios. “A torta era muito mais um alimento para o almoço. Ou pão e queijo ”, diz Carroll. “Isso é o que é Lunchables. Uma versão glorificada de queijo e biscoitos. ”

No final do século 19, os livros de receitas começaram a recomendar que os pais deveriam embalar diferentes merendas escolares para seus filhos. O livro de receitas de 1893 Ciência na Cozinha apontou a inadequação do que as crianças estavam sendo servidas:

Muitos pais não sabiam disso. Alguns não tinham meios de fazer melhor. O humilde sanduíche era denso em calorias, conveniente e, o mais importante, saboroso. “Havia muita ênfase na doçura. Então, sanduíches de geleia ”, diz Carroll. “E ter certeza de que eles têm‘ nutrição ’suficiente, o que não significa vegetais. Significava energia. Calorias. ”

Enquanto as crianças gastavam seus centavos da hora do almoço em refeições carrinhos de pickles e doces, a industrialização e a vida na fábrica deram origem à cafeteria econômica e econômica. As escolas logo seguiram o exemplo, com cardápios subsidiados por instituições de caridade inspirados nos programas de merenda escolar britânica, que também tentavam embalar o máximo possível de calorias com refeições superdensas e quentes, como guisados, sopas e tortas. Os vegetais ocasionalmente apareciam em ensopados, mas raramente eram servidos frescos, diz Carroll. “Quero dizer, a maioria dos americanos não se interessava muito por saladas, de qualquer maneira.”

Na era da Depressão, o governo participava do planejamento do cardápio. Se o recrutamento da Primeira Guerra Mundial ensinou alguma coisa aos Estados Unidos, foi que as crianças estavam subnutridas e com deficiência de vitaminas. Os preços dos alimentos estavam subindo muito para que instituições de caridade com financiamento privado continuassem a fornecer refeições às crianças, então as autoridades federais se envolveram. Além disso, diz Carroll, a crise da desnutrição apresentou a oportunidade perfeita para o governo impulsionar sua agenda pró-americanização. A culinária "americana" - croquetes de frango, pão de salmão e pratos recheados, de acordo com o historiador Harvey Levenstein - tornou-se o alimento básico da escola, expondo as crianças imigrantes a sabores que o governo esperava que eventualmente aceitassem como corrente e levassem para casa para seus pais. “Eles estavam tentando fazer com que as pessoas se alimentassem de maneira mais saudável”, diz Carroll. “E parte de fazer as pessoas comerem 'de forma mais saudável' era fazer com que os imigrantes não comessem, você sabe, alho.”

Os excedentes de vegetais foram enlatados pelo governo durante a Segunda Guerra Mundial e a prática persistiu depois, com os produtos enlatados chegando aos refeitórios das escolas nos anos 40 e 50 e, em 1946, a Lei Nacional de Merenda Escolar obrigou o governo a manter as crianças na escola nutrido. Livros de receitas delineando o que fazer com as verduras em conserva foram entregues às escolas. Um livreto descreve receitas para "hambúrgueres com queijo de feijão cozido no forno" e "feijão cozido na camada de carne".

Clássicos americanos como hambúrgueres, cachorros-quentes e pizza eram o cardápio padrão do almoço na década de 1960. Não surpreendentemente, a primeira onda de preocupações com a obesidade não ficou muito atrás. “Embora o almoço padrão‘ forneça uma fonte valiosa de nutrição para algumas crianças ’”, um artigo de 1977 no Chicago Tribune observou, "isso pode levar à obesidade em outros ... o GAO, um braço de auditoria do Congresso, disse em [seu] relatório."

Os cortes no orçamento da era Reagan para o programa de merenda escolar exigiram um pouco de redefinição para permanecer dentro das diretrizes nutricionais existentes, para a indignação dos pais que se recusaram a aceitar que o ketchup e o picles contassem como vegetais.

As crianças tinham mais opções nas próximas décadas - balcões de lanchonete e saladas estavam mais amplamente disponíveis na década de 90 - mas a epidemia de obesidade já havia começado a se estabelecer. Enquanto isso, a maior disponibilidade de refeições convenientemente pré-embaladas, como o agora onipresente Lunchables sem nutrição, tornou mais fácil para os pais "alimentar" seus filhos.

Com o Healthy, Hunger-Free Kids Act, os esforços de Michelle Obama para lidar com a obesidade infantil tornaram-se lei, permitindo que o Departamento de Agricultura dos EUA estabeleça diretrizes nutricionais para todos os alimentos vendidos em escolas públicas.

As refeições com baixo teor de sal, poucas calorias e pesadas em vegetais são, reconhecidamente, mais saudáveis. Mas de que serve uma refeição perfeitamente balanceada nutricionalmente quando as crianças acabam jogando fora as partes de que não gostam?

Ao contrário de seus predecessores do século 19, a maioria das crianças hoje em dia não está desesperada por calorias. Não desesperado o suficiente, pelo menos, para ignorar as amálgamas de vegetais não identificáveis ​​da FLOTUS por causa da fome. Embora a ingestão de calorias tenha impulsionado os cardápios escolares do passado, a merenda escolar de hoje precisa ser nutritiva - e apetitoso. E essa é a parte crucial, a parte que as campanhas de merenda escolar da América nunca tentaram abordar: alegria.


Em Nova York, não há alternativa para uma merenda escolar grátis

Carmen Farina, chanceler do Departamento de Educação da Cidade de Nova York, em uma coletiva de imprensa em Nova York, 16 de setembro.

Boas notícias! Existe almoço grátis e todos têm direito. Isto é, pelo menos se você for uma criança do sistema de ensino público da cidade de Nova York. Na semana passada, a Chanceler das Escolas, Carmen Fariña, anunciou que o novo programa “Almoço Escolar Gratuito para Todos” fornecerá refeições diárias gratuitas para 1,1 milhão de alunos da cidade.

Em 2016-17, de acordo com a Secretaria de Educação do município, 75% dos alunos tinham direito ao almoço grátis. Quem são os outros 25%? Filhos de famílias com renda acima do antigo limite de elegibilidade - às vezes muito acima dele. Mas, de acordo com Fariña e o prefeito Bill de Blasio, os jovens abastados precisam de um almoço grátis para evitar que as crianças pobres se tornem párias sociais.

“É uma questão de equidade”, disse Fariña em uma entrevista coletiva na semana passada. “Estamos apagando toda a terrível história do programa de alimentação escolar - não apenas na cidade de Nova York, mas nacionalmente - que dividiu as crianças por renda. . . . Este é um novo dia." A deputada Yvette Clarke, democrata do Brooklyn, acrescentou que era hora de “eliminar a estigmatização de mulheres e homens jovens que recebem almoço grátis” - aqueles que anteriormente constituíam três quartos da população.

Embora a cidade tenha prometido que o programa não afetará seus próprios resultados - fundos estaduais e federais cobrirão os custos - os contribuintes pagarão o cheque. “Merenda Escolar Gratuita para Todos” poderia, de fato, representar uma abordagem inteiramente nova para a desigualdade. Talvez as famílias de classe média devam receber vale-refeição para que as famílias pobres não se sintam estigmatizadas. Talvez devêssemos enviar 1% para comer em cozinhas de sopa, para que as pessoas em apuros não se sintam mal com sua situação. Ou talvez devêssemos oferecer moradia pública aos ricos, para que ninguém forçado a usá-la fique constrangido. A esquerda diz que quer uma rede de segurança, mas se todos caírem nela, então a rede de segurança é apropriadamente chamada de socialismo.

O almoço grátis universal de Nova York é apenas o exemplo mais recente dos esforços equivocados do governo federal para alimentar crianças em idade escolar ao longo dos anos. Os defensores do almoço grátis (e do café da manhã grátis) argumentam que as crianças sofrem ao mesmo tempo de “insegurança alimentar” e lutam contra uma epidemia de obesidade.


Não é uma ideia nova ou radical. Em distritos escolares que aproveitaram um programa federal limitado de merenda universal gratuita, o número de crianças participantes aumentou 13%. Boston, Houston, Dallas, Chicago e Rochester adotaram o almoço gratuito universal em suas escolas em setembro passado, com o aumento mais dramático nas escolas de segundo grau, onde o estigma é mais forte.

Com as refeições gratuitas universais, as escolas ganham porque algumas não precisarão mais coletar e verificar as inscrições anualmente e identificar os alunos elegíveis diariamente quando se reúnem para o almoço. Os pais ganham porque sabem que, quaisquer que sejam suas lutas diárias, seus filhos têm uma refeição esperando na escola. Ninguém tem que suportar a humilhação de declarar ou provar status de baixa renda - ou usar a etiqueta na escola todos os dias.

Acima de tudo, os alunos ganham porque podem fazer seus trabalhos escolares sem incertezas ou economia. Ou fome.

A proposta orçamentária preliminar de De Blasio em fevereiro não incluía almoço grátis universal. Ele deve aproveitar a proposta do Conselho e transformá-la em uma realidade em toda a cidade. É difícil pensar em um investimento melhor em nosso futuro.

Hines-Johnson é diretor de operações do Food Bank For New York City.


Sim, existe um 'almoço grátis' na cidade de Nova York

A cidade de Nova York oferecerá almoços grátis para todos os alunos este ano, independentemente da necessidade ou capacidade de pagamento. As autoridades dizem que, como alguns pais não preenchem a papelada necessária para que os alunos elegíveis recebam o benefício, eles decidiram oferecer o almoço grátis para todos.

"Os alunos precisam de refeições saudáveis ​​para se manterem concentrados na escola e é um grande passo à frente que todos os alunos da cidade de Nova York tenham acesso a café da manhã e almoço gratuitos todos os dias", disse Fari & ntildea em um comunicado. & quotLanche escolar grátis para todos proporcionará alívio financeiro às famílias e garantirá que todos os alunos recebam refeições nutritivas para que possam ter sucesso na sala de aula e além. & quot

"Sabemos que os alunos não podem aprender ou prosperar na escola se passarem fome o dia todo", disse o prefeito Bill de Blasio. "A merenda escolar gratuita não apenas garantirá que todas as crianças na cidade de Nova York tenham o combustível de que precisam para ter sucesso, mas também promoverá nosso objetivo de fornecer uma educação excelente e equitativa para todos os alunos."

Cerca de três quartos dos 1,1 milhão de alunos de escolas públicas da cidade se qualificam para merenda gratuita ou a preço reduzido de acordo com as diretrizes federais. Mas muitas crianças elegíveis não receberam as refeições gratuitas, muitas vezes porque os pais se esquecem de preencher a papelada exigida.

Os defensores da nutrição infantil há muito instam a cidade a garantir o acesso universal tornando o almoço gratuito para todos.

Vários outros distritos escolares dos EUA, incluindo Boston e Detroit, já oferecem almoço grátis para todos.

Os funcionários da escola estão corretos. Numerosos estudos mostraram uma correlação direta entre estômagos cheios e desempenho acadêmico.

Mas seria muito mais barato identificar os alunos que são elegíveis para o benefício do atual programa federal de merenda escolar e fazer com que os pais ou pais preencham a papelada do que dar a crianças ricas e de classe média alta o mesmo almoço grátis que é dado a alunos pobres. O número de crianças que falham porque os pais não sabem o que têm de fazer ou são incapazes de preencher alguns formulários tem de ser relativamente pequeno. Por que sobrecarregar o contribuinte subsidiando o almoço de crianças ricas quando esse dinheiro poderia ser usado para realmente educar as crianças?

Além disso, qualquer menção a "refeições nutritivas" traz à mente o fracasso espetacular dos mandatos de nutrição de Michelle Obama para merenda escolar. A organização que representa os trabalhadores da cafeteria colocou isso claramente:

Estudos mostram que os alunos de escolas públicas não estão comendo o que as cafeterias estão servindo, transformando muitas operações em perdedores de dinheiro. Embora os distritos escolares possam optar por não participar, isso resulta em cortes nos subsídios federais para esses programas.

& quotAs regulamentações excessivamente prescritivas resultaram em consequências não intencionais, incluindo a redução da participação dos alunos no almoço, custos mais elevados e desperdício de alimentos. Os padrões federais de nutrição devem ser modificados para ajudar os planejadores do cardápio escolar a administrar esses desafios e preparar refeições nutritivas que atendam aos diversos gostos dos alunos ”, disse um novo documento político da associação.

Algumas escolas relataram que 50% dos alimentos foram jogados fora. Almoço grátis para quem precisa está bem. Mas de que adianta se as crianças não comem?

Esta é uma solução clássica de um grande governo para um problema que exige uma política mais circunspecta. Mas qual é a graça se você não consegue gastar o dinheiro de outras pessoas em coisas grátis?

A cidade de Nova York oferecerá almoços grátis para todos os alunos este ano, independentemente da necessidade ou capacidade de pagamento. As autoridades dizem que, como alguns pais não preenchem a papelada necessária para que os alunos elegíveis recebam o benefício, eles decidiram oferecer o almoço grátis para todos.

"Os alunos precisam de refeições saudáveis ​​para se manterem concentrados na escola e é um grande passo à frente que todos os alunos da cidade de Nova York tenham acesso a café da manhã e almoço gratuitos todos os dias", disse Fari & ntildea em um comunicado. & quotLanche escolar grátis para todos proporcionará alívio financeiro às famílias e garantirá que todos os alunos recebam refeições nutritivas para que possam ter sucesso na sala de aula e além. & quot

"Sabemos que os alunos não podem aprender ou prosperar na escola se passarem fome o dia todo", disse o prefeito Bill de Blasio. & quotLanche escolar grátis não apenas garantirá que todas as crianças na cidade de Nova York tenham o combustível de que precisam para ter sucesso, mas também promoverá nosso objetivo de fornecer uma educação excelente e equitativa para todos os alunos. & quot

Cerca de três quartos dos 1,1 milhão de alunos de escolas públicas da cidade se qualificam para merenda gratuita ou a preço reduzido de acordo com as diretrizes federais. Mas muitas crianças elegíveis não receberam as refeições gratuitas, muitas vezes porque os pais se esquecem de preencher a papelada exigida.

Os defensores da nutrição infantil há muito instam a cidade a garantir o acesso universal tornando o almoço gratuito para todos.

Vários outros distritos escolares dos EUA, incluindo Boston e Detroit, já oferecem almoço grátis para todos.

Os funcionários da escola estão corretos. Numerosos estudos mostraram uma correlação direta entre estômagos cheios e desempenho acadêmico.

Mas seria muito mais barato identificar os alunos que são elegíveis para o benefício do atual programa federal de merenda escolar e fazer com que os pais ou pais preencham a papelada do que dar a crianças ricas e de classe média alta o mesmo almoço grátis que é dado a alunos pobres. O número de crianças que falham porque os pais não sabem o que têm de fazer ou são incapazes de preencher alguns formulários tem de ser relativamente pequeno. Por que sobrecarregar o contribuinte subsidiando o almoço de crianças ricas quando esse dinheiro poderia ser usado para realmente educar as crianças?

Além disso, qualquer menção a "refeições nutritivas" traz à mente o fracasso espetacular dos mandatos de nutrição de Michelle Obama para merenda escolar. A organização que representa os trabalhadores da cafeteria colocou isso claramente:

Estudos mostram que os alunos de escolas públicas não estão comendo o que as cafeterias estão servindo, transformando muitas operações em perdedores de dinheiro. Embora os distritos escolares possam optar por não participar, isso resulta em cortes nos subsídios federais para esses programas.

& quotAs regulamentações excessivamente prescritivas resultaram em consequências indesejadas, incluindo a redução da participação dos alunos no almoço, custos mais elevados e desperdício de alimentos. Os padrões federais de nutrição devem ser modificados para ajudar os planejadores do cardápio escolar a administrar esses desafios e preparar refeições nutritivas que atendam aos diversos gostos dos alunos ”, disse um novo documento político da associação.

Algumas escolas relataram que 50% dos alimentos foram jogados fora. Almoço grátis para quem precisa está bem. Mas de que adianta se as crianças não comem?

Esta é uma solução clássica de um grande governo para um problema que exige uma política mais circunspecta. Mas qual é a graça se você não consegue gastar o dinheiro de outras pessoas em coisas grátis?


Merenda escolar saudável: a obsessão da América por refeições escolares

Com a aprovação da Lei para Crianças Saudáveis ​​e Sem Fome da Primeira Dama Michelle Obama em 2010 e os novos requisitos de merenda escolar do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em 2011, os cardápios escolares da América estão mais saudáveis ​​do que nunca - mesmo que as crianças nem sempre estejam felizes sobre isso.

A merenda escolar esteve na vanguarda das notícias e da mídia em 2012, quando os alunos reclamaram de serem servidos novos alimentos que dizem ter falta de sabor. A tentativa de servir refeições mais saudáveis ​​nas escolas americanas visa combater a obesidade, com mais frutas e vegetais servidos e um limite diário de calorias. Também significou porções menores, levando os alunos de Wisconsin a boicotar a merenda escolar e levando as crianças do Kansas a fazer um videoclipe sugerindo que não estão recebendo comida suficiente na escola.

Apesar do desdém das crianças, os esforços para melhorar a nutrição nas escolas parecem estar ajudando, especialmente em estados que sofrem de altas taxas de obesidade infantil, como o Mississippi.

Um relatório recente da Fundação Robert Wood Johnson descobriu que os esforços nas escolas, incluindo mais tempo de educação física e padrões nutricionais para lanches vendidos em máquinas de venda automática, levaram a um declínio de 13 por cento na obesidade infantil no Mississippi nos últimos seis anos.

O Mississippi tem a maior taxa de obesidade infantil do país, uma distinção que levou as creches a se juntarem à luta, mesmo enquanto lutam para navegar em um sistema de governo complicado.

Em 2007, a Califórnia estabeleceu novos padrões nutricionais para lanches escolares e, dois anos depois, o estado eliminou as bebidas adoçadas com açúcar nas escolas de ensino médio. O número de crianças obesas desde então se estabilizou em 38 por cento e caiu em Los Angeles. Em San Francisco, algumas escolas terceirizaram a produção de alimentos para empresas que usam chefs e fornecedores locais para oferecer opções mais saudáveis ​​e combater a obesidade.

Em dezembro, o USDA respondeu às reclamações de alunos e escolas e anunciou que ajustaria as diretrizes alimentares, eliminando os limites diários e semanais de carnes e grãos. O secretário da Agricultura, Tom Vilsack, escreveu em uma carta ao senador John Hoeven (R-N.D.) Que a flexibilidade concederá às escolas “opções adicionais de planejamento do cardápio semanal para ajudar a garantir que as crianças recebam uma refeição saudável e nutritiva todos os dias da semana”.

Mais de 30% dos adultos e 17% das crianças nos Estados Unidos estão acima do peso ou obesos, uma estatística que o Pentágono se referiu como um problema de segurança nacional.


Boas intenções e disputas políticas levaram à merenda escolar da forma como a conhecemos

Uma aluna escolhe frutas e vegetais para seu almoço na North Side Elementary School, em Chapel Hill.

Mary Spell trabalhou como padeiro em duas escolas de ensino médio diferentes em Durham nos anos noventa. Na época, as Escolas Públicas de Durham tinham uma filosofia basicamente elaborada em sua lanchonete.

Spell chegava às sete e meia todas as manhãs e, com seu parceiro de cozimento, preparava pãezinhos de fermento quente, massa de pizza, biscoitos e sapateiros para alimentar as crianças. Embora houvesse um cardápio para todo o distrito a cada semana, as receitas dependiam de cada escola, ela me disse enquanto nos sentamos em sua varanda. Ela me mostra um pacote de receitas escritas à mão amareladas que ela guardou daquela época. As quantidades de ingredientes e porções, embora não inesperadas, ainda estão abalando sua receita de pão francês começa com sete quilos e meio de donuts de farinha para quatorze.

Quando Spell começou a cozinhar para a Lowe's Grove Middle School, a maioria dos alimentos era feita no local e com ingredientes frescos. Mas quando ela se aposentou da Neal Middle School, a política mudou: a maioria dos alimentos vinha em embalagens pré-fabricadas, congeladas, prontas para serem reaquecidas. A decepção que resultou dessa mudança apressou sua saída dos refeitórios da escola.

Estar no ramo de alimentos sempre foi complicado para as escolas. É caro. No ano escolar de 2005–2006 (a última estatística disponível para um ano inteiro), o custo médio para produzir uma merenda escolar foi de $ 2,91. Mas o preço total médio do almoço para alunos do ensino médio é de cerca de US $ 2,60, e o reembolso governamental por um almoço grátis foi de apenas US $ 2,50. Existem pastas cheias de regulamentos, com o índice sozinho chegando a bem mais de três mil palavras. A Lei de Crianças Saudáveis ​​e Sem Fome de 2010, apenas uma lei, abrange 84 páginas.

Como em quase tudo, as crianças pobres suportam o peso da extrema politização que cerca a educação em geral e, especificamente, a merenda escolar.

Embora a educação fosse essencial entre as classes superiores nos Estados Unidos, a educação gratuita e obrigatória para todos se mostrou um processo lento. Em 1852, Massachusetts foi o primeiro estado a instituir escolas públicas, com o Mississippi sendo o quadragésimo oitavo e último estado, em 1918. Da mesma forma, a merenda escolar foi implementada pela primeira vez em grandes cidades do Nordeste. A primeira grande cidade a instituir um programa de almoço foi Boston, em 1894. Os motivos eram dois: ensinar nutrição às crianças e "americanizar" as crianças imigrantes com um menu estritamente americano.

Nas cidades menores e mais agrárias do Sul, a maioria das crianças voltava para casa para almoçar. Mas muitas áreas simplesmente não tinham fundos para construir cozinhas e refeitórios em escolas apertadas, geralmente com apenas uma sala.

Até a Grande Depressão, os programas de merenda escolar eram pequenos, voluntários e dirigidos por professores ou clubes de mães. Devido à crise econômica, esses programas foram inundados com crianças famintas. Os governos locais buscaram o apoio do estado, que então se voltou para a assistência federal.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os homens foram rejeitados do serviço militar devido a problemas de saúde causados ​​por uma alimentação infantil deficiente. Isso levou o presidente Harry Truman a assinar a Lei Nacional de Merenda Escolar em 1946. O objetivo era estabelecer padrões nacionais e financiar parcialmente as refeições de alunos de escolas públicas.

Independentemente da motivação subjacente à lei, em 1947, sete milhões de crianças haviam sido alimentadas. Mesmo assim, quase desde o início, o Programa Nacional de Merenda Escolar tornou-se uma batata quente econômica e ética. Os políticos há muito vêem o programa como uma dádiva desnecessária aos pobres. Em 1981, o presidente Ronald Reagan prometeu cortar o orçamento e reduzir o tamanho do governo. Para tanto, um dos primeiros atos de seu governo foi cortar 25% do programa, insistindo que havia pouca necessidade real, mas, em vez disso, muito desperdício e prevaricação. A batalha ainda continua com a secretária de educação de Donald Trump, Betsy DeVos, que está pressionando para cortar programas, e Mick Mulvaney, diretor do Escritório de Gestão e Orçamento, que defendeu cortes argumentando que não há evidências de que alimentar crianças famintas aumenta as pontuações dos testes.

Até mudanças significativas nos anos 60, o programa era menos sobre alimentar crianças e mais como um ganho financeiro inesperado para os resultados financeiros de fazendas comerciais e empresas de processamento de alimentos. Muito poucas crianças pobres receberam ajuda para comprar as refeições. Depois que o presidente Lyndon Johnson assinou a Lei de Nutrição Infantil em 1966, o financiamento foi disponibilizado para alimentar crianças mais pobres ainda, quase nenhum padrão nutricional básico foi obrigatório. A legislação também financiou um programa piloto do USDA para testar um programa de café da manhã comparável.

Três anos depois, os cafés da manhã ainda não haviam chegado às comunidades que mais precisavam deles. Em resposta, o Partido dos Panteras Negras organizou o Programa Café da Manhã Grátis para Crianças em Idade Escolar em 1969. Financiado por empresas e instituições de caridade do bairro, originou-se em Oakland, Califórnia, e operava na Igreja de Santo Agostinho. Ao final do primeiro ano do programa, 20.000 crianças estavam sendo alimentadas em dezenove cidades dos EUA. Também inspirou o Young Lords Party, um movimento porto-riquenho / hispânico, a iniciar seu próprio programa.

Chamando os Panteras Negras de um grupo de ódio, o diretor do FBI J. Edgar Hoover declarou que os cafés da manhã foram uma tentativa de lavagem cerebral em "jovens altamente impressionáveis". Sua missão declarada era destruir a boa vontade para com a festa que o café da manhã engendrou entre "brancos desinformados e negros moderados". Por causa dele, o último dos programas terminou em meados dos anos setenta.

Os custos crescentes e os cortes de financiamento nos anos setenta levaram muitos distritos a contratar empresas privadas para administrar os programas. Como resultado, o fast food se tornou a única opção disponível em muitas cafeterias. A nação estava prestes a entrar na era Reagan do "ketchup como vegetal".

Em 2004, o USDA instou as escolas a usarem as refeições não apenas para combater a desnutrição, mas também para combater a epidemia de obesidade. A Lei de Crianças Saudáveis ​​e Sem Fome de 2010 foi aprovada, exigindo valores mínimos nutricionais e máximos de sódio, gordura e calorias.

Que efeito esse do-si-do governamental e social teve sobre a merenda escolar atual e as crianças que a comem?

Depois de cento e vinte e cinco anos de boas intenções, inovações, duplicidade, desgosto e vitórias ocasionais, está claro que a terceirização é a melhor aposta do sistema de ensino público. A maioria das escolas particulares da área nem oferece refeições para os alunos e exige que eles tragam o almoço de casa. Raleigh's Chesterbrook Academy, for example, offers a catered lunch program where each day of the week places like Boston Market and Jersey Mike's provide a lunch for $5.

These varied, complicated stressors combine for school systems to make contractors a viable choice. Chapel Hill-Carrboro City Schools partners with Chartwells Food Service. They serve three districts: Winston-Salem, Burke County, and CHCCS. Last year 1,247,495 meals were served to Chapel Hill-Carrboro students.

Waiting for me in the Northside Elementary School's clean, bright cafeteria was Liz Cartano, Chartwells director of dining Jordan Keyser, district chef (he's culinary-school trained), and registered dietician Lynne Privatte. They were proud of what they had put together.

Very quickly I realize I need to jettison my preconceived notions. If it's not scratch-made on-site, foods like pizza dough are made off-site and brought in to be finished. The only canned foods are kidney and black beans. A vegetarian meal is available each day. The vegetarian meal for today is hummus with pita points and raw veggies. The hummus is brought in but flavored with herbs and lemon in the cafeteria. There is the aforementioned pizza with fresh sauce and cheese (part-skim) added in the cafeteria before baking.

The other entrée is teriyaki chicken, with "fried" brown rice and stir-fried veggies. The veggies were lightly cooked broccoli, cauliflower, and bok choy. Unlike the limp gray canned vegetables from my school days in the seventies, this is bright, colorful, and crunchy. Dessert is mainly fresh fruit milk is low fat, and juice comes in small portions.

Activities are set up to promote healthy eating, like farmers markets during school hours that equip kids with "dollars" to make purchases. Then the culinary staff works with the students to cook that food.

It's tricky to get everything right. But in defiance of all those monkey wrenches in their machinery, schools are still giving it a sincere effort every day.


Michael Moore's New Movie Nails School Lunch in France -- On The Menu: Lamb, Endive, Lentils and Leeks

In his hilarious, up-tempo and deeply subversive new movie, Where To Invade Next, schlumpy, flag-bedecked Michael Moore invades foreign countries “populated by Caucasians whose names he can mostly pronounce” in hopes of finding real-life solutions to America’s most intractable problems.

As the invasion proceeds and the dominoes fall, Moore “steals” the best ideas from each country he conquers.

They include tuition-free college (Slovenia and Germany) seven weeks of paid vacation and guaranteed maternity leave (Italy) universal health care and an effective antidrug program based on decriminalization (Portugal).

From Norway, Moore swipes the idea of basing prisons on rehabilitation rather than revenge.

In Iceland, he steals the defining features of the country’s school system, which is rated the best in the world. They include equitable funding, little or no homework, short school days, and plenty of time for discovery and play.

Moore’s takeaways are pretty mouthwatering to a country struggling with downward mobility and loss of social cohesion, violence, mass incarceration, drug abuse, soaring college costs and underfunded schools that serve gloppy, toxic lunches.

Cassoulet - Lunchroom Fare in French Schools Photo Cuilheim

Nowhere is the contrast between the way things are done in Europe and the way they’re done in the U.S. more pointed than when Moore invades a French school lunchroom and sits down with kids who are eating a meal that would be classified as gourmet in the U.S.

It starts with Coquilles Saint-Jacques (sea scallops), continues with a hot entrée, veggies and salad, and ends – this being France – with a cheese course.

The kids are sweet and unknowing. Moore offers them a Coke he has smuggled into the cafeteria, but it's a hard sell. When he shows them pictures of mystery-meat school lunches in the U.S. they react with a mixture of doe-eyed horror and pity.

In the past, Moore’s critics have accused him of oversimplification. But the facts on the ground bear him out, as I learn while exploring the French school lunch program.

To get a close-up look, I seek out Bordeaux’s Deputy Mayor Emmanuelle Cuny in June during a press trip to cover Vinexpo, the tony wine trade show in capital of Aquitaine.

Madame Cuny, Bordeaux’s school nutrition czar, advances the crazy notion that kids should have time to eat and that school lunch should be pleasurable. It sounds totally quaint and impossibly idealistic. But she means it. As the conversation continues, I start to feel like I'm in a parallel universe.

Remembering the baloney sandwiches, chocolate milk and Fritos of my youth, I venture a question, pretty sure I know the answer in advance: Are kids allowed to buy snacks or bring their own lunch to school?

"Kids should have time to eat and school lunch should be pleasurable."

Cuny’s smile masks a slight wince. “Our children are not allowed to bring sandwiches and chips to school.”

La junk-food doesn’t stand a chance in French schools. Soda is banned. Vending machines are forbidden in lower school, kids drink water with lunch and nobody asks, “Do you want to super-size that?”

Bordeaux's School Lunch Czar, Emmanuelle Cuny
Photo O. Panier des Touches

As the discussion proceeds, it becomes clear that we're in a sloppy joe-free zone here. Fair enough. This is France. But how far do the French really take their love of food? After all, we’re talking school lunchrooms, not Michelin-star restaurants.

Pretty far, says Cuny, 48, who oversees 21,000 meals a day, all prepared at SIVU, an immaculate central kitchen, which also serves senior centers. I meet staff in charge of day-to-day operations and am impressed by their devotion to the “cause of the table.”

We talk about ingredients. The bar is high and parents expect a lot, Cuny says. “Maybe that’s because food is so important in our country,” she adds.

It starts with bread. What I hear is skull-flattening. It would be unimaginable in the U.S.

“We serve fresh bread every day,” Cuny says as if it’s the most normal thing in the world.


10 Local Bakeries Supply Fresh Bread to Bordeaux Schools Every Day
Photo Boulangerie Madalozzo

We’re not talking flabby industrial-grade loaves. We’re talking classic French bread with structure and a real crust, the kind you’d imagine eating with pâté and a glass of Bordeaux.

We don’t get into the details, but I imagine the logistics must be the work of a master. The SIVU team has networked ten local bakeries to handle the task.

Together, they supply bread to every one of the nearly 100 schools in the city within a few hours after it comes out of the oven – every day, week in and week out, all during the school year.

40 percent of all the food served in Bordeaux schools is organic. Fried food and hamburger-based dishes are rare.

Cuny is justifiably proud that a full 40 percent of all the food served in Bordeaux schools is organic. Fried food and hamburger-based dishes are rare. Farm-to-table is in, and 70 percent of the vegetables come from the immediate region.

Local chefs build meals based on ingredients like organic chicken, controlled regional lamb that is traceable to the farm where it was raised, certified Atlantic salmon, seasonal vegetables, organic fruit and dairy from the region and traditional cheeses from various parts of France.

On the Menu in March: Chicken with Leeks and Cream, Vegetable Flan, Organic Fruit and Artisanal Cheese

What does Cuny’s team do with all these wonderful ingredients? To get a fix on what kids are actually eating, you have to drill down to the level of the individual school menu.

Take Thiers Elementary School in the city’s Bastide neighborhood, a random pick from among Bordeaux’s 98 neighborhood schools. Look at what’s on tap for the next three weeks, and prepare to be dazzled.

Starting March 1, students at Thiers will be dining on dishes like Emincé de poulet (organic chicken from Périgord with herbes de Provence), carrot salad with garlic and parsley in vinaigrette, pork sauté with leeks in a pepper cream sauce, and organic apples for the fruit course.

Poor kids -- they’ll also be suffering through risotto with vegetables, crêpes au fromage, couscous, vegetable flan, lamb tajine, cabbage salad in a mustard vinaigrette and the legendary blanquette de volaille, made with leeks, vegetables and cream. Non-pork alternatives are also available and vegetarian options are becoming more and more popular.

Cœur Cendré for the Cheese Course
Photo www.treasuresofeuropetours.com

Dairy and cheese selections at Thiers elementary school during March include fairly conventional fromage blanc, organic yoghurt and your basic Rondelé.

But there are also stand-out cheeses. This month they include the ash-veined Cœur cendré from Livradois, and Comté AOP, a designated-origin cheese from the Franche-Comté region. Mesmo?

Taking the French Fries Out of France

What’s não on the menu says as much about the difference between school lunch in France and the U.S. as what é on the menu.

Take French fries. The kids at Thiers elementary school will only get them once in the next three weeks – probably a disappointment, but policies like these are why young people in France weigh less than kids in the U.S., where some schools serve French fries every day, diabetes is soaring and childhood obesity is pandemic.

And the one day breaded fish is on the Thiers school menu in the next three weeks it will be a sustainably-sourced filet, certified by the Marine Stewardship Council, not a preformed minced fish patty, which is common in the U.S.

"If you're from the land of Velveeta and fish sticks, school lunches in Bordeaux look pretty exceptional."

Menus at other schools in Bordeaux this month are just as diverse. That’s probably why the city’s school nutrition program has an 80-percent satisfaction rating among parents and why Bordeaux scored near the top in an independent national survey of school lunch programs three years ago.

High School Cafeteria Chef
Photo Departement Oise

"It's time to eat like a local. Sign me up," I think to myself. If you're from the land of Velveeta and fish sticks, school lunches in Bordeaux look pretty exceptional. We’re in the epicenter of French wine country where eating is an art form and food and drink are valued above all else. Maybe that's why the school meals here rock.

Beyond Bordeaux

Five-and-a-half hours north of Bordeaux, in Mormant, Thierry Grasset, the chef at the local high school, Collège Nicolas Fouquet, echoes the same sentiments you hear in Bordeaux and everywhere else.

Grasset prefers the name "school restaurant" to cafeteria, which speaks volumes. He plans meals with balance and variety in mind. Menus include hake with a shrimp, mussels and white wine sauce, cauliflower, Merguez sausage and lentils, ratatouille, veal and onions with sautéed vegetables, crudités and the occasional pastry. He only serves French fries once every four weeks.

Paris: Poor Schools Don't Equal Bad Food

The more I learn, the more I realize how deeply school lunch is anchored in the social contract. There is such fundamental consensus about its importance that the French find a way to fund it -- even in metro regions where municipal budgets are stretched and a host of social problems compete for money.

This is amply evident in Paris where kids have access to breakfast and good-quality lunches at schools across the city, even in areas with high unemployment, large immigrant populations and intergroup tensions.

135,000 meals are served every day. And whether it’s a rich neighborhood or a poor neighborhood, “meals are a special time of discovery and pleasure,” insists city hall.

The 19th Arrondissement, on the northeast periphery of Paris, is the city’s most impoverished and racially divided neighborhood, so it might be safe to assume that schools there are lowest on the food chain.

Endive: Ever Seen it in a School Cafeteria in the U.S.? Photo francebleu.fr

But kids in the 19th district have a place at the table, and the elementary schools there rocked the nation’s most recent school nutrition survey, scoring 19.1 points out of a possible 20. Mysteriously, the 7th Arrondissement, which is the city’s richest, only scored 15.7 out of 20.

The school lunch program in the 19th Arrondissement faces its own challenges and it’s far from perfect -- for example it doesn’t offer as many organic choices as schools in other districts.

But despite this, when you drill down to the individual menu level it’s pretty clear that elementary school kids in the 19th district are eating food that’s superior to, and more varied than, fare served to students in many schools in the U.S.

What School Kids in the Poorest Neighborhood of Paris Are Eating

Take the month of March. While dystopian lunchrooms across the U.S. are serving up chicken nuggets, pizza, hot dogs, fish sticks, mystery-meat chili and fruit cocktail this month as they do throughout the entire school year, kids in Paris’s 19th district will be enjoying bistro-worthy fare that is inventive and balanced.

This month, schools in the 19th will be serving veal with hunter’s sauce, salmon, soy steak with basil and tomatoes, sustainably-sourced pollock with lemon sauce, organic cauliflower and organic carrots, lentils, spinach gratin, veal au jus, organic couscous, and lamb with curry sauce.

There will only be two ground beef dishes on the menu all month and the bread will be made from organic wheat.

And don’t forget, mes amis: This is going down in the poorest neighborhood of Paris.

It doesn’t stop there. Late in the month, school chefs are planning a special theme day spotlighting the cuisine of northern France.

School Menu: Leek Tart with Morilles Cheese
Photo Caisse des ecoles 19 Paris

The menu will star a classic Flemish leek tart made with an artisanal cheese, called Maroilles. It also includes potato salad, chicory with croutons and a waffle dessert with chocolate and Chantilly cream.

The salad side of the equation is no less astonishing. Can you imagine your kid’s school serving Batavia leaf lettuce salad with Tomme sheep's milk cheese and olives? What about salade de fruits frais? How about escarole with Emmental? Or endive with Mimolette cheese, croûtons and vinaigrette à l’orange?

Can you imagine your kid's school serving Batavia leaf lettuce salad with Tomme sheep's milk cheese and olives?

These are some of the salad choices that are on tap for lunchrooms in the 19th Arrondissement this month. For the cheese course it will be Comté, Coeur de nonette, organic Camembert and Cantal.

If Paris’s poorest schools can serve food like this, why can’t we?

Checking in a delivery of fresh vegetables at a Paris school kitchen
Photo Camille Bosque

While Paris lunchrooms are certainly making a strong showing, school lunch programs in other parts of France are pushing the envelope even further -- probably because they have better funding and smaller populations to serve. Many are offering more variety and a higher percentage of organic ingredients.

Local sourcing is the wave of the future. With the support of county governments, schools in many outlying regions are beginning to connect with local farmers through Manger local (Eat local) initiatives that are sourcing as much as possible from suppliers in the immediate area.

In some regions this is creating markets where there were none, leading to new opportunities for small-scale farms. In addition, advocates think students will value local agriculture and feel more connected when they know the food they’re eating is from the local farmers.

County nutritionists in Alpes de Haute-Provence underscored the local connection:

“Did you know that the apples and pears you eat come from Volonne, that the lettuce comes from Manosque, some of the yoghurt from Selonnet, the organic spelt from Vachères, the organic vegetables from La Brillanne, the organic sunflower oil from Pierrerue, pasta from Montfuron, lentils from La Bréole and that the meat comes from farms in the Alpes de Haute-Provence?”

Terroir in the Lunchroom

Diversity, local sourcing and organics are growing to be hallmarks of the French school meals program. Emphasis on regional cuisine is another one.

When schools can source the right ingredients, they’re not shy about offering terroir-driven artisanal dishes as part of the lunchroom repertoire, even including earthy iconic dishes like foie gras, duck, confit, kidneys and other specialties.

Native cuisine like this is more common in regional centers and smaller towns in the hinterlands, where traditional ingredients are available and local dishes are prized.

Some kids have all the luck. Trélissac schools serve dishes like brandade de morue, sardines and anchaud de porc, a swarthy pork confit.

Lapin à la moutarde - Rabbit in mustard sauce
Photo Wikimedia

Caen includes cassoulet on its menus and students in Besançon get fricassée de lapin à la moutarde (rabbit fricassee with mustard sauce). Isère schools serve tripe Caen style and Montignac puts rillettes du Mans, an intense pork pâté, on the menu.

Fare like this is not served every day and chefs know to balance it with less caloric offerings. It’s obviously not for the faint of heart, but schools are using it to expand the palette of choices and expose kids to regional culinary heritage.

Meals for the Many

The French continue to tweak their school lunch program. Legislators have mandated cuts in salt, sugar, ketchup and mayonnaise. They're calling for fewer sauces, fewer fried foods and even more vegetables.

But the bar is already pretty high. And as Bordeaux, Mormant, Paris’s 19th district and lunchrooms across the country are demonstrating every day, it’s clear by any measure that French schools are providing top-class meals to the children in their care.

"French égalité is alive and well in the lunchroom."

If good-quality school lunches were only available in some regions of France but not others -- or if they were only accessible to the country’s one-percenters and not the middle class and poor -- it would be easy to dismiss the program as a culinary training ground for the entitled few.

But in no way is France's school lunch program a bastion of privilege and the country's schools are not in the business of training snobs. francês égalité is alive and well in the lunchroom. The school lunch program is not only high quality, it’s democratic and it benefits everybody.

With this type of investment in good taste, it’s no wonder nearly everyone in France knows what really good food is and delights in it. And, as Michael Moore shows us, it’s an idea worth stealing.

Slideshow: School Lunch as if Taste Mattered -- What French Kids Are Eating


Assista o vídeo: Somente os 4% Mais Atentos Passarão Neste Teste (Dezembro 2022).