Novas receitas

5 maneiras de bagunçar uma fritada - e como corrigi-la

5 maneiras de bagunçar uma fritada - e como corrigi-la


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A fritada - um primo italiano da omelete francesa - parece um prato simples de ovo, mas é muito mais técnico do que você esperaria. Sim, uma fritada é fácil de cozinhar, mas também é fácil de estragar. Esqueça de untar sua frigideira ou cozer demais os ovos, e você rapidamente estragou tudo.

Minha ansiedade por este prato despretensioso remonta à escola de culinária. Durante a segunda semana - também conhecida como “Semana do Ovo” - abordamos todos os pratos com ovos imagináveis, de omeletes a quiche e ovos mexidos (outro prato de ovo enganosamente difícil).

Comer de forma saudável ainda deve ser delicioso.

Assine nosso boletim diário para mais artigos excelentes e receitas saborosas e saudáveis.

Cozinhei ovos Benedict, Quiche Lorraine e Omelette au Fromage com relativa facilidade, mas o prato final, a fritada, me pegou de surpresa.

Depois de sua demonstração, o chef-instrutor gritou ordens com seu forte sotaque francês antes de nos liberar para a cozinha. A fritada perfeita é amarela - não marrom! Cuidado com o calor! Não queime suas fritadas!

Nossa tarefa? Para cozinhar uma fritada perfeita, de um amarelo ensolarado, com um recheio simples de queijo Gruyère, cebolas caramelizadas e cogumelos.

Infelizmente, minha fritada era uma bagunça esponjosa e cozida demais. Metade grudou na frigideira e a outra metade estava muito dourada na parte de baixo.

Na frente da classe, o instrutor certificou-se de que eu sabia exatamente o que havia feito de errado e exatamente o que eu precisava fazer para consertar.

No entanto, cozinhar uma fritada ainda me deixa nervoso. Em uma recente manhã de domingo, decidi dominá-lo, mesmo que demorasse 40 tentativas fracassadas.

Para cozinhar, eu precisava de uma fritada de tamanho de porção individual - a deliciosa e simples receita de Couve e Cogumelo Fritada de Tim Cebula se encaixava perfeitamente.

Tentativa # 1

A receita de Tim pede uma frigideira de ferro fundido de 20 centímetros, que eu não possuo, então usei uma pequena frigideira de aço inoxidável. Depois de refogar os cogumelos, a couve e os ovos juntos, coloquei a frigideira na grelha. Depois de removê-la, virei a frigideira de cabeça para baixo para soltar a fritada cozida em uma tábua de cortar. Ops.

Tentativa # 2

Desta vez, usei minha grande frigideira de ferro fundido de 10 polegadas. Quando o tirei da grelha, fiquei horrorizado. Uma fritada de dois ovos é simplesmente pequena demais para uma frigideira grande. Panqueca Frittata, alguém?

Tentativa # 3

Frustrado, comprei uma frigideira menor de ferro fundido (Lodge faz uma frigideira prática de 6 ½ polegadas - encontre-a na Amazon). Depois de adicionar os ovos, grelhei a fritada por um minuto. Parecia mal passado, então grelhei por mais um minuto. Enquanto a fritada saltou para fora da frigideira, a parte de baixo estava crocante e bem dourada. O interior tinha uma textura elástica, evidenciando uma fritada muito passada. (Vaia.)

A fritada de Tim pede queijo de cabra ou feta, mas eu usei um queijo cheddar suave (porque era o que estava na minha geladeira). Não consegui sentir o gosto de nada. Eu usei uma colher de sopa cheia de queijo, mas você nunca saberia que estava lá.

Determinado, folheei minhas antigas anotações da escola de culinária. Encontrei uma página da Egg Week: A fritada deve ser toda amarela, NÃO MARROM. Use um queijo salgado e saboroso para obter o melhor sabor.

Tentativa # 4

Com minhas aulas de culinária (e algumas dicas de Cozinhar luz A editora executiva de alimentos Ann Pittman Taylor) com a fritada fresca em minha mente, fiz uma quarta tentativa com a fritada. Usei o queijo certo - queijo feta, monitorei o aquecimento do fogão e grelhei a fritada por um minuto. Sucesso! Ele deslizou para fora da frigideira de forma limpa. Os ovos estavam macios (sem manchas marrons na parte inferior) com bolsões de queijo feta cremoso.

Fazer uma fritada perfeita requer paciência, perseverança, um pouco de tentativa e erro e, em alguns casos, uma caixa inteira de ovos para ser perfeita. Se você não acertar o seu da primeira vez, não entre em pânico. Pense nisso como uma oportunidade de melhorar na próxima vez.

Da sala de aula da escola de culinária à cozinha de minha casa, minhas tentativas de fritada sofreram cinco grandes contratempos. Encontre cada erro abaixo, além de dicas de Ann e de mim sobre como consertar cada um.

Problema nº 1: Metade da minha fritada está presa na frigideira!

PORQUE: Você pode estar usando o tipo errado de frigideira.

O CONSERTO: Desde o meu acidente, uma frigideira de ferro fundido é meu recipiente preferido para as fritadas. É naturalmente antiaderente, adequado para forno e cheio de potencial para aumentar o sabor. Embora uma frigideira de aço inoxidável seja ótima para cozinhar em geral, ela só é antiaderente quando usada em fogo alto. Como uma fritada exige um cozimento em fogo baixo, uma frigideira de ferro fundido bem temperada faz exatamente o que você precisa. Se você estiver grelhando sua fritada, Ann desencoraja o uso de uma frigideira antiaderente porque não é adequada para forno.

Problema nº 2: a parte inferior da minha fritada é muito marrom.

PORQUE: O queimador do fogão pode estar muito quente.

O CONSERTO: Para evitar queimar a parte inferior da fritada, preste atenção ao controle de calor. Aqui está o meu truque: depois de refogar os outros ingredientes em sua fritada, verifique a temperatura do fogão antes de misturar os ovos. Se sua frigideira estiver muito quente, retire-a do fogão por alguns segundos para esfriar e cozinhe os ovos delicadamente em fogo médio-baixo. Se possível, deixe a maior parte do cozimento acontecer embaixo da grelha. Por último, deslizar a fritada para fora da frigideira assim que removê-la do forno ajudará a evitar que o fundo fique tostado.

Problema nº 3: minha fritada é plana como uma panqueca.

WHE: Sua frigideira provavelmente é muito grande.

O CONSERTO: Se você gosta de fritadas mais grossas, opte por uma frigideira menor do que você acha que precisa. Ann sempre considera quantos ingredientes extras ela está adicionando à fritada, pois você pode precisar de uma frigideira um pouco maior para acomodá-los. Experimente estas relações confiáveis:

  • 2 ovos frigideira de 6 a 8 polegadas
  • 4 ovos> frigideira de 8 a 10 polegadas
  • 6 ovos> frigideira de 10 a 12 polegadas

Problema nº 4: minha fritada é emborrachada e quebradiça.

PORQUE: Você provavelmente cozinhou demais os ovos.

O CONSERTO: Ann tem um truque inteligente para ovos cozidos na perfeição: remova a fritada do forno quando os ovos ainda estiverem um pouco soltos no centro. Deixe descansar em temperatura ambiente por alguns minutos para endurecer completamente antes de cortar.

Problema nº 5: adicionei queijo, mas não consigo sentir o gosto!

PORQUE: Você provavelmente não está usando o queijo certo.

O CONSERTO: Ao fazer uma fritada - especialmente uma mais saudável - você quer um queijo mais salgado e saboroso. Você não precisará usar muito e também economizará calorias, gordura e sódio em geral. O salgado agudo do queijo feta ou do queijo de cabra funciona bem, assim como um queijo envelhecido e mais duro, como o parmesão. Ann também recomenda experimentar queijo azul.


Compartilhado Todas as opções de compartilhamento para: O novo livro de Jamie Oliver oferece "maneiras" de sair da rotina culinária de uma pandemia

Para escrever seu novo livro de receitas, “7 maneiras”, Jamie Oliver analisou milhares de dados para encontrar os 3.000 itens alimentares mais comuns. Ele resumiu a lista a 18 ingredientes-chave - ou heróis. Arthur Mola / Invision / AP

NOVA YORK - Jamie Oliver sabe que um dos maiores obstáculos que os cozinheiros domésticos enfrentam não é o trabalho enfadonho de fazer compras, a tarefa de cortar ou a bagunça de lavar a louça. São aplicativos de entrega.

O que ele chama de uberização da indústria de alimentos levou famílias cansadas a pedirem o jantar para entrega ou coleta. “Nunca foi tão fácil corrigir esse desejo por comida com o clique de um botão”, disse ele.

Oliver espera inspirar os cozinheiros domésticos com seu 24º livro, “7 Ways”, que ele chama de seu livro de receitas mais voltado para o leitor até então. Ele promete sabor máximo com mínimo esforço.

“Se eu posso escrever uma receita que é deliciosa e dá a você muitas opções e entusiasmo e eu sei que você provavelmente já tem os ingredientes na sua geladeira, isso deve ser muito poderoso”, disse o chef inglês.

O livro surge durante uma pandemia global, e Oliver espera que ele ofereça mais opções aos cozinheiros domésticos sitiados. Ele observa que as vendas de utensílios de cozinha e produtos de panificação dispararam.

Esta imagem da capa divulgada pela Flatiron Books mostra “7 maneiras: ideias fáceis para todos os dias da semana”, de Jamie Oliver. Flatiron Books via AP

“Se você cozinhar do zero, as chances de economizar dinheiro são enormes”, disse ele. “Até mesmo itens baratos são muito caros quando você o compra para quatro pessoas.”

Para escrever o livro, Oliver estudou resmas de dados para encontrar os 3.000 itens alimentares mais comuns. Ele resumiu a lista a 18 ingredientes-chave - ou heróis -, incluindo peito de frango, salmão, camarão e batatas.

Ele então desenvolveu sete novas receitas para destacar cada um dos 18 heróis. Para o salmão, há tacos e um po 'boy. Para os ovos, ele tem uma fritada de inspiração indiana e bolinhos de ovo. Para cogumelos, há um risoto, uma sopa e um refogado de carne.

Ele também olhou para os pratos para viagem mais populares e tentou reproduzir seu sabor. Ele os chama de “fakeaways” e há dezenas de receitas - incluindo porco agridoce, macarrão de camarão picante e uma pizza de linguiça.

“Vou tentar escrever uma receita que pode fazer com que você experimente. E, em última análise, é disso que se trata: tentar manter vivas as habilidades culinárias ”, disse ele.

Oliver se tornou um nome conhecido por promover alimentos sustentáveis ​​e saudáveis ​​desde que estrelou "The Naked Chef", da BBC, no qual ele reduziu a comida ao essencial, usando ingredientes e técnicas simples. Mais tarde, ele se familiarizou com o público norte-americano com programas da Food Network, como "Jamie em casa".

Em “7 Ways”, Oliver limitou o número de ingredientes necessários aos cozinheiros domésticos para cada prato e experimentou novas ideias, informadas por muitos consumidores que disseram estar presos na rotina de alimentos.

“Estou tentando representar diferentes métodos de cozimento, diferentes custos e diferentes cores, diferentes perfis de sabor”, disse ele. “Uma das minhas tarefas neste livro foi tentar ajudar a celebrar o ingrediente, mas quebrar a monotonia do mesmo prato todas as semanas.”

Os dados mostraram algumas coisas interessantes, como que a batata-doce e o abacate eram mais populares do que se pensava inicialmente. Mais abacates foram vendidos no Reino Unido do que laranjas no ano passado, e Oliver faz mais do que cortá-los em uma salada: ele faz uma holandesa de abacate, uma tempura de abacate e assa abacates com camarão.

Ele também lida com um vegetal notoriamente difícil - a berinjela ou berinjela na Grã-Bretanha. Ele ocupa o centro do palco como um dos 18 heróis, ao lado da carne bovina e do frango.

“Nós meio que descobrimos o que fazer com as batatas de várias maneiras maravilhosas. Nunca descobrimos realmente o que diabos fazer com as beringelas ”, disse ele. “O que tentei fazer naquele capítulo é como você pode cozinhá-los para que a pele fique crocante e a carne fique cremosa, como você pode cozinhá-los no vapor ou usá-los em um ragu ou usá-lo para fazer camadas de coisas bonitas.”

Uma coisa que Oliver gradualmente se aqueceu é incluir alguns ingredientes pré-fabricados, como pesto em jarras ou pasta de curry, e às vezes inclinar-se sobre vegetais congelados.

“Eu nunca teria feito isso sete anos atrás. Eu mesmo tive que superar ”, disse ele, rindo. “Também existe um pouco de ego na cozinha. Eu tento controlar o meu. ”

Oliver é um realista. “Eu gostaria de viver em um mundo onde todos tivessem tempo para fazer sua própria pasta”, disse ele. Em seguida, acrescentou: "Você sabe, ervilhas congeladas são muito melhores do que ervilhas frescas nove em cada dez vezes."


Não peça. Mergulhe no novo livro de receitas de Jamie Oliver

NOVA YORK (AP) - Jamie Oliver sabe que um dos maiores obstáculos que os cozinheiros domésticos enfrentam não é o trabalho enfadonho de fazer compras, a tarefa de picar ou a bagunça de lavar a louça. Aplicativos de entrega de it & # 39s.

O que ele chama de uberização da indústria de alimentos levou famílias cansadas a pedirem o jantar para entrega ou coleta. “Nunca foi tão fácil corrigir esse desejo por comida com o clique de um botão”, disse ele.

Oliver espera inspirar os cozinheiros domésticos com seu 24º livro, “7 Ways”, que ele chama de seu livro de receitas mais voltado para o leitor até o momento. Ele promete sabor máximo com mínimo esforço.

“Se eu posso escrever uma receita que é deliciosa e dá a você muitas opções e entusiasmo e eu sei que você provavelmente já tem os ingredientes na sua geladeira, isso deve ser muito poderoso”, disse o chef inglês.

O livro surge durante uma pandemia global, e Oliver espera que ele ofereça mais opções aos cozinheiros domésticos sitiados. Ele observa que as vendas de utensílios de cozinha e produtos de panificação dispararam.

“Se você cozinhar do zero, as chances de economizar dinheiro são enormes”, disse ele. “Até mesmo para viagem barata é muito caro quando você está comprando para quatro pessoas. & Quot

Para escrever o livro, Oliver se debruçou sobre resmas de dados para encontrar os 3.000 itens alimentares mais comuns. Ele resumiu a lista a 18 ingredientes-chave - ou heróis -, incluindo peito de frango, salmão, camarão e batatas.

Ele então desenvolveu sete novas receitas para destacar cada um dos 18 heróis. Para o salmão, há tacos e um menino poeirento. Para os ovos, ele ganhou uma fritada de inspiração indiana e bolinhos de ovo. Para os cogumelos, há um risoto, uma sopa e um refogado de carne.

Ele também olhou para os pratos para viagem mais populares e tentou reproduzir seu sabor. Ele os chama de “fakeaways” e há dezenas de receitas - incluindo porco agridoce, macarrão de camarão picante e uma pizza de linguiça.

“Vou tentar escrever uma receita que pode fazer com que você experimente. E, em última análise, é disso que se trata: tentar manter vivas as habilidades culinárias ”, disse ele.

Oliver se tornou um nome conhecido por promover alimentos sustentáveis ​​e saudáveis ​​desde que estrelou "The Naked Chef", da BBC, no qual ele reduziu a comida ao essencial, usando ingredientes e técnicas simples. Mais tarde, ele se familiarizou com o público norte-americano com programas da Food Network, como "Jamie em casa".

Em “7 Ways”, Oliver limitou o número de ingredientes necessários aos cozinheiros domésticos para cada prato e experimentou novas ideias, informadas por muitos consumidores que disseram estar presos na rotina de alimentos.

“Estou tentando representar diferentes métodos de cozimento, diferentes custos e diferentes cores, diferentes perfis de sabor”, disse ele. “Uma das minhas tarefas neste livro foi tentar ajudar a celebrar o ingrediente, mas quebrar a monotonia do mesmo prato todas as semanas.”

Os dados mostraram algumas coisas interessantes, como que a batata-doce e o abacate eram mais populares do que se pensava inicialmente. Mais abacates foram vendidos no Reino Unido do que laranjas no ano passado, e Oliver faz mais do que cortá-los em uma salada: ele faz uma holandesa de abacate, uma tempura de abacate e assa abacates com camarão.

Ele também lida com um vegetal notoriamente difícil - a berinjela ou berinjela na Grã-Bretanha. Ele ocupa o centro do palco como um dos 18 heróis, ao lado da carne bovina e do frango.

“Nós meio que descobrimos o que fazer com as batatas de várias maneiras maravilhosas. Nunca descobrimos realmente o que diabos fazer com as beringelas ”, disse ele. “O que tentei fazer naquele capítulo é como você pode cozinhá-los de forma que a pele fique crocante e a carne cremosa, como você pode cozinhá-los no vapor ou usá-los em um ragu ou usá-lo para fazer camadas de coisas bonitas.”

Uma coisa que Oliver tem se aquecido gradualmente é incluir alguns ingredientes pré-fabricados, como pesto em jarras ou pasta de curry e, às vezes, inclinar-se sobre vegetais congelados.

“Eu nunca teria feito isso sete anos atrás. Eu tive que superar sozinho ", disse ele, rindo. “Também existe um pouco de ego na culinária. Eu tento controlar o meu. ”

Oliver é um realista. “Eu gostaria de viver em um mundo onde todos tivessem tempo para fazer sua própria pasta”, disse ele. Em seguida, acrescentou: "Você sabe, ervilhas congeladas são muito melhores do que ervilhas frescas nove em cada dez vezes."


Você diz Frittatas e eu digo Frittate

Para uma vez, eu era a cozinheira-chefe e lavadora de garrafas da mamãe # 8217s. Morando na porta ao lado, Zia possuía um convite permanente, então, eram três para o jantar na maioria das noites. Agora, posso ser capaz de preparar um bom jantar, como certamente todos nós podemos, mas o que não posso fazer é estimar o tamanho da porção. Um de meus jantares poderia alimentar 6 com a mesma facilidade com que alimentaria 2 ou 3. Não é um problema aqui em casa, pois não me importo de comer sobras. Se eu fizer o suficiente para 6 porções, irei comê-los todos ao longo dos próximos dias e não pensarei duas vezes sobre isso. Eu realmente não conseguia fazer isso quando cozinhava para mamãe e Zia, no entanto, e como resultado, depois de alguns dias, sua geladeira estava cheia de sobras. E se você acha que eu poderia desperdiçar comida naquela cozinha, bem, como mamãe diria, & # 8220Você & # 8217 tem outra coisa chegando & # 8217! & # 8221 Digite a fritada.

Uma fritada é um prato à base de ovo, cujos ingredientes são limitados apenas pela imaginação de alguém. Presumo que haja provavelmente milhares de receitas de frittate na web, embora eu ainda não tenha procurado por uma. Quando eu era menino, mamãe costumava usar as sobras da caponata para fazer uma fritada para o almoço às sextas-feiras. Uma vez que fiquei sozinho, continuei a fazê-los, pois achava que eram mais fáceis de fazer do que uma omelete dobrada chique, mas ainda mais bonitos do que uma mistura de ovos mexidos com um monte de ingredientes.

Então, com uma geladeira cheia de sobras, decidir fazer uma fritada naquela época era um acéfalo. Nas últimas semanas, me encontrei na mesma situação, tendo assado um presunto para a Páscoa e depois, infelizmente, tendo que fazer algumas vezes macarrão com burrata devido a dificuldades de câmera. (Essa é a minha história e eu estou aderindo a ela.) Por mais que eu goste de sanduíches de presunto e com a freqüência com que reaquecimento a massa, eu precisava de uma mudança e novamente comecei a fritar.

Existem algumas coisas comuns a qualquer fritada que eu já fiz. Existem ovos, é claro, e sempre algum tipo de amido, seja macarrão ou batata. Cebolas, cogumelos, tomates e praticamente qualquer outro vegetal, tanto crus quanto previamente cozidos, podiam entrar na frigideira. Quase sempre adiciono algum tipo de queijo ralado, e a carne também costuma ser incluída. Depois que tudo estiver na frigideira e os ovos começarem a endurecer, a frigideira e seu conteúdo são levados ao forno pré-aquecido onde a fritada assa até ficar pronta. É retirado do forno, virado para uma travessa, guarnecido e servido com um pedaço de pão e sopa ou salada.

Para a fritada apresentada aqui, usei uma frigideira de ferro fundido de 8 polegadas. Para uma frigideira desse tamanho, eu provavelmente deveria ter usado 9 ovos, em vez de 6, e o prato teria aumentado um pouco mais. Cozinhar para mim, porém, senti que 6 ovos bastavam. Como mencionei, normalmente adiciono tomates frescos, mas, nesta época do ano, tomates frescos saborosos são quase impossíveis de encontrar. Eu os pulei, mas, no passado, usei tomates secos ao sol. Por último, muitas vezes as fritadas são eliminadas sob o frango. Embora eu os tenha preparado dessa forma, também os esqueci lá e tirei algo que tinha mais em comum com um marshmallow assado do que com uma fritada. Para mim, o forno é uma aposta mais segura, mas a grelha continua a ser uma opção para quem tem algum tipo de memória de curto prazo. Apenas cozinhe a fritada em cima do fogão por mais alguns minutos e & # 8212 aqui & # 8217s a parte complicada & # 8212 verifique com freqüência depois de ter ficado sob a grelha por 5 minutos.

Você diz batatas e eu digo patate.

Fritada com macarrão, broccolini e receita de mussarela defumada

Pré-aqueça o forno a 375˚ F (190˚ C). Em uma frigideira quente em fogo médio, coloque algumas colheres de sopa da gordura de cozinha de sua escolha. Usei gordura de bacon. Quando estiver bem quente, adicione um pouco de cebola picada, cogumelos fatiados e talos de brócolis crus picados. Tempere ligeiramente com sal e pimenta e refogue até que as cebolas fiquem translúcidas, os cogumelos tenham um pouco de cor e os talos dos brócolis fiquem macios. Adicione os floretes de brócolis e continue a refogar por mais 3 ou 4 minutos. Adicione o macarrão, misture bem e refogue até ficar bem aquecido. Adicione um pouco mais de óleo, se necessário. Enquanto isso, quebre os ovos em uma tigela grande e bata. Adicione alguns gramas de queijo ralado & # 8212 Usei mussarela defumada & # 8212 e misture bem. Assim que a massa for aquecida, despeje a mistura de ovo e queijo na panela e, trabalhando rapidamente, use uma colher chata para garantir que ela seja distribuída uniformemente. Abaixe o fogo para médio e cozinhe até que os ovos comecem a endurecer. Retire do fogão e coloque no meio do forno pré-aquecido. A fritada está pronta quando todos os vestígios de ovo cru tiverem desaparecido da superfície agora colorida & # 8212 geralmente cerca de 20 minutos, mas comece a verificação aos 15. Retire do forno, cubra com um prato maior que a circunferência da panela & # 8217s e gire rapidamente o o conteúdo da frigideira & # 8217s no prato. Enfeite com mais queijo ralado e sirva.


Não peça. Mergulhe no novo livro de receitas de Jamie Oliver

NOVA YORK - Jamie Oliver sabe que um dos maiores obstáculos que os cozinheiros domésticos enfrentam não é o trabalho enfadonho de fazer compras, a tarefa de picar ou a bagunça de lavar a louça. Aplicativos de entrega It & # 8217s.

O que ele chama de uberização da indústria de alimentos levou famílias cansadas a pedirem o jantar para entrega ou coleta. “Nunca foi tão fácil corrigir esse desejo por comida com o clique de um botão”, disse ele.

Oliver espera inspirar os cozinheiros domésticos com seu 24º livro, “7 Ways”, que ele chama de seu livro de receitas mais voltado para o leitor até então. Ele promete sabor máximo com mínimo esforço.

“Se eu posso escrever uma receita que é deliciosa e dá a você muitas opções e entusiasmo e eu sei que você provavelmente já tem os ingredientes na sua geladeira, isso deve ser muito poderoso”, disse o chef inglês.

O livro surge durante uma pandemia global, e Oliver espera que ele ofereça mais opções aos cozinheiros domésticos sitiados. Ele observa que as vendas de utensílios de cozinha e produtos de panificação dispararam.

“Se você cozinhar do zero, as chances de economizar dinheiro são enormes”, disse ele. “Até mesmo os itens baratos para viagem são muito caros quando você o compra para quatro pessoas. & # 8221

Para escrever o livro, Oliver se debruçou sobre resmas de dados para encontrar os 3.000 itens alimentares mais comuns. Ele resumiu a lista a 18 ingredientes-chave - ou heróis -, incluindo peito de frango, salmão, camarão e batatas.

Ele então desenvolveu sete novas receitas para destacar cada um dos 18 heróis. Para o salmão, há tacos e um menino po & # 8217. Para os ovos, ele ganhou uma fritada de inspiração indiana e bolinhos de ovo. Para cogumelos, há um risoto, uma sopa e um refogado de carne.

Ele também olhou para os pratos de comida para viagem mais populares e tentou reproduzir seu sabor. Ele os chama de “fakeaways” e há dezenas de receitas - incluindo porco agridoce, macarrão de camarão picante e uma pizza de linguiça.

“Vou tentar escrever uma receita que pode fazer com que você experimente. E, em última análise, é disso que se trata: tentar manter vivas as habilidades culinárias ”, disse ele.

Oliver se tornou um nome conhecido por promover alimentos sustentáveis ​​e saudáveis ​​desde que estrelou "The Naked Chef" da BBC, no qual ele reduziu a comida ao essencial, usando ingredientes e técnicas simples. Mais tarde, ele se familiarizou com o público norte-americano com programas da Food Network, como "Jamie em casa".

Em “7 Ways”, Oliver limitou o número de ingredientes necessários aos cozinheiros domésticos para cada prato e experimentou novas ideias, informadas por muitos consumidores que disseram estar presos na rotina de alimentos.

“Estou tentando representar diferentes métodos de cozimento, diferentes custos e diferentes cores, diferentes perfis de sabor”, disse ele. “Uma das minhas tarefas neste livro foi tentar ajudar a celebrar o ingrediente, mas quebrar a monotonia do mesmo prato todas as semanas.”

Os dados mostraram algumas coisas interessantes, como que a batata-doce e o abacate eram mais populares do que se pensava inicialmente. Mais abacates foram vendidos no Reino Unido do que laranjas no ano passado, e Oliver faz mais do que fatiá-los em uma salada: ele faz uma holandesa de abacate, uma tempura de abacate e assa abacates com camarão.

Ele também lida com um vegetal notoriamente difícil - a berinjela ou berinjela na Grã-Bretanha. Ele ocupa o centro do palco como um dos 18 heróis, ao lado da carne bovina e do frango.

“Nós meio que descobrimos o que fazer com as batatas de várias maneiras maravilhosas. Nunca descobrimos realmente o que diabos fazer com as beringelas ”, disse ele. “O que tentei fazer naquele capítulo é como você pode cozinhá-los de forma que a pele fique crocante e a carne cremosa, como você pode cozinhá-los no vapor ou usá-los em um ragu ou usá-lo para fazer camadas de coisas bonitas.”

Uma coisa que Oliver gradualmente se aqueceu é incluir alguns ingredientes pré-fabricados, como pesto em jarras ou pasta de curry, e às vezes inclinar-se sobre vegetais congelados.

“Eu nunca teria feito isso sete anos atrás. Eu tive que superar sozinho ", disse ele, rindo. “Também existe um pouco de ego na cozinha. Eu tento controlar o meu. ”

Oliver é um realista. “Eu gostaria de viver em um mundo onde todos tivessem tempo para fazer sua própria pasta”, disse ele. Em seguida, acrescentou: "Você sabe, ervilhas congeladas são muito melhores do que ervilhas frescas nove em cada dez vezes."


Esqueça aplicativos de entrega. Use esse tempo de quarentena para mergulhar no novo livro de receitas de Jamie Oliver

Jamie Oliver sabe que um dos maiores obstáculos que os cozinheiros domésticos enfrentam não é o trabalho enfadonho de fazer compras, a tarefa de cortar ou a bagunça de lavar a louça. São aplicativos de entrega.

O que ele chama de uberização da indústria de alimentos levou famílias cansadas a pedirem o jantar para entrega ou coleta. “Nunca foi tão fácil corrigir esse desejo por comida com o clique de um botão”, disse ele.

Oliver espera inspirar os cozinheiros domésticos com seu 24º livro, “7 Ways”, que ele chama de seu livro de receitas mais voltado para o leitor até então. Ele promete sabor máximo com mínimo esforço.

“Se eu posso escrever uma receita que é deliciosa e dá a você muitas opções e entusiasmo e eu sei que você provavelmente já tem os ingredientes na sua geladeira, isso deve ser muito poderoso”, disse o chef inglês.

O livro surge durante uma pandemia global, e Oliver espera que ele ofereça mais opções aos cozinheiros domésticos sitiados. Ele observa que as vendas de utensílios de cozinha e produtos de panificação dispararam.

“Se você cozinhar do zero, as chances de economizar dinheiro são enormes”, disse ele. “Até mesmo itens baratos são muito caros quando você o compra para quatro pessoas.”

Para escrever o livro, Oliver estudou resmas de dados para encontrar os 3.000 itens alimentares mais comuns. Ele resumiu a lista a 18 ingredientes-chave - ou heróis -, incluindo peito de frango, salmão, camarão e batatas.

Ele então desenvolveu sete novas receitas para destacar cada um dos 18 heróis. Para o salmão, há tacos e um po 'boy. Para os ovos, ele tem uma fritada de inspiração indiana e bolinhos de ovo. Para cogumelos, há um risoto, uma sopa e um refogado de carne.

Ele também olhou para os pratos de comida para viagem mais populares e tentou reproduzir seu sabor. Ele os chama de “fakeaways” e há dezenas de receitas - incluindo porco agridoce, macarrão de camarão picante e uma pizza de linguiça.

“Vou tentar escrever uma receita que pode fazer com que você experimente. E, em última análise, é disso que se trata: tentar manter vivas as habilidades culinárias ”, disse ele.

Oliver se tornou um nome conhecido por promover alimentos sustentáveis ​​e saudáveis ​​desde que estrelou "The Naked Chef" da BBC, no qual ele reduziu a comida ao essencial, usando ingredientes e técnicas simples. Mais tarde, ele se familiarizou com o público norte-americano com programas da Food Network, como "Jamie em casa".

Em “7 Ways”, Oliver limitou o número de ingredientes necessários aos cozinheiros domésticos para cada prato e experimentou novas ideias, informadas por muitos consumidores que disseram estar presos na rotina de alimentos.

“Estou tentando representar diferentes métodos de cozimento, diferentes custos e diferentes cores, diferentes perfis de sabor”, disse ele. “Uma das minhas tarefas neste livro foi tentar ajudar a celebrar o ingrediente, mas quebrar a monotonia do mesmo prato todas as semanas.”

Os dados mostraram algumas coisas interessantes, como que a batata-doce e o abacate eram mais populares do que se pensava inicialmente. Mais abacates foram vendidos no Reino Unido do que laranjas no ano passado, e Oliver faz mais do que cortá-los em uma salada: ele faz uma holandesa de abacate, uma tempura de abacate e assa abacates com camarão.

Ele também lida com um vegetal notoriamente difícil - a berinjela ou berinjela na Grã-Bretanha. Ele ocupa o centro do palco como um dos 18 heróis, ao lado da carne bovina e do frango.

“Nós meio que descobrimos o que fazer com as batatas de várias maneiras maravilhosas. Nunca descobrimos realmente o que diabos fazer com as beringelas ”, disse ele. “O que tentei fazer naquele capítulo é como você pode cozinhá-los de forma que a pele fique crocante e a carne cremosa, como você pode cozinhá-los no vapor ou usá-los em um ragu ou usá-lo para fazer camadas de coisas bonitas.”

Uma coisa que Oliver gradualmente se aqueceu é incluir alguns ingredientes pré-fabricados, como pesto em jarras ou pasta de curry, e às vezes inclinar-se sobre vegetais congelados.

“Eu nunca teria feito isso sete anos atrás. Eu mesmo tive que superar ”, disse ele, rindo. “Também existe um pouco de ego na cozinha. Eu tento controlar o meu. ”

Oliver é um realista. “Eu gostaria de viver em um mundo onde todos tivessem tempo para fazer sua própria pasta”, disse ele. Em seguida, acrescentou: "Você sabe, ervilhas congeladas são muito melhores do que ervilhas frescas nove em cada dez vezes."


Não faça pedidos. Mergulhe no novo livro de receitas de Jamie Oliver e # 8217s

NOVA YORK (AP) - Jamie Oliver sabe que um dos maiores obstáculos que os cozinheiros domésticos enfrentam não é o trabalho enfadonho de fazer compras, a tarefa de picar ou a bagunça de lavar a louça. Aplicativos de entrega It & # 8217s.

O que ele chama de uberização da indústria de alimentos levou famílias cansadas a pedirem o jantar para entrega ou coleta. “Nunca foi tão fácil corrigir esse desejo por comida com o clique de um botão”, disse ele.

Oliver espera inspirar os cozinheiros domésticos com seu 24º livro, “7 Ways”, que ele chama de seu livro de receitas mais voltado para o leitor até o momento. Ele promete sabor máximo com mínimo esforço.

“Se eu posso escrever uma receita que é deliciosa e dá a você muitas opções e entusiasmo e eu sei que você provavelmente já tem os ingredientes na sua geladeira, isso deve ser muito poderoso”, disse o chef inglês.

O livro surge durante uma pandemia global, e Oliver espera que ele ofereça mais opções aos cozinheiros domésticos sitiados. Ele observa que as vendas de utensílios de cozinha e produtos de panificação dispararam.

“Se você cozinhar do zero, as chances de economizar dinheiro são enormes”, disse ele. “Até mesmo os delivery baratos são muito caros quando você o compra para quatro pessoas. & # 8221

Para escrever o livro, Oliver se debruçou sobre resmas de dados para encontrar os 3.000 itens alimentares mais comuns. Ele resumiu a lista a 18 ingredientes-chave - ou heróis -, incluindo peito de frango, salmão, camarão e batatas.

Ele então desenvolveu sete novas receitas para destacar cada um dos 18 heróis. Para o salmão, há tacos e um menino po & # 8217. Para os ovos, ele ganhou uma fritada de inspiração indiana e bolinhos de ovo. Para cogumelos, há um risoto, uma sopa e um refogado de carne.

Ele também olhou para os pratos para viagem mais populares e tentou reproduzir seu sabor. Ele os chama de “fakeaways” e há dezenas de receitas - incluindo carne de porco agridoce, macarrão de camarão picante e uma pizza de linguiça.

“Vou tentar escrever uma receita que pode fazer com que você experimente. E, em última análise, é disso que se trata: tentar manter vivas as habilidades culinárias ”, disse ele.

Oliver has become a household name for promoting sustainable and healthy foods since starring in BBC’s “The Naked Chef,” in which he stripped food down to its essentials, using simple ingredients and techniques. He later became familiar to North American audiences with Food Network shows like “Jamie at Home.”

In “7 Ways,” Oliver has capped the number of ingredients home cooks need for each dish at eight, and tried new ideas, informed by many consumers who said they were stuck in food ruts.

“I’m trying to represent different cooking methods, different costs and different color, different flavor profiles,” he said. “One of my jobs in this book was to try and help celebrate the ingredient, but break the monotony of the same old dish every week.”

The data showed some interesting things, like that sweet potato and avocado were more popular than initially thought. More avocados were sold in the UK than oranges last year, and Oliver does more than slice them into a salad: He makes an avocado hollandaise, an avocado tempura, and bakes avocados with shrimp.

He also tackles a notoriously difficult vegetable — the eggplant, or aubergine in Britain. It takes center stage as one of the 18 heroes, alongside beef and chicken.

“We kind of worked out what to do with potatoes in lots of wonderful ways. We never really found out what the bloody hell to do with aubergines,” he said. “What I tried to do in that chapter is look at how you can cook them so the skin is crispy and the flesh is creamy, how you can steam them or use them in a ragu or use it to layer up beautiful things.”

One thing that Oliver has gradually warmed up to is including some pre-made ingredients, like jarred pesto or curry paste, and sometimes leaning on frozen vegetables.

“I never would’ve done it seven years ago. I’ve had to get over myself,” he said, laughing. “There’s a bit of ego in cooking as well. I try and control mine.”

Oliver is a realist. “I wish I lived in a world where everyone had the time to make their own paste,” he said. Then added: “You know, frozen peas are way better than fresh peas nine times out of 10.”

Mark Kennedy is at http://twitter.com/KennedyTwits

Copyright © 2021 The Associated Press. Todos os direitos reservados. This material may not be published, broadcast, written or redistributed.


British chef Jamie Oliver releases his new cookbook

Jamie Oliver knows one of the biggest obstacles home cooks face isn't the drudgery of shopping, the chore of chopping or the mess of washing up. Its delivery apps.

What he calls the Uber-ization of the food industry has led to tired families just ordering dinner for delivery or pickup. "It&rsquos never been easier to fix that urge for food at the click of a button,&rdquo he said.

Oliver is hoping to inspire home cooks with his 24th book, "7 Ways,&rdquo which he calls his most reader-focused cookbook yet. He promises maximum flavor for minimum effort.

"If I can write a recipe that&rsquos delicious and gives you lots of choice and excitement and I know you&rsquove probably got the ingredients in your fridge already, that has to be pretty powerful,&rdquo the English chef said.

The book comes during a global pandemic, and Oliver hopes it offers beleaguered home cooks more options. He notes that sales of cooking utensils and baking products have soared.

"If you cook from scratch yourself, the chances of you saving money is huge,&rdquo he said. "Even cheap takeaways are pretty expensive when you&rsquore buying it for four people."

To write the book, Oliver pored over reams of data to find the 3,000 most common food items. He boiled down the list to 18 key - or hero - ingredients, including chicken breast, salmon, shrimp and potatoes.

He then developed seven new recipes to highlight each of the 18 heroes. For the salmon, there's tacos and a po' boy. For eggs, he's got an Indian-inspired frittata and eggy crumpets. For mushrooms, there's a risotto, a soup and a beef stir-fry.

Jamie Oliver appears at the Gusto launch event at the TIFF Bell Lightbox in Toronto, Canada. File/AP

He also looked at the most popular takeout dishes and tried to replicate their taste. He calls them "fakeaways&rdquo and there's dozens of recipes.

"I&rsquoll try and write a recipe that can lure you into having a go. And ultimately, that&rsquos what it&rsquos all about: trying to keep cooking skills alive,&rdquo he said.

Oliver has become a household name for promoting sustainable and healthy foods since starring in BBC&rsquos "The Naked Chef,&rdquo in which he stripped food down to its essentials, using simple ingredients and techniques. He later became familiar to North American audiences with Food Network shows like "Jamie at Home.&rdquo

In "7 Ways,&rdquo Oliver has capped the number of ingredients home cooks need for each dish at eight, and tried new ideas, informed by many consumers who said they were stuck in food ruts.

"I&rsquom trying to represent different cooking methods, different costs and different color, different flavor profiles,&rdquo he said. "One of my jobs in this book was to try and help celebrate the ingredient, but break the monotony of the same old dish every week.&rdquo

The data showed some interesting things, like that sweet potato and avocado were more popular than initially thought. More avocados were sold in the UK than oranges last year, and Oliver does more than slice them into a salad: He makes an avocado hollandaise, an avocado tempura, and bakes avocados with shrimp.

He also tackles a notoriously difficult vegetable - the eggplant, or aubergine in Britain. It takes center stage as one of the 18 heroes, alongside beef and chicken.

"We kind of worked out what to do with potatoes in lots of wonderful ways. We never really found out what the bloody hell to do with aubergines,&rdquo he said. "What I tried to do in that chapter is look at how you can cook them so the skin is crispy and the flesh is creamy, how you can steam them or use them in a ragu or use it to layer up beautiful things.&rdquo

One thing that Oliver has gradually warmed up to is including some pre-made ingredients, like jarred pesto or curry paste, and sometimes leaning on frozen vegetables.

"I never would&rsquove done it seven years ago. I&rsquove had to get over myself,&rdquo he said, laughing. "There&rsquos a bit of ego in cooking as well. I try and control mine.&rdquo

Oliver is a realist. "I wish I lived in a world where everyone had the time to make their own paste,&rdquo he said. Then added: "You know, frozen peas are way better than fresh peas nine times out of 10.&rdquo


Austrian torn, fluffy pancake

A month ago, I made kaiserschmarrn, a shredded pancake, for my kids for a weekend breakfast at the suggestion of my neighbor (coincidentally the partner of the neighbor who challenged me to make dutch apple pie, and thus definitely someone with good taste). It was, as predicted, delicious, and as it’s the year 2019, I posted a photo of it on Instagram Stories in the moments before my children demolished it. It was only then, through an avalanche of DMs, that I learned how deeply beloved it is.



Here’s a small sampling of responses:
“You made Kaiserschmarrn. & # 8221
“This is Austrian!” “This is German!” “This is Czech!” “We make this in Hungary!”
“Looks spot on, just like the ones I had in Salzburg many years ago!”
“We eat this for dessert!”
“This is Christmas breakfast every year with tart jam and pureed plums!”
“We call this Emporer’s Mess.” [Apparently Franz Joseph I was very fond of it.]
“Besides apple strudel, traditional Kaiserschmarrn is one of the most famous and iconic Austrian dishes.”
“If you order it at any Austrian restaurant, it’s almost guaranteed to come with stewed plums (zwetschkenröster) and/or applesauce.”
“It’s best when cooked in butterschmalz [clarified butter or ghee].”
“I hope you skipped the rum soaked raisins — yuck.” But also: “You forgot the rum-soaked raisins!” [I didn’t but found them distracting.]
“Tip: Kaiserschmarrn is perfect when it’s still a bit creamy inside.”

To try it is to understand why. The batter is simple, close to that of a crepe or dutch baby, but you whip the egg whites separately and fold them in at the end, resulting in a puffy butter-fried mega-pancake. But wait, there’s more! You then shred, tear, or chop it into bite-sized pieces and continue to fry it until each is a glorious golden-edged, custardy-centered nugget. It’s finished with a drift of powdered sugar and served with tart fruit compote (I tried my hand at plum below) or applesauce and is a dream of a weekend breakfast. It could also be dessert. It could also be lunch, which is how my neighbor has been enjoying it. Mostly, I love the way it seems simple but feels a bit festive, just like I hope all of our weekends ahead are.

Anteriormente

Austrian Shredded Pancake (Kaiserschmarrn)

  • Porções: 2 as a main or 4 as part of a spread
  • Tempo: 25 minutos
  • Fonte: Smitten Kitchen
  • 1/2 cup (75 grams) raisins (optional)
  • 2 tablespoons (30 ml) fruit juice or rum (only if using raisins)
  • 4 large eggs, separated
  • 2 tablespoons (25 grams) granulated sugar
  • 1/4 colher de chá de sal kosher
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • 3/4 cup (100 grams) all-purpose flour
  • 1/2 cup (120 ml) milk, any kind
  • 2 to 3 tablespoons (30 to 40 grams) unsalted butter or ghee (clarified butter)
  • Açúcar em pó
  • Jam, applesauce or another fruit sauce, or stewed plums/plum compote (recipe below) to serve

Make batter: In a large bowl, whisk together egg yolks, sugar, salt, and baking powder. Whisk in milk, then flour, whisking just until mostly smooth. (A few tiny lumps proved inconsequential.) Let rest for 10 minutes. Meanwhile, in a second (medium-large) bowl or the bowl of an electric stand mixer, beat egg whites until they hold firm peaks. Fold into egg yolk mixture, trying not to deflate the egg whites. Gently fold in raisins, if using.

Cook pancake: Heat a medium-large skillet (10″ to 12″) over medium heat. Add 2 tablespoons butter or ghee and let warm. Pour batter into pan and spread smooth. Cook for 3 to 4 minutes, lifting an edge to peek occasionally, until it’s a deep golden brown underneath reduce the heat if it’s browning very quickly. If you feel like you can pull off flipping it in one piece, go for it. I cannot and loosen the edges to slide it onto a large plate. With a potholder on each hand, invert empty frying pan over pancake and plate, grab both together tightly, and quickly flip the pancake back into the pan. Continue cooking until deeply golden underneath on the second side, about 3 minutes.

Shred/tear pancake: There are two ways to do this: You can use two forks or the edge of a sharp spatula to tear/chop the pancake into 1″ to 2″ pieces right in the skillet. However, I prefer to slide it back onto the plate I just used to flip the pancake and chop it there. This allows me to melt another tablespoon of butter in the pan for extra-buttery and lightly crisp edges in the final pancake. Return pancake shreds and any batter that has spilled out — it’s supposed to still be very runny in the center at this point — to the skillet and cook, stirring, until pancake shreds are mostly but not fully cooked through. A custardy center in each bite is ideal.

Servir: Scrape pancake shreds onto plate and sprinkle generously — and I mean generously — with powdered sugar. Serve with lemon wedges, jam, a fruit sauce (applesauce is a popular accompaniment), fresh berries or as shown, with stewed plums/plum compote (zwetschgenröster), directions below. Eat right away.


A microwavable egg-cooking cup

Growing up, this was the kitchen tool each of us kids coveted. The Micro Egg Microwave Egg Cooking Cup can make soft-boiled eggs in 30 seconds and hard-boiled eggs in 50 seconds. If you want to make an eggs Benedict quickly or just have a good standalone egg fast, this is pretty much as easy as it gets. It's dishwasher safe and extremely inexpensive, so you might want to stock up on a few in case your token one happens to be in the wash when you need it.