Novas receitas

Estas foram as 10 maiores notícias sobre alimentos de 2018 - de acordo com uma pesquisa nacional

Estas foram as 10 maiores notícias sobre alimentos de 2018 - de acordo com uma pesquisa nacional


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

E a história principal era mais sobre o meio ambiente.

A pesquisa, que foi conduzida online entre 25 e 30 de outubro (pode ser porque a alface não está no topo), perguntou a 1.001 adultos americanos sobre as notícias de comida que chegaram às manchetes nos últimos 12 meses. Trinta e cinco por cento dos entrevistados disseram que as notícias sobre nutrição eram "muito importante"para eles, um aumento de 26% em 2017.

Mantenha-se atualizado sobre o que significa saudável agora.

Assine nosso boletim diário para mais artigos excelentes e receitas deliciosas e saudáveis.

Da Starbucks à American Airlines, os consumidores ouviram anúncios de muitas grandes marcas e redes que prometiam eliminar os canudos de plástico de seus negócios, trazendo muita atenção para uma causa ambiental. É a primeira vez que uma questão ambiental lidera os resultados da pesquisa, que a agência de relações públicas publica anualmente desde 2003.

A alface romana lembra que ficou em terceiro lugar na lista, logo após a Dunkin 'Donuts oficialmente mudar seu nome para apenas "Dunkin'" (eles também decidiram começar a fazer marketing para compradores preocupados com a saúde em 2018), o que conquistou o não. 2 pontos.

Mais das principais notícias de 2018:

Mas como as pessoas consumiram essa notícia? De acordo com a pesquisa, a TV continua sendo a principal fonte, com 45% afirmando que aprendem assistindo à televisão. As mídias sociais e sites foram responsáveis ​​por 31% das respostas.

A pesquisa também perguntou aos adultos se eles postavam imagens de comida - seja ela pedida em um restaurante ou feita em casa - em suas contas de mídia social. Quase 47 por cento dos entrevistados dizem que sim.

Você não ficará surpreso em ouvir isso Cozinhar luz não cobriu algumas das histórias da lista completa dos dez primeiros - como o lançamento do Mayochup de Heinz. Mas estamos postando a lista completa aqui (com links para os que cobrimos!) Para os interessados.

As 10 principais notícias de alimentos de 2018, de acordo com a pesquisa:

Estamos empolgados para cobrir mais notícias de comida, pois isso afetará cozinheiros domésticos e compradores em 2019. Para saber as últimas notícias de Cozinhar luz, siga-nos nas redes sociais e inscreva-se para receber as nossas newsletters aqui mesmo.


Melhores e piores restaurantes fast-food da América

Os americanos estão gastando mais do que nunca para jantar fora - chegando a US $ 680 bilhões por ano. E eles estão exigindo mais pelo seu dinheiro, fast food de melhor qualidade e maior variedade do que pode ser encontrado em titãs como Burger King, KFC e McDonald's. (Verifique nosso guia de compras e classificações de restaurantes fast-food e olhe nosso gripe-o-meter para ver o que incomoda os americanos quando jantam fora.)

Isso é de acordo com a última pesquisa de fast-food da Consumer Reports. Depois de devorar 96.208 refeições em 65 redes, nossos leitores nos disseram que a qualidade da comida se tornou mais importante em suas decisões de jantar, e a conveniência da localização é menos importante do que em nosso relatório de 2011. Eles podem ser os motivos pelos quais as cadeias de fast-food tradicionais estão perdendo sua vantagem: Os clientes, especialmente os adultos mais jovens na geração do milênio, podem estar mais dispostos a sair de seu caminho para obter uma refeição saborosa.

Os restaurantes fazem parte da estrutura social da geração do milênio, e eles optam por gastar menos nas refeições para que possam comer fora com mais frequência, diz Darren Tristano, vice-presidente executivo da Technomic, uma empresa de consultoria e pesquisa de serviços alimentícios. “O jantar casual rápido em lugares como Chipotle e Panda Express permite que o consumidor oriente a equipe para preparar sua refeição do jeito que gosta”, acrescenta. Em contraste, ele diz que muitas das cadeias tradicionais estão atrasadas em oferecer ingredientes de alta qualidade. Redes como Chipotle, Noodles & Company e Panera estão oferecendo até carne produzida sem o uso de antibióticos na alimentação animal, um atrativo para muitos consumidores preocupados com a saúde.

Depois de passar pelos grandes, você encontrará muitos restaurantes regionais e nacionais (definidos como operando em seis ou mais estados). Alguns dos melhores são In-N-Out Burger, Jason’s Deli, Papa Murphy’s Take 'N' Bake Pizza, Portillo’s Hot Dogs e The Habit Burger Grill. Nossa pesquisa também revela os restaurantes com os melhores e piores pratos exclusivos. (Alerta de spoiler: você pode ficar chocado com o que os leitores disseram sobre os hambúrgueres do McDonald's.)

E o café da manhã é um novo campo de batalha do fast-food, com mais redes oferecendo refeições, incluindo a Taco Bell, que lançou o Waffle Taco para enfrentar os McGriddles do McDonald’s. Dê uma olhada em nossa batalha dos sanduíches de café da manhã.

Aqui você encontrará nossas versões sobre hambúrgueres, burritos, frango, sanduíches e sanduíches, bem como uma lista das alternativas favoritas dos leitores para fast food.

Verifique nosso relatório sobre tarifa de fast food que não é perfeita. Se preferir comer o que cozinha em casa, aprenda a ser um comprador de supermercado mais esperto.


O aborto foi a principal causa de morte & # 8216 & # 8217 em 2018?

Em 31 de dezembro de 2018, o site Breitbart.com relatou sob o título “Aborto principal causa de morte em 2018 com 41 milhões de mortos” que “houve cerca de 41,9 milhões de abortos realizados no decorrer do ano”, tornando o aborto “o número uma causa de morte em todo o mundo em 2018, com mais de 41 milhões de crianças mortas antes do nascimento. ”

Esse artigo gerou uma onda de relatórios semelhantes em vários outros sites, a maioria dos quais se referia ao artigo de Breitbart, que se baseava em uma figura recolhida de Worldômetros, uma ferramenta em tempo real que "analisa os dados disponíveis, realiza análises estatísticas e constrói nosso algoritmo [para alimentar nossas] estimativas em tempo real. ” Worldômetros afirmam que seus números de aborto se referem a abortos induzidos (em oposição a abortos espontâneos), e que:

Os dados sobre abortos exibidos no contador dos Worldômetros são baseados nas estatísticas mais recentes sobre abortos em todo o mundo publicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a OMS, a cada ano no mundo ocorrem cerca de 40-50 milhões de abortos. Isso corresponde a aproximadamente 125.000 abortos por dia.

No entanto, o número mais recente de abortos da OMS que pudemos localizar datava de 2014 e era um pouco maior do que a contagem dos Worldômetros. A OMS estimou que entre 2010 e 2014, uma média de 56 milhões de abortos induzidos ocorreram em todo o mundo a cada ano.

Se a estimativa da OMS de 56 milhões de abortos anuais se mantivesse estável até 2016, quando eles divulgaram sua pesquisa sobre as dez principais causas de morte em todo o mundo, seria verdade que o número de abortos em todo o mundo superou o número total de mortes por doença cardíaca e derrame, os dois primeiros causas de morte naquele ano. Em 2016, a doença isquêmica do coração e o acidente vascular cerebral mataram um total de 15,2 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a OMS, observando que “Essas doenças permaneceram as principais causas de morte em todo o mundo nos últimos 15 anos”:

Podemos inferir das estatísticas da OMS que a diferença entre o número de abortos em todo o mundo e o número de mortes por doenças cardíacas e derrame em todo o mundo não é uma nova dinâmica, embora as histórias virais que proclamam que os abortos “agora” superam as mortes por outras causas impliquem esse fato é um desenvolvimento recente.

Afirmar que o aborto é a “principal causa de morte” em todo o mundo (em oposição a um procedimento médico) é um pronunciamento problemático, porque essa postura assume uma posição política, que está em desacordo com o mundo científico / médico. A comunidade médica não confere personalidade a fetos que não são viáveis ​​fora do útero, então contar o aborto como uma "causa de morte" não se alinha com as práticas de organizações de saúde como a OMS e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) , como Heather Boonstra, diretora de políticas públicas da organização de pesquisa em saúde reprodutiva Guttmacher Institute, nos disse:

O aborto é um procedimento médico legal e protegido pela constituição nos Estados Unidos. Não é considerado uma causa de morte pelo CDC, OMS e outras autoridades importantes, e as estatísticas sobre o aborto induzido foram excluídas das estatísticas nacionais de morte fetal do CDC.

As arenas legal, filosófica, religiosa e científica não fornecem respostas definitivas sobre quando a pessoalidade começa. Os avanços médicos continuam a empurrar o estágio em que um feto pode ser considerado viável fora do útero, como Com fio relatado em 2015:

Quando a vida começa, é claro, a discordância central que alimenta a controvérsia sobre o aborto. Ataques ao direito ao aborto são agora mais velados e indiretos - como vídeos secretos apontando para doações de tecido fetal da Planned Parenthood ou a legislação estadual que torna a operação de clínicas de aborto tão onerosa que elas precisam fechar. Mas não se engane, a questão final é: quando um feto se torna uma pessoa - na fertilização, no nascimento ou em algum ponto intermediário?

Aqui, a ciência moderna não oferece clareza. Na verdade, o século passado de avanços científicos apenas tornou a resposta mais complicada. Conforme os cientistas examinaram os úteros com ultrassom e olharam diretamente para o esperma entrando em um óvulo, eles descobriram que todas as linhas brilhantes que pensavam que existiam se dissolviam.

Concluindo uma entrada sobre o tópico, o RationalWiki cita o biólogo do desenvolvimento Scott Gilbert ao dizer que “A entidade criada pela fertilização é de fato um embrião humano e tem o potencial de ser humano adulto. Se esses fatos são suficientes para conferir-lhe personalidade é uma questão influenciada pela opinião, filosofia e teologia, ao invés da ciência. ”

Embora a decisão da Suprema Corte dos EUA no marco de 1973 Roe. v. Wade caso sustentou que a regulamentação estatal indevidamente restritiva do aborto era inconstitucional, a personalidade fetal continua sendo uma questão legal e não meramente filosófica abstrata. Enquanto o New York Times relatado, a promulgação de estatutos de personalidade fetal em alguns estados resultou na acusação de mulheres por circunstâncias que encerraram ou colocaram em risco sua gravidez:

Você pode se surpreender ao saber que, nos Estados Unidos, uma mulher que enfrenta o sofrimento de perder a gravidez também pode enfrentar a pena de prisão. Digamos que ela sofreu um acidente de carro em Nova York ou deu à luz um natimorto em Indiana: Nesses casos, as mulheres foram acusadas de homicídio culposo.

Na verdade, um feto não precisa morrer para que o estado acuse uma mulher grávida de um crime. Mulheres que caíram da escada, que comeram um bagel de semente de papoula e não passaram em um teste de drogas ou que tomaram drogas legais durante a gravidez - medicamentos prescritos por seus médicos - foram acusadas de colocar seus filhos em perigo.

Então, o que motiva esses processos? A realidade é que, em muitos casos, essas mulheres são um dano colateral na luta pelo aborto. À medida que o debate jurídico sobre o direito da mulher de interromper a gravidez se intensificou, também se intensificou a insistência de grupos antiaborto para que óvulos e fetos fertilizados tenham direitos plenos e a proteção da lei - um argumento jurídico extremo com poucos precedentes nos Estados Unidos lei antes da década de 1970.

Frustrados com a decisão Roe v. Wade que legalizou o aborto, muitos no movimento antiaborto esperam uma reversão radical sob uma Suprema Corte conservadora - uma que bloquearia o acesso ao aborto mesmo em estados que protegem o acesso das mulheres a esses serviços de saúde.

Organização Mundial da Saúde. “Prevenindo o aborto inseguro.”
19 de fevereiro de 2018.


Como a Covid-19 mudou o que a Irlanda come e cozinha

Os irlandeses estão cozinhando mais em casa e do zero com ingredientes frescos, desde o início da Covid19, e a forma como compramos comida, cozinhamos e comemos mudou significativamente, de acordo com uma pesquisa internacional conduzida pela Queen's University Belfast e National University of Ireland Galway.

A pesquisadora-chefe, Dra. Fiona Lavelle, do Instituto para Segurança Alimentar Global (IGFS) do Queen's, diz: “Antes da pandemia, cozinhamos cada vez menos. A pesquisa sugere um declínio em andamento na comida caseira, habilidades culinárias e confiança em vários países, incluindo Reino Unido, EUA, Canadá e Austrália. As agências de saúde pública estão promovendo cada vez mais o cozimento do zero por causa de sua conexão com dietas melhores. No entanto, a falta de tempo restringiu a capacidade das pessoas de usar essas habilidades culinárias e alimentares. ”

A pesquisa de maio a junho de 2020, quando muitos países estavam sob alguma forma de bloqueio, usou uma amostra de 2.360 adultos em quatro regiões - a ilha da Irlanda, Grã-Bretanha, EUA e Nova Zelândia. Isso mostra que a pandemia levou a uma mudança dramática nas práticas alimentares, diz Lavelle, incluindo a liberação de tempo para o preparo dos alimentos.

As descobertas para a ilha da Irlanda incluem uma redução significativa no uso de ingredientes prontos para preparar o jantar, em favor de ingredientes mais frescos ou básicos, em comparação com as outras três regiões.

Os irlandeses também reduziram a frequência de refeições para viagem (o Dr. Lavelle aponta que a pesquisa estava no início da pandemia e possivelmente devido a menos opções de comida para viagem). Também jogamos fora menos alimentos na Irlanda desde a pandemia em comparação com as outras três regiões pesquisadas, uma redução significativa no desperdício de alimentos.

A pesquisa confirma o que sabemos de forma anedótica, que estamos assando mais, mas, curiosamente, também diz que aqueles que vivem na Irlanda e na Grã-Bretanha tiveram uma dificuldade significativamente maior para encontrar ingredientes em comparação com as outras regiões.

Relacionado

Este conteúdo foi bloqueado devido às suas preferências de cookies. Para visualizá-lo, altere suas configurações e atualize a página

A pesquisa descobriu que muitas pessoas em todo o mundo eram culpadas de compras em massa, especialmente no início da pandemia, o que pode deixar os mais vulneráveis ​​em falta e colocar pressão sobre o sistema alimentar.

Ingestão de gordura saturada

Embora os irlandeses tenham comido mais vegetais desde março, também houve um aumento na ingestão de gordura saturada, que foi maior na Irlanda do que em outras áreas.

Os entrevistados irlandeses aumentaram o que é chamado de práticas alimentares organizacionais (coisas como planejar com antecedência, fazer compras com uma lista de compras e manter o básico no armário), o que ajuda a reduzir o tempo nos supermercados e a cumprir os orçamentos alimentares. Mas tanto a Irlanda quanto a Nova Zelândia, talvez devido a restrições mais rígidas e ao tempo, não aumentaram suas práticas de gerenciamento de alimentos (preparação com antecedência e cozimento em lote e congelamento), embora possam se tornar mais relevantes à medida que o tempo é reduzido novamente, diz o Dr. Lavelle .

A pesquisa foi liderada pelo Institute for Global Food Security em Queen's em parceria com St Angela’s College, Sligo (parte da National University of Ireland Galway). o descobertas, considerada a primeira pesquisa publicada em vários continentes sobre a mudança das práticas alimentares devido à Covid-19, foi publicada na revista Nutrients.

A amostra de 2.360 adultos na ilha da Irlanda, Grã-Bretanha, EUA e Nova Zelândia incluiu 538 na amostra irlandesa (com mais mulheres do que homens nesta amostra, devido às restrições de amostragem devido à Covid), recrutados por meio de mídias sociais e conexões de rede .

A pesquisa em geral descobriu que houve menos mudanças nos comportamentos alimentares nos EUA em comparação com as outras regiões e as diferenças mais marcantes entre as regiões ocorreram entre os EUA e outros lugares. Por exemplo, houve um aumento na ingestão de vegetais em todas as regiões, exceto nos EUA, e um aumento na frequência de comida caseira e assados ​​em todas as regiões, exceto nos EUA.

Algumas boas notícias

Os pais que cozinham (e assam) com os filhos aumentaram em todas as áreas, exceto nos Estados Unidos (curiosamente, os pais que incluíram seus filhos na preparação das refeições em família com maior frequência tiveram uma dieta de melhor qualidade). Por outro lado, um aumento na ingestão de gordura saturada foi visto em todos os lugares, exceto nos Estados Unidos.

O Dr. Lavelle disse: “Essas descobertas não só fornecem dados cruciais sobre como nossos comportamentos e sistemas alimentares se adaptaram à pandemia, mas também têm implicações importantes para a saúde pública à medida que continuamos a tentar gerenciar a Covid-19 com bloqueios e restrições contínuos. Queríamos descobrir que impacto a pandemia e os bloqueios estavam tendo na saúde das pessoas, mas também queríamos tentar encontrar uma maneira de medir o efeito nos sistemas alimentares globais.

“Felizmente, há boas notícias em nossas descobertas e muitas pessoas se beneficiaram por cozinhar mais em casa e comer uma variedade melhor de alimentos frescos. Mas também existem alguns sinais de alerta, como o aumento no consumo de gordura saturada, que pode ser reduzido para "comer confortavelmente" durante o bloqueio. É muito importante - especialmente durante uma pandemia, por razões óbvias - manter uma dieta nutritiva e equilibrada.

Foi interessante, disse ela, que cozinhar com as crianças aumentou, “o que é bom para as crianças - mas nosso estudo destacou os benefícios potenciais positivos para a qualidade da dieta dos pais também quando as crianças estavam envolvidas. Com bloqueios contínuos e talvez mais pessoas trabalhando em casa no futuro, acredito que incluir crianças nas atividades culinárias deve ser uma mensagem chave de saúde pública. ”


As 10 melhores batatas fritas fast food dos EUA, classificadas

Freqüentemente, as batatas fritas são consideradas o lado chato do fast food. Eles são a combinação perfeita para hambúrgueres, frangos, cachorros-quentes e quase todos os outros itens drive-thru que você possa imaginar. A maioria dos lugares dá o tratamento básico: tira, frita, sal, é isso. Mas alguns locais de fast food dão às batatas a atenção que elas merecem e elevam o Robin do fast food ao papel de Batman que merecem. Nenhuma peça lateral é mais perfeita para comer em qualquer lugar, e uma batata frita é a chave para uma experiência sólida de fast food. De todas aquelas batatas fritas por aí, essas são definitivamente as 10 melhores que se destacam em todo o país.

Ao considerar quais batatas crocantes pertenciam a esta lista, optou-se por batatas fritas em vez de toda a experiência (que é a única maneira que In-N-Out faz aqui, desculpe-vos). Tater tots, abobrinha frita e anéis de cebola não foram incluídos, uma vez que não são pedaços únicos de uma batata inteira. Além disso, foram considerados todos os temperos e tipos de batata frita (crespa, criss-cut, cunha, etc.). Dados de pesquisas, classificações anteriores e nossas próprias degustações foram usados ​​para fazer essas classificações acontecerem.


America & # 8217s Top Fears Pesquisa de American Fears 2018 da Chapman University

A pesquisa da Chapman University of American Fears Wave 5 (2018) oferece um exame aprofundado dos medos dos americanos comuns. Em junho de 2018, uma amostra aleatória de 1.190 adultos de todos os Estados Unidos foi questionada sobre seu nível de medo sobre 94 fenômenos diferentes, incluindo crime, governo, meio ambiente, desastres, ansiedades pessoais, tecnologia e muitos outros.

Os 10 principais medos de 2018

Abaixo está uma lista dos 10 medos para os quais a maior porcentagem de americanos relatou ser & # 8220Afraid, & # 8221 ou & # 8220Muito Medo. & # 8221

Dez principais medos de 2018 % Com medo ou muito medo
1. Funcionários públicos corruptos 73.6
2. Poluição dos oceanos, rios e lagos 61.6
3. Poluição da água potável 60.7
4. Não ter dinheiro suficiente para o futuro 57
5. Pessoas que amo ficarem gravemente doentes 56.5
6. Pessoas que amo morrendo 56.4
7. Poluição do ar 55.1
8. Extinção de espécies vegetais e animais 54.1
9. Aquecimento global e mudanças climáticas 53.2
10. Altas contas médicas 52.9

Corrupção governamental no topo da lista novamente

Pelo quarto ano consecutivo, o maior medo dos americanos são os funcionários públicos corruptos. E como nos quatro anos anteriores, o medo de que nosso governo seja corrupto excede em muito todos os outros sobre os quais perguntamos. Quase 3/4 dos americanos disseram ter medo ou muito medo de funcionários governamentais corruptos em 2018. Em comparação, o próximo nível mais alto de medo foi mais de 10 pontos abaixo de 61,6% (poluição de oceanos, rios e lagos).

Deixando de lado a corrupção no governo, nossa lista dos dez primeiros sugere que os americanos estão preocupados com medos de três tipos diferentes. Os americanos temem pelo meio ambiente (#s 2, 3, 7, 8, 9), temem que coisas ruins aconteçam a seus entes queridos (#s 5 e 6) e se preocupam com suas finanças (#s 4 e 10). Altos níveis de medo de que um ente querido fique doente (nº 5) e altas contas médicas (nº 10) também indicam que os cuidados de saúde continuam sendo uma preocupação primária dos americanos.

Medo na era de Trump

Agora temos dois anos de dados coletados sobre os medos americanos desde a eleição de Trump & # 8217s. A tabela abaixo apresenta as dez principais listas para 2016, 2017 e 2018. Desde 2016, há duas mudanças marcantes nos medos americanos.

Dez principais medos (2016-2018)
2016 2017 2018
1. Funcionários públicos corruptos (60,6%) Funcionários públicos corruptos (74,5%) Funcionários públicos corruptos (73,6%)
2. Ataque terrorista (41%) American Healthcare Act / Trumpcare (55,3%) Poluição de oceanos, rios e lagos (61,6%)
3. Não ter dinheiro suficiente para o futuro (39,9%) Poluição de oceanos, rios e lagos (53,1%) Poluição da água potável (60,7%)
4. Terrorismo (38,5%) Poluição da água potável (50,4%) Não ter dinheiro suficiente para o futuro (57%)
5. Controle de arma (38,5%) Não ter dinheiro suficiente para o futuro (50,2%) Pessoas que amo ficarem gravemente doentes (56,5%)
6. Pessoas que amo morrer (38,1%) Contas médicas altas (48,4%) Pessoas que amo morrer (56,4%)
7. Colapso econômico / financeiro (37,5%) Os EUA estarão envolvidos em outra Guerra Mundial (48,4%) Poluição do ar (55,1%)
8. Roubo de identidade (37,1%) Aquecimento global e mudanças climáticas (48%) Extinção de espécies vegetais e animais (54,1%)
9. Pessoas que amo ficarem gravemente doentes (35,9%) Coreia do Norte usa armas (47,5%) Aquecimento global e mudanças climáticas (53,2%)
10. The Affordable Health Care Act / Obamacare (35,5%) Poluição do ar (44,9%) Contas médicas altas (52,9%)

Medo crescente sobre o meio ambiente

Uma diferença marcante entre 2016 e 2017-2018 tem a ver com o meio ambiente. Desde a eleição de Trump & # 8217s, os americanos & # 8217 estão cada vez mais temerosos da poluição, do aquecimento global e de outros desastres ambientais. Nenhuma preocupação ambiental entrou na lista dos 10 principais em 2016. Em 2017, quatro dos dez principais temores estavam relacionados ao meio ambiente (#s 3, 4, 8 e 10). Em 2018, cinco dos dez principais medos eram de natureza ambiental (#s 2, 3, 7, 8 e 9).

Medo em alta

O grau de medo dos americanos, em geral, também parece estar aumentando.

Em 2016, o nível mais alto de medo relatado por nossos entrevistados foi para funcionários do governo corruptos em 60,6%. A partir daí, o medo caiu vertiginosamente, com o segundo lugar na lista em 2016 (ataque terrorista) caindo para 41% e o restante da lista dos dez primeiros em 2016 todos abaixo de 40%.

Em 2017, o principal medo (funcionários do governo corruptos) era de 74,5% e cinco dos dez principais temores foram expressos por mais da metade da população.

Em 2018, todos os dez principais temores eram sustentados por mais da metade dos americanos. Dito de outra forma, por ano, os dez principais temores variam de:

Os americanos estão ficando com mais medo.

A lista completa de medos, 2018

A seguir está uma lista completa de todos os medos abordados pela Pesquisa da Chapman University of American Fears Wave 5 (2018), classificada pela porcentagem de americanos que relataram ter medo ou muito medo.

Ordenado por Porcentagem com Medo / Muito Medo

Lista completa de medos (2018) % Com medo ou muito medo
1. Funcionários públicos corruptos 73.6
2. Poluição dos oceanos, rios e lagos 61.6
3. Poluição da água potável 60.7
4. Não ter dinheiro suficiente para o futuro 57
5. Pessoas que amo ficarem gravemente doentes 56.5
6. Pessoas que amo morrendo 56.4
7. Poluição do ar 55.1
8. Extinção de espécies vegetais e animais 54.1
9. Aquecimento global e mudanças climáticas 53.2
10. Altas contas médicas 52.9
11. Ciberterrorismo 52.5
12. Os EUA estarão envolvidos em outra guerra mundial 51.6
13. Extremistas islâmicos 49.3
14. Supremacistas brancos 49.3
15. Colapso econômico / financeiro 49.2
16. Roubo de identidade 46.6
17. Rastreamento corporativo de dados pessoais 46.3
18. Rastreamento de dados pessoais pelo governo 46
19. Ser atropelado por um motorista bêbado 45.3
20. Guerra biológica 44.7
21. Ficar gravemente doente 44.1
22. Derramamentos de óleo 44
23. Ataque terrorista 43.8
24. Agitação civil generalizada 43
25. Ataque com armas nucleares 42.9
26. Fraude de cartão de crédito 42.6
27. Grupos anti-imigração extremos 41.6
28. Tiro em massa aleatória 41.5
29. Terrorismo 39.8
30. Coreia do Norte usando armas nucleares 39.2
31. O colapso da rede elétrica 39
32. Pandemia ou uma grande epidemia 38.6
33. Restrições governamentais sobre armas de fogo e munições 37.8
34. Seca devastadora 37.7
35. Irã usando armas nucleares 36.4
36. Perda de meus dados, fotos ou outros documentos importantes em um desastre 36.3
37. Acidente nuclear / derretimento 36
38. Arrombamentos 35.1
39. Tornado devastador 34.7
40. Estar desempregado 34.4
41. Alturas 33.6
42. Roubo de propriedade 33.3
43. Furacão devastador 32.8
44. Uso de drones pelo governo nos EUA 32.3
45. Milícia / movimento patriota 31.3
46. ​​Dilúvio devastador 31.1
47. Terremoto devastador 30.9
48. Computadores substituindo pessoas na força de trabalho 30.7
49. Fogo devastador 30.7
50. Assassinato por um estranho 29.7
51. Tubarões 29.2
52. Roubo 28.6
53. Crimes raciais / de ódio 28.6
54. Morrendo 27.9
55. Fraude financeira (como esquema Ponzi, desfalque etc.) 27.2
56. Agressão sexual por um estranho 27.1
57. Devastadora nevasca / tempestade de inverno 27
58. Brutalidade policial 26.6
59. Falar em público 26.2
60. Lagos e oceanos profundos 25.7
61. Rapto / sequestro 25.1
62. Répteis (cobras, lagartos, etc.) 24.1
63. Perseguição 23.7
64. Inferno 23.7
65. Andando sozinho à noite 23.5
66. O Diabo / Satanás 23.1
67. Insetos / aracnídeos (aranhas, abelhas, etc.) 22.6
68. Imigração ilegal 21.5
69. Assassinato por alguém que você conhece 21
70. Demônios 20.8
71. Antifa 20.7
72. Pequenos espaços fechados 19.8
73. Agressão sexual por alguém que você conhece 19.2
74. Grande erupção vulcânica 18.6
75. Tecnologia que não entendo 17.8
76. Ser enganado por notícias "falsas" 17.5
77. Ambientalistas radicais 16.4
78. Apocalipse / Armagedom 16.4
79. Deus 14.2
80. Germes 13.2
81. Agulhas 12.9
82. Voando 12.7
83. Outra significativa traição a você 12.1
84. Extrema direita animal 11.3
85. Compartilhando um banheiro com uma pessoa transgênero 9.5
86. Os brancos não são mais a maioria nos EUA 9.4
87. Zumbis 8.4
88. Fantasmas 8.3
89. Assédio sexual no local de trabalho 7.5
90. Palhaços 7.1
91. Estranhos 7
92. Outros falando sobre você pelas suas costas 6.7
93. Sangue 6.3
94. Animais (cães, ratos, etc.) 3.7

Ordenado Alfabeticamente

Lista completa de medos (2018) % Com medo ou muito medo
Rapto / sequestro 25.1
Poluição do ar 55.1
Animais (cães, ratos, etc.) 3.7
Antifa 20.7
Apocalipse / Armagedom 16.4
Ficando gravemente doente 44.1
Ser enganado por notícias "falsas" 17.5
Ser atropelado por um motorista bêbado 45.3
Estar desempregado 34.4
Guerra biológica 44.7
Sangue 6.3
Arrombamentos 35.1
Palhaços 7.1
Computadores substituindo pessoas na força de trabalho 30.7
Rastreamento Corporativo de Dados Pessoais 46.3
Funcionários do governo corruptos 73.6
Fraude de cartão de crédito 42.6
Terrorismo cibernético 52.5
Lagos e oceanos profundos 25.7
Demônios 20.8
Tempestade de neve / tempestade de inverno devastadora 27
Seca devastadora 37.7
Terremoto devastador 30.9
Dilúvio Devastador 31.1
Furacão devastador 32.8
Tornado devastador 34.7
Devastating Wildfire 30.7
Morrendo 27.9
Colapso econômico / financeiro 49.2
Extinção de espécies vegetais e animais 54.1
Animais de extrema direita 11.3
Grupos Extremos Anti-Imigração 41.6
Ambientalistas radicais 16.4
Fraude financeira (como esquema Ponzi, desfalque etc.) 27.2
Vôo 12.7
Germes 13.2
Fantasmas 8.3
Aquecimento Global e Mudanças Climáticas 53.2
Deus 14.2
Restrições governamentais sobre armas de fogo e munições 37.8
Rastreamento de dados pessoais pelo governo 46
Uso de drones pelo governo nos EUA 32.3
Alturas 33.6
Inferno 23.7
Altas contas médicas 52.9
Roubo de identidade 46.6
Imigração ilegal 21.5
Insetos / aracnídeos (aranhas, abelhas, etc.) 22.6
Irã usando armas nucleares 36.4
Extremistas islâmicos 49.3
Grande erupção vulcânica 18.6
Perder meus dados, fotos ou outros documentos importantes em um desastre 36.3
Milícia / Movimento Patriota 31.3
Assalto 28.6
Assassinato por um estranho 29.7
Assassinato por alguém que você conhece 21
Agulhas 12.9
Coreia do Norte usando armas nucleares 39.2
Não ter dinheiro suficiente para o futuro 57
Acidente nuclear / derretimento 36
Ataque de armas nucleares 42.9
Derramamentos de óleo 44
Outros falando sobre você pelas suas costas 6.7
Pandemia ou uma grande epidemia 38.6
Pessoas que amo ficarem gravemente doentes 56.5
Pessoas que amo morrer 56.4
Brutalidade policial 26.6
Poluição da água potável 60.7
Poluição de oceanos, rios e lagos 61.6
Falar em público 26.2
Crime racial / de ódio 28.6
Tiro em massa aleatória 41.5
Répteis (cobras, lagartos, etc.) 24.1
Agressão sexual por um estranho 27.1
Agressão sexual por alguém que você conhece 19.2
Assédio sexual no local de trabalho 7.5
Compartilhando um banheiro com uma pessoa transgênero 9.5
Tubarões 29.2
Outra significativa te traindo 12.1
Pequenos espaços fechados 19.8
Perseguição 23.7
estranhos 7
Tecnologia que eu não entendo 17.8
Terrorismo 39.8
Ataque terrorista 43.8
O colapso da rede elétrica 39
O Diabo / Satanás 23.1
Os EUA estarão envolvidos em outra guerra mundial 51.6
Roubo de propriedade 33.3
Caminhando sozinho a noite 23.5
Supremacistas Brancos 49.3
Os brancos não são mais a maioria nos EUA 9.4
Agitação civil generalizada 43
Zumbis 8.4

Para obter mais informações e artigos, visite www.chapman.edu/fearsurvey.


“Concha de uma concha de uma concha”

Registros públicos sugerem que a Cascade Investments comprou suas terras agrícolas por meio de uma rede de pelo menos 22 empresas de fachada de responsabilidade limitada em todo o país. Essas empresas de fachada tornaram difícil descobrir onde e quanta terra os Gates possuem, mesmo para os agricultores locais, como John S. Quarterman, um fazendeiro e proprietário de terras que cultiva quiabo, milho, abóbora e outros vegetais no Condado de Lowndes, no extremo sul da Geórgia.

Foi aí que os Gates começaram a comprar terras em 2013 por meio de duas sociedades de responsabilidade limitada registradas em um endereço em Kirkland por Derek Yurosek, então chefe de operações agrícolas da Cascade.

Quando Quarterman ouviu pela primeira vez sobre a compra de terras da empresa de Gates na área, ele começou a vasculhar registros de propriedades locais, vinculando endereços e registros comerciais de proprietários registrados a empresas sediadas em Kirkland, até que ele foi capaz de juntar as peças que as empresas que compram vários lotes de terras na Bacia do Rio Suwannee eram todas "a casca da casca de uma empresa de fachada investindo para Bill Gates". A NBC News confirmou de forma independente que havia, de fato, empresas de fachada remontando à empresa de Gates que comprou 6.021 acres em quatro condados na Geórgia.

Na Geórgia e na Flórida, a NBC News confirmou de forma independente por meio de pesquisa de registros de propriedades que a empresa de investimento dos Gates possui mais de 7.000 acres por meio de duas sociedades de responsabilidade limitada, Lakeland Sands e Lakeland Sands Florida, LLC. Ambas as empresas foram fundadas em 2012 com o mesmo endereço da Cascade Investments em Kirkland, que mais tarde mudou seu endereço de correspondência para uma caixa postal da Louisiana atribuída a Oak River Farms, outra subsidiária da Cascade.

A NBC News também descobriu que outros 6.500 acres no norte da Flórida são de propriedade de outra empresa, Suwannee River Terra, que também foi iniciada com um endereço em Kirkland e um endereço de e-mail da Bill and Melinda Gates Investment Firm, que agora está registrada no atual conselheiro-chefe da Oak River Farms com endereço para correspondência no Kansas, de acordo com registros de propriedade.

Em cada estado onde os Gates possuem terras, segue-se uma teia emaranhada de sociedades de responsabilidade limitada registradas localmente. Embora essas empresas não nomeiem explicitamente a Cascade Investments como proprietária em seus registros públicos, elas compartilham o endereço da Cascade em Kirkland, Washington, ou o endereço de uma subsidiária da Cascade, listam os nomes dos funcionários da Cascade que registraram as empresas e, às vezes, até mesmo endereços de e-mail do Bill e Melinda Gates Investment Group.


1. A inflação é ridícula

O maior problema que os venezuelanos enfrentam no dia a dia é a hiperinflação.

De acordo com um estudo da Assembleia Nacional, controlada pela oposição, a taxa de inflação anual atingiu 1.300.000% nos 12 meses até novembro de 2018.

No final do ano passado, os preços dobravam a cada 19 dias, em média. Isso deixou muitos venezuelanos lutando para comprar itens básicos como comida e produtos de higiene pessoal.

O número de bolívares - a moeda nacional - necessários para comprar US $ 1 também disparou.


13 dicas eficazes para controlar a obesidade

A obesidade é uma condição em que o corpo acumula excesso de gordura, o que tem um impacto negativo na saúde. Genética, alimentação excessiva e certos fatores psicológicos são algumas das causas comuns da obesidade. Não é mais uma preocupação com a qual o Ocidente está lutando. Chegou às costas indianas e é uma batalha que muitos de nós enfrentamos hoje. “Neste mundo repleto de diabetes e doenças cardíacas é importante prevenir a obesidade desde a infância para impedir que essas doenças aconteçam. É importante influenciarmos as crianças em idade escolar para aumentar seus conhecimentos sobre nutrição e atividade física, num esforço de mudança suas atitudes e práticas para a vida ". - Dr.Anoop Misra Executive Chairman, Fortis C-DOC Healthcare LtdGlobal DataWHO global estimates state that in the year 2014 1.9 billion adults worldwide were overweight and of these 600 million were obese. Overall, about 13% of the world's adult population (11% of men and 15% of women) were obese in 2014. The worldwide prevalence of obesity more than doubled between 1980 and 2014. Not just adults, in 2013, 42 million children under the age of 5 were overweight or obese.

ConstruirMulheresHomens
Médio100lbs (45.5kg) for the first 5 feet (152cm) height, plus 5lb (2.3kg) for each additional inch106lbs (48kg) for the first 5 feet (152cm) of height, plus 6þlbs (2.7kg) for each additional inch
SmallSubtract 10%Subtract 10%
GrandeAdd 10%Add 10%

Source: Adapted from the 1977 publication by the American Diabetes Association and the American Dietetics Association.Urbanization, mechanization and affluence have collectively led to an increase in the consumption of unhealthy fast food. With no time on hand to prepare meals from scratch, processed and ready-to-eat foods have replaced our traditional eating habits. Physical activity has taken a backseat with every convenience available on the tap of a button. With adults leading unhealthy and inactive lives, their children aren't exposed to or taught healthy lifestyle habits. Due to paucity of space, schools too do not focus on physical exercise and have very small or no playgrounds. Tuitions and studies have taken precedence over everything! In India, we face the ironic double whammy of malnutrition related public health issues and an alarming rise in Non Communicable Diseases and over nutrition at the other end. Indian National Family Health Survey 2005-2006, NFHS-3 data showed that “12.6% of Indian women were obese (23.5% urban and 7.4% rural). Among men, the total prevalence of obesity was 9.7% (15.9% urban and 5.6% rural). The percentage of ever-married women age 15-49 who are overweight or obese increased from 11% in NFHS-2 to 15% in NFHS-3. The percentage of women who are overweight or obese is highest in Punjab (30%), followed by Kerala (28%) and Delhi (26%). Similar variations are seen by state in the percentage of men who are overweight and obese According to NFHS-3 data 1.7% male children and 1.4% female children were overweight (+ 2SD), 2.5% belonged to urban and 1.2% belonged to rural areas. Most of the overweight and obese were found in well educated, urban households with a high standard of living.(Regular Exercise Does Little to Undo the Effects of Prolonged Sitting: Study​)

If you too are faced with obesity, here's help. Consensus Dietary Guidelines for Healthy Living and Prevention of Obesity, Dr.Anoop Misra et all include reduction in the intake of carbohydrates, preferential intake of complex carbohydrates and low glycemic index foods, higher intake of fiber, lower intake of saturated fats, optimal ratio of essential fatty acids, reduction in trans fatty acids, slightly higher protein intake, lower intake of salt, and restricted intake of sugar.What does this mean? Let's simplify, not for being fashionably thin but for being healthy. Remember food is good, food is healthy, our choices and our selections are what decide our own health as well as that of our family. To ensure a healthy life, free of all types of malnutrition or over-nutrition, we need to eat healthy daily.Steps you must take if you're overweight:A family is made up of individuals at different stages of life, of different ages but to promote health, what better way than re organizing your kitchen. Here are some pointers:1. Whole grain and not processed cereals provide energy to sustain and grow and are also a major source of all essential nutrients. Stock up on whole grains like Bajra, Ragi, Maize and Jowar, use them often. Try red and black and brown rice instead of white rice .Use these whole grains for breakfast porridges, they taste great.2. Buy whole dals in addition to the staple washed dals. Fill up your shelves with Rajma, Chana, Soy, Bhatt dals. Add these as sprouts or cook them for your meal at least once every two days. When buying meat, choose the lean, low fat cuts. Add a protein in every major meal. Proteins are essential for the body.3. Ensure 3 servings of seasonal vegetables per head and 2 of whole fruits per day. They provide both soluble and insoluble fibre in addition to vitamins, minerals and antioxidants. We need about 25-30gms of fibre per day, one apple provides only 1gm.

4. 15% of one's total calories come from visible Fats. Invisible sources include fatty meat, butter, ghee, cheese, lard, cream. Limit their use, Choose low fat milk, double toned. Poly unsaturated fats from vegetables are recommended. One oil may not provide all essential fats so use different combinations.5. Keep the trans fats away. There is a chance that industrial trans fats would be present in fast foods, snack food, fried foods cookies, margarine and spreads). Read the labels, if there is no label, find a better substitute.6. Keep the intake of sugar to less than 10% of your total calories, for a normal weight woman who needs 1900Kcal/day this is about 10 -11 teaspoons of sugar. Below 5% would be better. Sugar doesn't refer to added refined sugar that you put in your tea/ coffee only. A lot of foods have natural sugar hidden in them too.7. Do not skip meals. Eat three balanced meals. Take a standard dinner plate, fill ½ with vegetables, 1/3rd with cereal, 1/3rd with the protein, add 150 ml of milk/dahi/dessert. You have a healthy meal.8. Snack on seasonal fruits, keep whole fruits easily available for the family members to pick up.(The Ideal Balanced Diet: What Should You Really Eat?​)

9. Keep your fridge free of sugary aerated drinks and processed fruit juices. Keep fresh aam panna, jal jeera , kanji, buttermilk, as per season . Involve your family in making them.10. Nuts and Seeds make a good healthy snack to. One fistful a day is a good way to start your day.11. Boil, Bake, Shallow fry, and roast instead of deep frying.12. Meals are to eaten on the dining table not in front of the TV.13. Exercise daily. A minimum of 30-45 minutes daily @ 5-6km/hr for people below 40 years and free of any disease. Children need to be exposed to a lot of physical activity. Tuitions, studies are important but so is maintaining weight and promoting health. Also, you need to work with children and facilitate their needs.For Infants and ChildrenWHO has given clear guidelines for food given to babies and children. The first two years are crucial to a child's growth, healthy dietary habits will lay the foundation for a healthy life.WHO recommendations:
• Infants should be breastfed exclusively during the first 6 months of life.
• Infants should be breastfed continuously until 2 years of age and beyond.
• From 6 months of age, breast milk should be complemented with a variety of adequate, safe and nutrient dense foods. Salt and sugars should not be added to complementary foods.Achieving and maintaining weight is an ongoing process for most of us, we are human, we will slip, but those that get back on the saddle faster are winners. So next time your clothes are tighter, do not buy the next size, start your health programme. As parents all you can give your children is good education and health. Work with them, seek professional help when confused but start today.


Food for Thought: The spicy, juicy, history of hot chicken

In this Friday, March 22, 2013 photo, Keith Graham sprinkles hot seasoning on an order of chicken at Bolton’s Spicy Chicken and Fish restaurant in Nashville, Tenn. Hot chicken — fried chicken with varied amounts of seasoning that make the heat level run from mild to extra hot — is a signature dish of Nashville. (AP Photo/Mark Humphrey)

EL PASO, Texas (KTSM) — If we are what we eat, then there’s a lot to be written about those of us who prefer our food fried with a little flame.

From popular franchise competitions between the best spicy chicken sandwich to the origin of Nashville Hot Chicken as a domestic punitive measure, spicy chicken is part of the American palette and psychology.

Food preference is determined by cognitive mechanisms that have evolutionary benefits. For example, we’re naturally averse to foods that are spoiled or toxic, protecting us from becoming ill, while sweet foods originated from calorie-dense items that were luxuries generations ago because of the scarcity of sugar.

But why do we spice up our lives?

Preference for spicy foods isn’t so much about satisfying nutritional needs but rather because humana adapted to take advantage of the cleansing properties in plants that are spicy.

“If these chemical weapons are damaging to our bodies — as evidenced by the painful or unpleasant tastes that accompany them — it stands to reason they are also damaging to some pathogens which might reside in our food as well. Provided our bodies are better able to withstand certain doses of these harmful chemicals, relative to the microbes in our food, then eating spicy foods could represent a trade-off between the killing of food-borne pathogens against the risk of poisoning ourselves,” reports Psicologia Hoje.

One study tested an adaptive hypothesis of spicy food across the world by examining recipes found in 93 traditional cookbooks from 36 countries.

The study found that more than 40 spices were added to meat dishes and that 93 percent of dishes called for at least one spice. The data suggests correlations between recipes from warmer climates calling for more spices in its meat dishes, most likely to preserve meat dishes from spoiling in the heat.

Spiciness in food has other evolutionary indications, such as tolerance for heat correlating to masculinity.

A 2015 study by Pennsylvania State University looked at the ways gender and personality differences might sway a person’s influence in taste.

Researchers questioned 246 subjects on their favorite foods, administered a personality survey, and later asked subjects to sample a smorgasbord of flavor-rich foods, such as capsaicin-filled chile peppers.

The study found that men were much more likely than women to claim to love spicy food in the survey, but the taste test revealed women reported enjoying spicy food more than men.

Other studies have associated spicy-flavored preferences to traits like risk-taking and attention seeking, which leads to Nashville Hot Chicken.

Prince’s Hot Chicken Shack is the cornerstone of hot chicken in the U.S. with an origin story as spicy and juicy as the beloved chicken itself. During the 1930s a woman in Nashville was fed up with the womanizing ways of her partner, Thornton Prince.

According to lore, Prince cheated on his partner on a Saturday night so she soaked his fried chicken in hot pepper on Sunday. Prince apparently curtiu la douleur exquise of the chicken and decided to open up Prince’s Hot Chicken Shack, which still boasts long lines for those ready to taste fire.

The same chemical properties in spices mentioned earlier that help preserve meat also cause a chemical reaction in our mouth that people find irresistible.

Capsaicin stimulates certain receptors in the mouth that make your brain believe your mouth is on fire. We feel heat when we taste spice.

It’s obviously stressful if the brain believes any part of the body is on fire and the stress produces endorphins to help alleviate the pain/heat in the mouth, which causes the rush often felt when eating spicy food.

Whether you seek the pain or pleasure of spicy food or hot chicken, here are some places in El Paso to try:

  • Roasted red chile chicken
  • Green chile chicken and waffles
  • Spicy chicken tenders
  • El Patron sandwich
  • Chicken buffalo ranch sandwich
  • Crispy and spicy chicken sandwich
  • Buffalo ‘chikn’ sandwich (V)

For local and breaking news, sports, weather alerts, video and more, download the FREE KTSM 9 News App from the Apple App Store or the Google Play Store.

Copyright 2021 Nexstar Media Inc. All rights reserved. This material may not be published, broadcast, rewritten, or redistributed.


Assista o vídeo: Żywność ekologiczna (Fevereiro 2023).