Novas receitas

O FDA acaba de ordenar um recall nacional pela primeira vez - sobre Salmonella

O FDA acaba de ordenar um recall nacional pela primeira vez - sobre Salmonella


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A maioria dos recalls é voluntária. Veja por que este é diferente.

A Food and Drug Administration está exigindo que uma empresa de Las Vegas chamada "Triangle Pharmanaturals" retire seus suplementos de ervas de kratom - uma árvore perene tropical - depois de descobrir que alguns estavam contaminados com salmonela.

Esta é a primeira vez que a agência nacional teve que usar seu poder para retirar um produto do mercado, depois que, de acordo com um comunicado oficial, o fabricante se recusou explicitamente a cumprir o pedido do FDA de um recall voluntário.

Mantenha-se atualizado sobre o que significa saudável agora.

Assine nosso boletim diário para mais artigos excelentes e receitas deliciosas e saudáveis.

Esta não é a primeira vez que o FDA pede às pessoas que parem de usar seus produtos - no início deste ano, o grupo alertou os consumidores que a kratom havia sido associada a um surto de salmonela. Naquela época, mais de 90 pessoas haviam adoecido em 35 estados diferentes, de acordo com a Bloomberg.

Kratom já é um produto controverso. Freqüentemente encontrado na forma de cápsulas e pó, o tratamento alternativo usado para a dor, ansiedade, abstinência de opióides e dependência de drogas ilícitas é feito de uma planta nativa do Sudeste Asiático.

No entanto, não há evidências médicas legítimas mostrando que o suplemento é eficaz - e nenhum suporte para as alegações de que ele pode ser usado como uma forma de diminuir as drogas que causam dependência. Na verdade, o FDA vem reprimindo as vendas da kratom porque quimicamente ela se assemelha a um opióide, relata a CBS News.

Como a kratom é comercializada e vendida como um suplemento dietético, no entanto, os produtores não foram obrigados a provar sua segurança de uma vez.

Além das preocupações com a contaminação por salmonela, o FDA pediu aos produtores que se abstenham de rotular o produto como um suplemento dietético - mas, até agora, eles não baniram o produto completamente.

“Nossa primeira abordagem é encorajar o cumprimento voluntário, mas quando temos uma empresa como esta, que se recusa a cooperar, está violando a lei e colocando os consumidores em perigo; vamos buscar todas as vias de aplicação sob nossa autoridade ”, escreveu o comissário Scott Gottlieb na declaração oficial publicada no site do FDA ontem.

Por enquanto, o FDA está focado em retirar todas as cápsulas de kratom afetadas das prateleiras - mas a mesma declaração também confirmou que a agência nacional terá como alvo o suplemento contestado no futuro.

“Continuamos a ter sérias preocupações sobre a segurança de qualquer produto que contenha kratom e estamos investigando essas preocupações separadamente”, disse Gottlieb.


Por que este especialista do setor diz que os alimentos nunca estiveram mais seguros

Sim, você tem visto mais recalls nacionais ultimamente, mas essa não é toda a história.

Em novembro de 2018, em meio ao segundo surto nacional de E. coli ligado à alface romana em seis meses, os americanos descobriram que o número de recalls nacionais de alimentos postados por agências federais de segurança estava em um máximo de dez anos, Cozinhar luz relatórios. Houve muitos casos em que itens frescos e saudáveis ​​se tornaram potencialmente fatais devido a erros ou contaminação acidental durante a produção: Quase 20 milhões de libras de carne moída foram arrancadas das prateleiras devido a um surto de E. coli, milhares de ovos descartados devido a vestígios de salmonela e avisos nacionais sobre peru contaminado foram emitidos pouco antes do Dia de Ação de Graças.

Scott Gottlieb, então comissário da Food and Drug Administration, disse à CNN naquela época que os agentes federais e agências de saúde em todos os 50 estados não estavam cometendo erros no monitoramento da segurança alimentar. Ele alegou que os investigadores federais nunca foram melhores em seus trabalhos: "Acho que a questão não é que haja mais alimentos inseguros", disse Gottlieb. "Acho que o que está acontecendo é que temos tecnologia melhor do que nunca para vincular surtos de doenças humanas a um patógeno comum."

Um dos principais especialistas concorda: De acordo com Steven Mandernach, o diretor executivo da Associação de Funcionários de Alimentos e Medicamentos, o sistema se tornou cada vez mais eficiente em detectar até mesmo as menores imperfeições. "Acho que a indústria está mais bem treinada do que nunca e há melhores recursos científicos disponíveis para as autoridades", diz ele. “Não percebemos a extensão dos surtos de produção, por exemplo. Agora estamos cientes do escopo, por causa das ferramentas que foram desenvolvidas recentemente, que nos ajudam a entender melhor os desafios e a probabilidade de surtos. & Quot

Mandernach explica que a Lei de Modernização da Segurança Alimentar, que foi aprovada inicialmente em 2010, entrou em vigor nos últimos 12 meses, e muitos fabricantes foram obrigados a reforçar seus sistemas internos para o & quothighest calibre & quot de protocolo de segurança alimentar. & quotAs técnicas que estamos usando agora, como testar produtos alimentícios em fábricas de alimentos reais. é muito superior ao de dez anos atrás ”, diz ele. "Agora estamos usando coisas como o sequenciamento do genoma inteiro para ligar uma doença real a um lugar real e ao alimento real em questão - não tínhamos a capacidade de obter esse nível definitivo de garantia três ou quatro anos atrás."

Além disso, a quantidade de testes aumentou. Mandernach diz que os agentes federais de segurança, bem como os fabricantes, começaram a testar amostras e instalações de produção com mais frequência, o que poderia explicar por que mais surtos estão sendo detectados. O aumento dos testes, embora não resolva todos os desafios.

Embora novas tecnologias e processos melhores tenham levado os investigadores a se tornarem mais hábeis na identificação de fontes de bactérias, existem algumas doenças transmitidas por alimentos que estão causando problemas em todo o país. "No nível de restaurante e mercearia, há desafios crescentes para lidar com o norovírus e a hepatite A", diz Mandernach. & quotAqueles vírus são mais difíceis de matar do que outras bactérias comuns com as quais lidamos & # x2026 Doenças tradicionais causadas por bactérias Salmonella ou Listeria são mais fáceis de matar. Essas doenças são muito mais difíceis de matar e higienizar durante um surto. & Quot

A maior parte da responsabilidade de manter os alimentos seguros, na verdade, está nas mãos dos funcionários estaduais e municipais. Mais de 70 por cento das inspeções são conduzidas por funcionários estaduais em nome do FDA, de acordo com Mandernach. & quotPrecisamos continuar a investir em recursos locais & quot, diz ele. A saúde pública não é sexy. e o governo não vê isso como uma atividade da qual obter muitos benefícios. É difícil mostrar métricas para "Quantas doenças evitamos com o trabalho que fizemos?"

Mandernach afirma que o aspecto mais importante da melhoria da segurança alimentar nos Estados Unidos está, na verdade, nas mãos dos consumidores. Uma das maneiras mais rápidas de os investigadores federais trabalharem para acabar com um surto é se as pessoas afetadas visitarem os profissionais de saúde em primeiro lugar. “Se [os consumidores] pensam que têm uma doença transmitida por alimentos, é imperativo que consultem seu médico”, diz Mandernach. & quotMais frequentemente, as doenças transmitidas por alimentos estão associadas a problemas gastrointestinais. Pode resultar de algo que você comeu mais de 24 horas ou antes & # x2026; pode ser algo mais sério, e é por isso que é importante verificar. & Quot

Os profissionais médicos podem administrar testes que notificam os pacientes se eles têm uma das 20 doenças transmitidas por alimentos comuns dentro de uma hora - e uma vez que não existe um tratamento universal para doenças múltiplas, Mandernach diz que você terá uma chance melhor de reduzir os sintomas se procurar ajuda. E o mais importante, as autoridades estaduais irão acompanhá-lo se você tiver um teste positivo para doenças transmitidas por alimentos, a fim de conter qualquer possível surto. "Sei que há muitos recalls agora, mas o risco de recalls também pode dizer algo", disse Mandernach, referindo-se à aula publicada em cada aviso federal. & quot Por exemplo, os recalls de Classe 1 incluem casos em que os alérgenos estão em jogo, e se ninguém em sua família tem alergia alimentar, então você não precisa se preocupar ou tanto quanto um recall baseado em patógenos. & quot


Proteínas vegetais hidrolisadas: a história completa

Em 4 de março de 2010, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos anunciou um recall de proteína vegetal hidrolisada (HVP) que continha Salmonella tennessee, um organismo que “pode causar infecções graves e às vezes fatais em crianças pequenas, pessoas frágeis ou idosas ou outras pessoas com sistema imunológico enfraquecido”. 1 O HVP em questão foi produzido pela Basic Food Flavors, Inc., localizada em Las Vegas, Nevada. Naquela noite, Brian Williams da NBC News declarou em seu noticiário nacional que HVP “está potencialmente em milhares de produtos alimentícios”. O fabricante já fez o recall do HVP afetado. Mais de 150 alimentos processados ​​que continham o HVP afetado foram recolhidos em 3 de abril de 2010. 2

Conforme relatado em 10 de março de 2010 em The Washington Post, gerentes da Basic Food Flavors, Inc. aprenderam em 21 de janeiro de 2010 que as amostras colhidas uma semana antes em sua fábrica testaram positivo para salmonela. No entanto, com base nos registros de inspeção da FDA, a Basic Food Flavors, Inc. continuou a enviar seus produtos para produtores de alimentos processados. 3

Houve várias surpresas para este escritor no aviso de recall da FDA. O FDA, pela primeira vez na minha memória, afirmou que a proteína hidrolisada era "um ingrediente [alimentar] comum usado com mais frequência como intensificador de sabor". Anteriormente, muitos membros da indústria alimentícia negavam o fato de o HVP ser usado para realçar o sabor.

Além disso, o FDA reverteu para o nome de ingrediente de "proteína vegetal hidrolisada", embora o FDA, nos últimos anos, tenha emitido uma exigência de que a fonte de proteína que havia sido hidrolisada fosse identificada, por exemplo, proteína de soja hidrolisada ou ervilha hidrolisada proteína. Além disso, o FDA divulgou que proteínas hidrolisadas estavam contidas em produtos de caldo, produtos de mistura de temperos e temperos, produtos de base e temperos aromatizantes, produtos alimentícios congelados, produtos de mistura de molho, produtos de salada preparados, produtos de refeição pronta para comer, molho e mistura de marinada produtos, snacks e produtos de mistura para snacks, sopa / mistura para sopas e produtos para imersão / imersão, produtos para barrar e produtos para recheios. No total, o FDA listou cento e setenta e sete produtos, mas você pode ter certeza de que o número é subestimado. 4

O anúncio do recall da FDA não mencionou o fato de que todas as proteínas hidrolisadas são intensificadores de sabor porque contêm o componente reativo do ingrediente alimentar "glutamato monossódico". Eles são referidos por muitas pessoas sensíveis ao MSG como "ácido glutâmico livre processado (MSG)" porque eles causarão as mesmas reações que aquelas causadas pelo glutamato monossódico, desde que o indivíduo sensível ingira uma quantidade que inclui um nível de MSG que excede sua tolerância individual para MSG. A quantidade de MSG em uma proteína hidrolisada depende do tipo de proteína que está sendo usada e da extensão da hidrólise.

A maioria, senão todas as proteínas hidrolisadas que vemos nos rótulos dos alimentos são hidrolisadas através do uso de um ácido. O processo quebra a proteína em aminoácidos individuais, incluindo o ácido glutâmico na forma que pode causar reações adversas em pessoas sensíveis ao MSG. 5 A hidrólise ácida também resulta na formação indesejada de mono- e dicloropropanóis cancerígenos. 6,7

Por que o FDA permitiu que uma substância cancerígena fosse amplamente usada em nosso abastecimento alimentar? O FDA não sabia que as proteínas hidrolisadas com ácido introduzem substâncias cancerígenas em nossos alimentos?

O fato é que este escritor, representando a Truth in Labeling Campaign (www.truthinlabeling.org), informou verbalmente o FDA em 1993 que proteínas hidrolisadas com ácido introduziram propanóis cancerígenos em alimentos processados. O FDA não deu importância à nossa afirmação. No entanto, foi relatado em um boletim informativo da indústria que em 1994 o FDA se reuniu com representantes da indústria de aromas e expressou sua preocupação sobre a presença de carcinógenos em proteínas hidrolisadas com ácido. Relatórios revelaram que o FDA levantou a questão de que, se enzimas fossem usadas em vez de ácido (um método tecnicamente conhecido como enzimólise), não haveria a produção de propanóis cancerígenos.

Representantes da indústria expressaram preocupação sobre o uso da enzimólise com base no fato de que o método era menos eficiente e mais caro do que a hidrólise ácida. Outro relatório indica que a FDA pediu à indústria de aromas para reduzir a presença de carcinógenos em HVP, mas uma pesquisa posterior do International Hydrolyzed Protein Council (IHPC) indicou que nada foi feito para corrigir o problema.

Os relatórios acima foram confirmados posteriormente, quando o FDA declarou em um relatório de 2003 da Comissão do Codex Alimentarius que o FDA se reuniu com o IHPC no “início dos anos 1990. . . em relação à necessidade de controlar os níveis de 3-MCPD e 1,3-DCP em ácido-HVP [cloropropanóis]. ” O IHPC conduziu pesquisas anuais sobre os níveis de 3-MCPD cancerígeno em HVPs ácidos e compartilhou seus resultados com o FDA. 8 (A Comissão do Codex Alimentarius foi criada em 1963 pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) para desenvolver padrões alimentares, diretrizes e textos relacionados, como códigos de prática sob a FAO / Programa de Padrões Alimentares da OMS.)

No relatório da Comissão do Codex Alimentarius acima referido, a FDA também relatou que conduziu uma avaliação de risco quantitativa formal do 3-MCPD em 2000 e concluiu que o 3-MCPD era carcinogênico e genotóxico (danificando o DNA). 9 (Há alguma discordância quanto à genotoxicidade do 3-MCPD.)

Em 31 de março de 2008, o FDA publicou um artigo no Federal Register anunciando a disponibilidade do Compliance Policy Guide # 500.500, que define "níveis de orientação" para 3-MCPD em proteínas hidrolisadas com ácido e molhos de estilo asiático. No entanto, um nível de orientação não vincula o FDA ou a indústria e não pode servir como base legal direta para uma ação de fiscalização. Um artigo semelhante apareceu no Federal Register em 2007. 10

A Comissão do Codex Alimentarius declarou: “A contaminação por cloropropanol é um problema de segurança alimentar que tem implicações internacionais e vários países introduziram níveis máximos para cloropropanóis.” A partir de 2001, a agência reguladora de alimentos do Reino Unido começou a remover certos produtos das prateleiras das mercearias devido ao que eles acreditavam ser níveis excessivos de carcinógenos. A causa encontrada foi a presença de propanóis devido às HVPs ácidas. A Tailândia estabeleceu um limite de 3-MCPD em produtos de tempero e, durante 2001, Austrália e Nova Zelândia introduziram medidas de emergência para estabelecer níveis máximos de cloropropanóis. Outros países, como os Estados Unidos, estão estudando o problema. 11

Se a indústria de alimentos não estivesse tão interessada em adicionar MSG aos nossos alimentos processados ​​para realçar o sabor sem gastar com o uso de ingredientes saudáveis ​​e de alta qualidade, a questão do HVP não seria o problema que é. Na opinião deste escritor, a questão HVP é um exemplo de como nossas agências reguladoras deixam de cumprir sua responsabilidade de proteger a saúde dos cidadãos com uma alimentação saudável, uma responsabilidade que se torna cada vez mais importante com um programa nacional de saúde.

Se quisermos reduzir os custos com saúde, devemos reduzir a crescente incidência de numerosas e graves condições médicas em nosso país. Isso exigirá navegar em uma nova direção em agências federais como o FDA, o USDA e a EPA, para melhor proteger a segurança dos consumidores. O FDA pode começar protegendo 25 a 43 por cento de nossa população que experimentou reações adversas ao glutamato monossódico em estudos conduzidos na década de 1970. 12,13,14 Isso pode ser facilmente realizado exigindo que todos os alimentos processados, suplementos dietéticos e produtos farmacêuticos existentes sejam analisados ​​para "ácido glutâmico livre". Posteriormente, quando um novo produto é introduzido ou uma formulação é alterada, o produto deve ser analisado para "ácido glutâmico livre". Se o “ácido glutâmico livre” estiver presente em um produto, ele deve ser divulgado como “MSG”, com a quantidade indicada em miligramas nos rótulos dos alimentos processados ​​e suplementos dietéticos e nas bulas dos produtos farmacêuticos. 15

SAL REDUZIDO, MAIS QUÍMICOS
Recentemente, várias empresas de alimentos anunciaram que reduzirão o teor de sal de seus produtos em
20 porcento. Isso inclui muitos gigantes do setor de alimentos, como a Kraft Foods e a Nestlé. Agora temos um anúncio semelhante de
Frito-Lay sobre suas batatas fritas salgadas. Enquanto isso, o FDA parece apoiar a redução de sal em produtos processados
alimentos, mas não publicou nenhuma regulamentação sobre o assunto.
De acordo com o anúncio da Frito-Lay, a redução do teor de sal será alcançada com a mudança da forma do sal
cristais, afetando como eles serão usados ​​no corpo. A mudança na forma dos cristais de sal não parece ser prejudicial
para os humanos, mas, é claro, não sabemos o processo que será usado, nem sabemos se algum produto químico
será usado.
De real preocupação é o fato de que o anúncio sobre a redução de sal por acaso ocorreu pouco depois
um novo substituto do sal, Senomyx, entrou no mercado. O substituto do sal Senomyx é claramente um produto químico que
atua no corpo como um agente neurológico, fazendo com que o indivíduo perceba um sabor salgado. Parece não ser nada
mais ou menos do que uma droga neurotrófica.
Como o fabricante do produto Senomyx o chama de alimento, não requer testes extensivos que seriam
exigido pelo FDA se fosse chamado de produto farmacêutico. Até onde sabemos, não houve nenhum teste do sal Senomyx
substituto para a segurança, e é tão potente que a quantidade necessária nos alimentos está abaixo da quantidade que requer a aprovação do FDA.
Além disso, nunca será divulgado nos rótulos dos alimentos como Senomyx. Senomyx pode ser usado ou chamado de "sabor artificial".

1. FDA News Release datado de março de 2010: http: /www.fda.gov/newsevents/newsroom/pressannouncememts/ucm203067.htm.

2. Relatório da Frost & amp Sullivan, uma empresa global de consultoria e pesquisa, datada de 3 de abril de 2010: http://www.frost.com/prod/servlet/market-insight-top.pag?docid=197382526.

3. Relatório da Frost & amp Sullivan, uma empresa global de consultoria e pesquisa, datado de 3 de abril de 2010: http://www.frost.com/prod/servlet/market-insight-top.pag?docid=197382526.

4. Aviso da FDA de 1º de abril de 2010 sobre produtos contendo HVP: http://www.accessdata.fda.gov/scripts/hvpcp.

7. Pommer, K. (Novo Nordisk BioChem Inc., Franklinton, NC) Cereal Foods World. Outubro de 1995 Vol 40. No 10. p.745.

8. Documento de Posição da Comissão do Codex Alimentarius sobre Cloropropanóis, março de 2003. Baseado na Trigésima Quinta Sessão realizada em Arusha, República Unida da Tanzânia, 17-21 de março de 2003, Item # 25.

10. FDA Issues Compliance Policy Guide Definindo "Nível de orientação" para um cloropropanol em molhos de estilo asiático. http://www.fdalawblog.net/fda_law_blog_hyman_ phelps / 2008/04 / fda-issues-cpg.html.

11. Documento de Posição da Comissão do Codex Alimentarius sobre Cloropropanóis, março de 2003. Baseado na Trigésima Quinta Sessão realizada em Arusha, República Unida da Tanzânia, 17-21 de março de 2003, Itens # 9-17.

12. Kenney, R.A. and Tidball, C.S. Human susceptibility to oral monosodium L-glutamate. Am J Clin Nutr 25: 140-146, 1972.

13. Reif-Lehrer, L. Um estudo de questionário da prevalência da síndrome do restaurante chinês. Fed Proc 36:1617-1623, 1977.

14. Kerr, G.R., Wu-Lee, M., El-Lozy, M., McGandy, R., e Stare, F. Food-sintomatologia questionários: riscos de perguntas de tendência de demanda e pesquisas de tendência de população. Ácido Glutâmico: Avanços em Bioquímica e Fisiologia Filer, L. J., et al., Eds. Nova York: Raven Press, 1979.

Este artigo apareceu em Sábias tradições em alimentação, agricultura e artes de cura, a revista trimestral da Weston A. Price Foundation, verão de 2010.

Sobre Jack L. Samuels


INSCREVA-SE AGORA Notícias diárias

O Dia de Ação de Graças é o feriado favorito de muitos americanos, porque é um momento em que a família, amigos, vizinhos e estranhos se reúnem para compartilhar suas comidas favoritas. Antes de preparar seus pratos favoritos, reserve um momento para revisar os recalls de alimentos e surtos de doenças identificados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

Alface romana

Apenas dois dias antes do Dia de Ação de Graças, o CDC alertou os consumidores dos EUA para não comerem alface romana, pois ela pode estar contaminada com E. coli.

Trinta e duas pessoas, incluindo 13 que foram hospitalizadas, foram infectadas com a cepa do surto em 11 estados, de acordo com o CDC. Uma das pessoas hospitalizadas desenvolveu síndrome hemolítico-urêmica, uma forma de insuficiência renal potencialmente fatal. Nenhuma morte foi relatada.

Pessoas adoeceram na Califórnia, Connecticut, Illinois, Massachusetts, Maryland, Michigan, New Hampshire, Nova Jersey, Nova York, Ohio e Wisconsin.

A Agência de Saúde Pública do Canadá identificou 18 pessoas adicionais que adoeceram com a mesma cepa de E. coli em Ontário e Quebec.

A Food and Drug Administration, que também está investigando o surto, adverte que, se você tiver alface romana em casa, deve jogá-la fora, mesmo que tenha comido e não tenha ficado doente.

Nenhum distribuidor ou fonte foi identificado, então o FDA está alertando os consumidores para evitar todos os tipos e marcas de alface. Os consumidores não devem comer nenhum produto de alface romana, incluindo & # 8220cabeças inteiras de alface romana, corações de alface romana e sacos e caixas de alface pré-cortada e misturas para salada que contenham alface romana, como mix de primavera e salada César.

Os varejistas e restaurantes também não devem servir ou vender nenhum até que se saiba mais sobre o surto.

As doenças no surto atual começaram em outubro e não estão relacionadas a outro surto multiestado relacionado à alface romana neste verão.

Produtos de peru

O Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e # 8217s fez recall de produtos de peru relacionados a um surto de salmonela. O CDC anunciou o surto relacionado a produtos crus de peru em julho, mas mais pessoas adoeceram, elevando o total para pelo menos 164 em 35 estados. Uma pessoa morreu na Califórnia e 63 pessoas foram hospitalizadas.

Jennie-O Turkey Store Sales LLC recolheu 91.388 libras de produtos crus de peru moído depois que o USDA descobriu que uma amostra dos produtos deu positivo para salmonela, correspondendo à cepa do surto. As amostras eram de uma produção de 11 de setembro e, de acordo com o USDA, o restante dos produtos foi expedido para todo o território nacional.

O surto começou em novembro de 2017. Não está claro de onde veio o peru no centro deste surto, já que não parece haver um distribuidor centralizado, disse a agência. Isso pode significar que & # 8220 ele pode ser amplamente difundido na indústria de perus. & # 8221

Testes de laboratório mostram que a salmonela vem de uma variedade de produtos, incluindo peru moído e hambúrgueres de peru. Testes mostraram que ele também esteve em perus vivos e alimentos para animais de estimação.

O CDC disse que se você planeja manusear peru cru, tome cuidado extra: Lave as mãos depois de tocá-lo. Cozinhe bem os produtos para evitar adoecer. Descongele os perus na geladeira, não no balcão.

Frango cru

Em outra investigação em andamento, 92 pessoas foram infectadas com salmonela infantil em 29 estados, ligada a produtos crus de frango de uma variedade de fontes, de acordo com o CDC. Nenhuma morte foi relatada, embora 21 pessoas tenham sido hospitalizadas, relata a agência de saúde pública. O USDA continua monitorando esse surto.

Pessoas que ficaram doentes relatam comer diferentes tipos e marcas de produtos derivados de frango comprados em muitos locais. O CDC identificou salmonela em amostras retiradas de produtos crus de frango, galinhas vivas e rações crus de frango. Como a cepa está presente em frangos vivos, bem como em muitos tipos de produtos de frango crus, isso é uma indicação de que a contaminação pode ser generalizada na indústria de frango, de acordo com o CDC.

No entanto, o CDC não aconselha os consumidores a evitarem comer frango cozido adequadamente ou os varejistas a pararem de vender produtos de frango crus.

Em vez disso, você precisa manusear o frango cru com cuidado e cozinhá-lo bem para evitar intoxicação alimentar, recomenda a agência. Lave as mãos antes e depois de preparar ou comer os alimentos e higienizar a cozinha e a área de preparação. Peitos de frango, frangos inteiros e aves moídas, incluindo hambúrgueres de frango e linguiça de frango, devem sempre ser cozidos a uma temperatura interna de 165 graus Fahrenheit para matar germes prejudiciais. As sobras também devem ser reaquecidas até essa temperatura.

Carne moída

Não coma, sirva ou venda produtos de carne recolhidos que foram recolhidos pela JBS Tolleson Inc. de Tolleson, Arizona, porque podem estar contaminados com salmonela, aconselha o CDC. Na quinta-feira, 246 pessoas foram infectadas com a cepa do surto de salmonela newport em 25 estados, relata o CDC. Nenhuma morte foi relatada, mas 59 pessoas foram hospitalizadas.

Verifique se há carne recuperada em seu freezer, recomenda o CDC. A empresa retirou 6,9 milhões de libras de produtos de carne bovina no início de outubro, todos produzidos e embalados entre 26 de julho e 7 de setembro. Foram enviados para mais de 100 varejistas em todo o país sob várias marcas e o número do estabelecimento & # 8220EST. 267 e # 8221 podem ser encontrados dentro da marca de inspeção do USDA (mas podem ser encontrados em outro lugar na embalagem), de acordo com o CDC. A lista de varejistas onde esses produtos foram vendidos pode ser encontrada no site do USDA.

Cozinhe bem a carne moída, recomenda o CDC, e manuseie os produtos à base de carne com segurança para prevenir doenças transmitidas por alimentos. Nunca coma carne moída crua ou mal cozida. Para matar os germes, ele precisa atingir uma temperatura interna de 160 graus Fahrenheit. Lave as mãos e qualquer item que entre em contato com a carne crua, inclusive bancadas, utensílios, pratos e tábuas de cortar, com água e sabão, informa o CDC.

Mistura para bolo Duncan Hines

Um recall foi emitido para quatro tipos de mistura para bolo Duncan Hines devido à possível contaminação por salmonela, disse a Food and Drug Administration dos EUA em 5 de novembro.

O recall foi emitido pela Conagra Brands devido a & # 8220 um achado positivo de Salmonella em uma amostra de varejo de Duncan Hines Classic White cake mix que pode estar ligada a um surto de Salmonella que está sendo investigado pelo CDC e FDA & # 8221 Conagra disse em um comunicado.

A impressão digital de DNA encontrada nessa amostra de mistura para bolo corresponde à impressão digital de DNA identificada pelo CDC em cinco casos de salmonela, de acordo com o FDA.

As doenças foram relatadas em Maryland, Ohio e Wisconsin, disse o CDC na quarta-feira.

Vários dos indivíduos que estão doentes disseram aos investigadores de saúde que consumiram uma mistura para bolo antes do início dos sintomas, de acordo com a Conagra.

& # 8220Duas pessoas doentes relataram comer bolo na semana antes do início de sua doença e uma relatou comer mistura de bolo crua, mas não havia informações da marca disponíveis, & # 8221 de acordo com o CDC, que acrescentou que está & # 8220 trabalhando com departamentos de saúde estaduais e a FDA para determinar se essas pessoas doentes comeram bolo ou mistura de bolo crua produzida por Duncan Hines. & # 8221

Quem está em risco e quais são os sintomas de doenças transmitidas por alimentos?

Pessoas de todas as idades correm o risco de adoecer devido a doenças transmitidas por alimentos, embora quando se trata de infecções por salmonela, as crianças são as mais propensas a adoecer, de acordo com o FDA. Crianças com menos de 5 anos, adultos com mais de 65 anos e pessoas com sistema imunológico enfraquecido, como pessoas com doenças crônicas, têm maior probabilidade de desenvolver doenças graves, mas mesmo crianças e adultos saudáveis ​​podem ficar gravemente doentes.

Os sintomas da doença da salmonela geralmente começam 12 a 72 horas após consumir algo contaminado com o organismo e duram cerca de quatro a sete dias. Eles incluem diarreia, febre e cólicas abdominais. A maioria das pessoas se recupera sem tratamento. Em alguns pacientes, a diarreia pode ser tão grave que a hospitalização e o tratamento com antibióticos são necessários para evitar que a doença se espalhe dos intestinos para a corrente sanguínea e outras partes do corpo.

Os sintomas da infecção por E. coli, que geralmente começam cerca de três ou quatro dias após o consumo da bactéria, podem incluir diarreia aquosa ou com sangue, febre, cólicas abdominais, náuseas e vômitos, de acordo com o CDC. A maioria das pessoas infectadas pela bactéria melhora em cinco a sete dias, embora esta cepa específica de E. coli tenda a causar doenças mais graves.


Diga a verdade - o número de recalls de alimentos está aumentando?

De acordo com um relatório do Fundo de Educação do Grupo de Pesquisa de Interesse Público dos EUA (PIRG), os recalls de alimentos aumentaram 10 por cento entre 2013 e 2018, com um pico de 905 recalls em 2016. Durante esse mesmo período, eles descobriram que os recalls de Classe I - aqueles com o maior potencial para riscos à saúde - aumentou 83 por cento. Caramba!

Mas antes de jogar fora toda a sua comida, saiba que o número crescente de recalls pode não ser uma coisa ruim. "Há uma percepção de que os alimentos são menos seguros, mas agora podemos descobrir mais sobre patógenos, surtos e doenças específicos muito mais cedo", diz Feist. A combinação de tecnologia avançada e novos regulamentos como o FSMA significa que os produtores de alimentos e os reguladores de segurança alimentar podem detectar patógenos prejudiciais e agir mais rapidamente. Além disso, depois de atingir um pico em 2016, o número total de recalls diminuiu em 2017 (817 recalls totais) e 2018 (703 recalls totais).


Elegantemente saudável

& # 8230 provavelmente seria ÓTIMO em manter o médico afastado, exceto pelo incômodo surto de salmonela que está acontecendo agora. Eu estava tão concentrado em manter o controle de onde minhas cebolas estão vindo, eu nem sabia sobre esse recall, exceto que enquanto eu estava tentando comprar pêssegos em um auto checkout local do Walmart (não julgue, eles estavam lindos ) minha filha e eu pensamos que estava sendo cardada pelos ditos pêssegos. Embora estranho, nós dois ficamos intrigados & # 8230

Após alguma espera, o gerente nos notificou que o produto havia sido recolhido. Isso foi por volta das 13h de hoje. Felizmente, como o estávamos comprando em uma loja conhecida por sua enorme quantidade de tecnologia, não voltamos para casa com o produto recolhido, que possivelmente estava abrigando um patógeno causando um surto de Salmonella Enteritidis. De acordo com o FDA e o CDC (nos artigos que coloquei no hiperlink), o surto está vinculado a uma empresa chamada Prima Wawona (Wawona Packing Company LLC), que aparentemente é o maior fornecedor / produtor de frutas com caroço nos Estados Unidos (fora da Califórnia .)

O rastreamento do surto de pêssegos pelo CDC é o seguinte (a partir de 19 de agosto:

  • Contagem de casos: 68
  • Estados: 9
  • Hospitalizações: 14
  • Mortes: 0
  • Lembre-se: Sim

Suponho que o lado bom é que o surto / recall só começou (pelo menos sendo relatado) em 19 de agosto e, embora os casos provavelmente aumentem, as lojas podem retirar o estoque da prateleira.

You can check out a map of reported cases here, according to the map Minnesota has the most reported cases at 23. The peaches were sold in the following grocery stores, though may have been sold in additional ones: Retailers Aldi, Kroger, City Market, Fry’s, Food 4 Less, Food Lion, Foods Co., Hannaford, Jay-C, King Soopers, Ralphs, and Smiths, Target, Walmart and Wegman’s. The recall has also extended to Canada as well.

Recalled bagged peaches packed or supplied by Prima Wawona from June 1, 2020 to August 19, 2020 should not be eaten and should be thrown away. Recalled loose/bulk peaches packed or supplied by Prima Wawona from June 1, 2020 to August 3, 2020 should not be eaten and should be throw them away. (FDA)

Unfortunately, I doubt I was the first person at Walmart to attempt a purchase of those peaches today and there was still a fully stocked bin of them just begging to be picked up and bagged. Could customers be spreading the Salmonella to other food items after choosing the peaches? Um yeah, pretty sure that’s a given. But also consider we also have a Salmonella recall going on regarding onions…

Info on how to handle potentially contaminated foods can be found here (it’s not pretty, you’ve been warned) but just understand you can’t actually wash it off if it’s a contaminated piece of fruit or food, especially one that’s not customarily cooked. Check your peaches against the PLU codes in the CDC/FDA websites

Consumers who cannot identify the brand or remember the date of purchase, should throw the product away. Consumers who may have frozen peaches supplied by Prima Wawona should throw them away.

FDA recommends that anyone who received recalled peaches packed or supplied by Prima Wawona use extra vigilance in cleaning and sanitizing any surfaces and containers that may have come in contact with the produce to reduce the risk of cross-contamination. This includes cutting boards, slicers, countertops, refrigerators, and storage bins.

https://www.fda.gov/food/outbreaks-foodborne-illness/outbreak-investigation-salmonella-enteritidis-peaches-august-2020

If you experience any of the following symptoms: diarrhea, fever and abdominal cramps, it’s worth going to your healthcare provider. More to come as the story develops.


Twinkie recall issued over salmonella concerns

Although Twinkies normally have a long shelf life, don’t hoard any boxes of limited-edition Holiday White Peppermint Hostess Twinkies for your post-holiday snacking or apocalypse preparation needs.

Hostess has recalled the multipack boxes, with nine cakes in each, in response to a recall by Blommer Chocolate Co., which produced the confectionery coating used on the holiday Twinkies. The coating contains milk powder ingredients produced by Valley Milk Products LLC, which may be contaminated with salmonella.

Salmonella was found at the company’s manufacturing facility, including in 50-pound bags of Valley Milk’s sweet cream buttermilk powder and high heat nonfat dry milk powder.

Consumers are urged to throw out recalled items or return them to the store for a refund.

However, all other Hostess products, including the beloved original Twinkies, are not being recalled.

Palmer Candy Co. has also issued a recall for a number of chocolate confections, including covered pretzels, almond and peppermint bark and candy party bowls.

“We are truly sorry for any distress this recall causes to our retail customers and to consumers,” said Marty Palmer, president and chief executive officer of Palmer Candy. “We remain committed to the highest standards in food quality and safety. We are taking this recall very seriously and truly appreciate the cooperation of our customers as we work to resolve this matter promptly.”

The recall is just one of many announced by the Food and Drug Administration in connection with an expanding recall of milk powder ingredients produced by Valley Milk Products. The recalled products have been shipped to dozens of states nationwide.

“These products are not sold directly to consumers, but are used (as) ingredients in a number of foods such as bakery products and distributed by brokers,” said the recall statement from Valley Milk Products. No samples of milk powder have tested positive for the bacteria, according to the company.

No one has reported getting sick from these products, but exposure to salmonella can result in diarrhea, abdominal cramps and fever. Most people who are exposed to the bacteria recover, even without treatment.

For those with compromised immune systems, for example due to chemotherapy, this kind of infection can be much more serious and require hospitalization. The elderly and infants can also have a hard time fighting off these infections.


You’re signed up

We’ll start sending you the news you need delivered straight to you. Valorizamos sua privacidade. Unsubscribe easily.

ConsumerAffairs is not a government agency. Companies displayed may pay us to be Authorized or when you click a link, call a number or fill a form on our site. Our content is intended to be used for general information purposes only. It is very important to do your own analysis before making any investment based on your own personal circumstances and consult with your own investment, financial, tax and legal advisers.

Copyright © 2021 Consumers Unified LLC. All Rights Reserved. The contents of this site may not be republished, reprinted, rewritten or recirculated without written permission.


Pedigree Pet Food Recall: Salmonella Contamination

Chagrin Falls, Ohio (September 16, 2008)—Mars Petcare US announced another recall of its pet food products manufactured at its Everson, Pennsylvania facility. The pet food is being recalled because of contamination with a bacteria called Salmonella, which causes severs diarrhea and can be fatal. This recall only affects the United States. Salmonella bacteria can cause serious infections in dogs and cats, and, people are also at risk if they handle the contaminated food. People especially at risk are children, older individuals and those with compromised immune systems. Healthy people that may have touched the tainted food should monitor themselves for some or all of the following signs: nausea, vomiting, diarrhea or bloody diarrhea, abdominal cramping and fever. On rare occasions, Salmonella can result in more serious problems including artery infections, heart infections called endocarditis, arthritis, muscle pain, eye irritation, and urinary tract symptoms. Consumers showing these signs after having contact with the tainted pet food should contact their physician immediately.

Pets with Salmonella infections may be lethargic and have diarrhea or bloody diarrhea, fever, and vomiting. Some pets will have only decreased appetite, fever and abdominal pain. Animals can be carriers with no visible signs and can potentially infect other animals and/or humans. If your pet has consumed the recalled product and has these symptoms, please contact your veterinarian. Mars Petcare US does not plan to resume production out of a commitment to the safety of our pet owners and their pets, customers, and associates. Many of the brands involved in the recall are national brands produced at multiple facilities. A chart for all products is listed on the mars web site.

Mars Petcare US will work with retail customers to ensure that the recalled products are not on store shelves. These products should not be sold or fed to pets. In the event that consumers believe they have purchased products affected by this voluntary recall, they should return the product to the store where they purchased it for a full refund. Specific product details and other information can be found at www.petcare.mars.com
Please find recalled pet food UPC information below.

The products listed below are made at our Everson facility on behalf of a variety of retailers. All code dates, with the exception of PEDIGREE®, are listed in a similar format as noted below:

Consumers should look for “17” as the first two digits of the second line. Sample:
Best By Feb 18 09
17 1445 1

For PEDIGREE® the Everson code date format is as follows:
Consumers should look for “PAE” on the bottom line – the sixth, seventh and eighth digits. Sample:
PEDIGREE ® Small Crunchy Bites
Best Before 02/2009
808G1PAE01 12:00

In an effort to prevent the transmission of Salmonella from pets to family members and care givers, the FDA recommends that everyone follow appropriate pet food handling guidelines when feeding their pets. A list of safe pet food handling tips can be found at: www.fda.gov/consumer/updates/petfoodtips080307.html
Pet owners who have questions about the recall should call 1-877-568-4463 or visit www.petcare.com

Author: Dr. Carol Osborne

Chagrin Falls Veterinary Center & Pet Clinic with Dr. Carol Osborne. Located in Chagrin Falls, Ohio at 530 East Washington Street. Chagrin Falls Veterinary Center & Pet Clinic is operated by Veterinarian & Pet Celebrity Dr. Carol Osborne, the Integrative Pet Wellness Center offers traditional & natural alternative pet health products & therapies for dogs & cats.

Related posts

6 Comments

looks like humans aren’t they only one who get affected by bacteria and germs in our food. Animals are also getting infected as well. Ótimo artigo.

Hi Dr Webb,
I appreciate your comment!
Obrigado
Dr Carol

BETTER FOODS TO FEED YOUR PETS AND WHY
If your dog has diarrhea mixing rice with their food and even some unflavored Metamucil helps to firm up stool. Pedigree is really not a very good food to begin with. Neither is IAMs Beneful Purina or any of the other foods you have usually heard of. The first several ingredients are usually corn (we know what happens when our body gets corn, we poop it out and don’t use it, same with dogs) meat by products (the take the meat off of whatever it is and you get the bones, feathers, coat, feet, beaks, etc) and white or brewers rice (no nutritional value, just a filler) because of this our dogs need to eat more to get the nutrients they need and poop a lot more too. Also…science diet and eukanuba are not very good foods either. They used to be but they were bought out by other companies who, to save money, changed the ingredients to fillers and by products. These foods cost about the same as the all naturals foods and you are getting pedigree quality food. You can check all the ingredients yourself. Stay away from the first 3 ingredients being corn, by products of any kind, and white or brewer’s rice. Go for foods with chicken, chicken meal, or any meats that don’t have by product after them, and BROWN rice. These are good foods. Try going to a specialty pet store and ask about a better food. Precise, Royal Canin, and Verus are all really good foods. When you look at the ingredients they will be along the lines of Chicken, brown rice (the only rice with nutritional value for dogs), and usually another protein source such as chicken meal (chicken meal is just dehydrated chicken, very good) your dogs will eat much less of the food so even though it cost a bit more you go through less food and it ends up saving you money. They also poop less, live longer, and are overall healthier. I have four shih tzus and I feed them Royal Canin dry food. 10lbs of that food last us over a month. 4 adults dogs eating only 10lbs of food between the 4 of them is pretty good! These foods are also all natural and organic so they are never involved in any recalls you know your food is always safe. Go to your local pet store and ask about these brands (Precise, Royal Canin, Verus, Wellness, California Natural, Innova, Canidae, Merrik) many stores, such as Pets Plus, will even give you your money back for the dog food if your dog doesn’t like it and has programs such as buy 10 bags get your 11th free. It’s worth a try and trust me your dogs will love it.

Hi
We appreciate your comments. Prairie made by Natures Variety and Newmans Organics line of pet foods are also natural, have never been recalld and as a veterinarian I have used them for quite a while with successful results. Any premiuum pet food should always have a 100% money back guarantee.

No commercial pet food in a bag or a can can ever match the quality of a good home made diet, which if supplemented with a natural vitamin product like PAAWS or VitaLife provides pets with balanced excellant nutrition.

For a home made diet in general: 1/3 lean protein, sources include: chicken, turkey, lamb,duck, beef, salmon, eggs with 1/3 long acting carbohydrates including rice, pasta, potatoes or oatmeal and 1/3 veggies such as broccoli, green beans, peas, carrots, etc.

Mix them together and cook with a little extra virgin olive oil then spice it up so it smells and tastes good. The olive oil enhances both the smell and taste as well as providing an excellant source of essential omega 3,6 fatty acids. Many pets like barbecue sauce, pasta sauce and tamari for flavor.
I have several great recipes for pets and am available toll free at 1-866-372-2765.
Obrigado
Dr Carol

I am concerned about the Pedigree dog food recall doese anyone on here Know if it also included the 15# bags?
I bought a bag and poured it into my dog food container and now I have no Information On the dog food but was informed that all other sizes were recalled but I have not herd anything on the 15# bags I am very scared to feed My baby poodle This food.
i would appreciate any information.
Thanks,
florence


A First…Pet Food Recall leads to Human Food Recall

To my knowledge, this has never happened before. A pet food discovered a bacterial contamination in a human grade ingredient. The human food industries using the exact same ingredient never caught the problem. Score one for pet food.

To my knowledge, this has never happened before. A pet food discovered a bacterial contamination in a human grade ingredient. The human food industries using the exact same ingredient never caught the problem. Score one for pet food.

On January 15, 2018 the pet food company Just Food for Dogs announced a recall . The pet food company (using 100% human edible ingredients) acted on a consumer complaint testing of the pet food discovered Listeria monocytogenes. Further testing done by Just Food for Dogs traced the bacterial contamination to green beans used in the dog food. Just Food for Dogs notified its customers, the public, regulatory authorities and it’s supplier.

Which has now led to a human food recall. From Food Safety News …

National Frozen Foods Corp. issued a Class I recall of individual quick frozen green beans because of potential Listeria monocytogenes contamination, according to notices posted by US Foods Inc. and the U.S. Department of Defense Commissary Agency.

The frozen food manufacturer issued its recall following the detection of Listeria monocytogenes in a third-party test by a downstream customer, a pet food company.

A notice from the U.S. Department of Defense Commissary Agency reported the following products sold in its commissary stores were included in the recall:

SYS IMP Bean Green Whole IQF NWP, 12/2 pounds: Lot number 17102703A03, MPC V5404

NW TRES Bean Green Cut, 1/30 pounds: Lot number 17102603A02, MPC 62406-9007

SYS CLS Bean Green Cut GR A P, 12/2 pounds: Lot number 17102703A03, MPC 1435197

Hats off to Just Food for Dogs. Your swift action, your safety protocols surpassed that of human food. Obrigada.

Wishing you and your pet(s) the best,

Susan Thixton
Pet Food Safety Advocate
Author Buyer Beware, Co-Author Dinner PAWsible
TruthaboutPetFood.com
Association for Truth in Pet Food


Become a member of our pet food consumer Association. Association for Truth in Pet Food is a a stakeholder organization representing the voice of pet food consumers at AAFCO and with FDA. Your membership helps representatives attend meetings and voice consumer concerns with regulatory authorities. Click Here to learn more.

What’s in Your Pet’s Food?
Is your dog or cat eating risk ingredients? Chinese imports? Petsumer Report tells the ‘rest of the story’ on over 5,000 cat foods, dog foods, and pet treats. 30 Day Satisfaction Guarantee. Click Here to preview Petsumer Report. www.PetsumerReport.com

The 2018 List
Susan’s List of trusted pet foods. Click Here to learn more.


Zuke’s Dog Treats Reviews of Ingredients

Most Popular Dog Treat: Zuke's Mini Naturals Roasted Chicken Recipe

First of all, these moist mini treats start with chicken as the first and main ingredient. Ground rice, ground barley and malted barley are the main carbohydrates.

Next on the list is vegetable glycerine, a sweetener, not to be confused with other types of glycerine that are sometimes left over by-products from biofuel, high in wood alcohol.

Tapioca is next, which isn’t one of my favorite starches. It’s higher on the glycemic index, which is already higher because the recipe uses white rice. After that are natural flavor, cherries, sunflower oil and salt. Lecithin is an emulsifier and natural preservative, but it’s often from soy, so it’s a bit suspect.

The next ingredient, phosphoric acid, links to reduced bone density. Then there are rosemary and turmeric, healthy spices. Sorbic acid, ascorbic acid and mixed tocopherols are natural preservatives, but sorbic acid is irritating to the skin, eyes and respiratory tract. Ascorbic acid can be irritating to the stomach too. Finally, there is vitamin E supplement and zinc propionate.

  • Crude Protein (min) 10%
  • Crude Fat (min) 7%
  • Crude Fiber (max) 2%
  • Moisture (max) 30%
  • 3,640 kcal/kg, 3.19 kcal/treat

Zukes Dog Treats Recall History

Are Zukes treats safe? The company website proudly states that there’s never been a Zukes dog treats recall, since they started making dog and cat treats in 1995. Unfortunately, their parent company’s reputation isn’t as good.

  • 2013, recalled some Purina ONE Beyond dog food for salmonella.
  • 2012, sued for death of pet after eating Waggin' Train treats. The Food and Drug Administration received more than 900 reported illnesses or deaths from the use of Chinese chicken products.
  • ​2013, Waggin' Train and Canyon Creek dog treats found to have trace amounts of antibiotic residue by the New York State Department of Agriculture and Markets. They are temporarily taken off the market, leading to a $6.5 million settlement in 2014.
  • ​2015, class-action lawsuit against Purina for toxic ingredients in Beneful brand of dog food, eventually dropped because they all were FDA-approved.
  • ​2007, recalled some products, including Alpo Prime Cuts in Gravy, after widespread contamination of ingredients from China. Chinese wheat gluten was contaminated with melamine.
  • 2005, recalled all of its dry pet food made in La Encrucijada, Venezuela for verified contaminants causing illness.


Assista o vídeo: Você sabe o que é Recall? (Janeiro 2023).